Meu corpo me pertence: interfaces entre psicologia, dança e gênero

Candela Andrea Ramallo Garcia, Lara Soutto Mayor Vieira, Marisa Antunes Santiago, Hebe Signorini Gonçalves

Resumo


Este artigo nasce da inserção da equipe de psicologia numa oficina de dança do Centro de Referência de Mulheres da Maré – Carminha Rosa. Através da exploração e (re)conhecimento corporal proporcionado na oficina, percebemos a possibilidade de o corpo da mulher se desprender de uma identidade e se abrir para novos contornos e possibilidades de ser. Assim, o artigo objetiva pensar as interfaces entre psicologia e dança, refletindo sobre as possíveis contribuições destas às reflexões e produções no campo das políticas de gênero. Para tanto, realizaram-se entrevistas semiestruturadas com participantes da oficina e análise dos relatos da equipe de psicologia que acompanhava a oficina. Ao explorar o corpo como ponto de ancoragem da atuação da psicologia e das lutas pela igualdade de gênero, o texto conclui que a conexão entre psicologia, corpo e gênero representa uma possibilidade promissora tanto no que se refere à liberdade subjetiva quanto à superação das formas de dominação de gênero e que ambas as perspectivas merecem ser mais bem exploradas.

Palavras-chave


gênero; psicologia; corpo; dança

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Branca Moreira; PITANGUY, Jacqueline. O que é feminismo. São Paulo: Brasiliense, 2007.

ALVES, Branca Moreira et al. Espelho de Vênus: identidade social e sexual da mulher. São Paulo: Brasiliense, 1981.

BARROS, Laura Pozzana de. Sistema Rio-Aberto: o corpo em conexão. 2006. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Departamento de Psicologia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2006

BERTH, Joice. O que é empoderamento? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

FLORES-PONS, Gemma.; IÑIGUEZ-RUEDA, Lupicinio. Análisis del discurso tecnocientífico que construye la muerte encefálica en un manual de coordinación de trasplantes. Discurso y Sociedad, Barcelona, v. 3, n. 4, p. 682-713, 2009.

GREGORI, Maria Filomena. Cenas e queixas: um estudo sobre mulheres, relações violentas e a prática feminista. São Paulo: ANPOCS, 1993.

LAZZAROTTO, Gislei Domingas Romanzini; CARVALHO, Julia Dutra de. Afetar. In: FONSECA, Tania Mara Galli; NASCIMENTO, Maria Lívia do; MARASCHIN, Cleci. (Org.). Pesquisar na diferença: um abecedário. Porto Alegre: Sulina, 2012. p. 25-27.

LOURAU, René. René Lourau na Uerj. Análise Institucional e Práticas de Pesquisa. Rio de Janeiro: EDUERJ, 1993.

MARINHO, Paloma Abelin Saldanha. Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo: o processo de empoderamento de mulheres em situação de violência. 2014. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2014.

MARINHO, Paloma Abelin Saldanha et al. As oficinas sociais e o fortalecimento da autonomia feminina. Brasília: Conselho Federal de Psicologia, 2012. Prêmio Profissional: “Democracia e Cidadania Plena das Mulheres”.

MOEHLECKE, Vilene; FONSECA, Tania Mara Galli. O corpo encontra Apolo e Dionísio: potências e fragilidades. Psicol. USP, São Paulo, v. 19, n. 3, p. 375-392, sept. 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642008000300007

MOURA, Amanda Duarte. Que corpo é esse? Que pulsa, escuta, expulsa, abraça, comporta, contém: reflexões acerca da inserção de uma psicóloga numa Oficina de Dança. 2015. Monografia (Residência Multidisciplinar em Políticas de Gênero e Direitos Humanos) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2015.

SIMONI, Ana Carolina Rios; RICKES, Simone Moschen. Outrar. In: FONSECA, Tania Mara Galli; NASCIMENTO, Maria Lívia do; MARASCHIN, Cleci. Pesquisar na diferença: um abecedário. Porto Alegre: Sulina, 2012. p. 179-181.

SPINDLER, Patrícia. Dança: uma ferramenta potencializadora da subjetividade. Mnemosine, Rio de Janeiro, v. 1, n.1, p. 262-276, 2005.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v31i2/5600

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: