Corpo, utopia e limite no pensamento de Michel Foucault

Mauricio Silva, Reinaldo Furlan

Resumo


Este artigo discute a relação entre corpo e limite na obra de Michel Foucault, notadamente em textos que figuram às margens de sua interpretação canônica. A discussão sobre o corpo está presente em diversos momentos de sua obra e ganha destaque no final da década de 1970, quando a análise dos processos de subjetivação predomina em seu pensamento. A noção de limite, por sua vez, pode ser compreendida de diferentes maneiras dentro de sua obra. Em nossa análise, trataremos da utilização específica do termo “experiência-limite” em dois textos fora do “cânone”, confrontando-os com uma das abordagens mais diretas sobre o corpo que pode ser encontrada na obra foucaultiana: a rádioconferência O corpo utópico, de 1966.

Palavras-chave


Foucault; corpo; limite; utopia; subjetividade

Texto completo:

PDF

Referências


BATAILLE, Georges. La experiência interior (1944). Tradução de Fernando Savater. Madrid: Taurus, 1986.

BIMBENET, Étienne. Comme à la limite de la mer un visage de sable: Merleau-Ponty et Foucault. In: ______. Après Merleau-Ponty: études sur la fécondité d´une pensée. Paris: Librairie Philosophique J. Vrin, 2011. p. 15-42.

CHAUÍ, Marilena. Notas sobre Utopia. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 60, n. spe1, p. 7-12, 2008. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252008000500003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 22 mar. 2016.

DELEUZE, Gilles. Foucault. (Martins, C.S.A.; trad.). São Paulo: Brasiliense, 1988.

FOUCAULT, Michel. De los espacios otros. Conferencia dicada en el Cercle des études architecturals, 14 de marzo de 1967. Tradução de Pablo Blitstein y Tadeo Lima. Disponível em: http://disciplinas.stoa.usp.br/mod/resource/view.php?id=67995. Acesso em: 5 abr. 2016.

FOUCAULT, Michel. Doença mental e psicologia (1962). Tradução de Lilian Rose Shalders. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975.

FOUCAULT, Michel. A história da loucura na idade clássica (1961). Tradução de José Teixeira Coelho Netto. São Paulo: Perspectiva, 1978.

FOUCAULT, Michel. Préface à la transgression, Critique, n. 195-196: Hommage à G. Bataille (1963). In: ______. Dits et ecrits (1954-1988), tome I: 1954-1969. Paris: Quarto Gallimard, 1994. p. 233-250.

FOUCAULT, Michel. La pensée du dehors, Critique, n. 229 (1966). In: ______. Dits et ecrits (1954-1988), tome I: 1954-1969. Paris: Quarto Gallimard, 1994. p. 518-539.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: a vontade de saber (1976). Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 13. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1999. v. 1.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas (1966). Tradução de Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

FOUCAULT, Michel. Dits et ecrits II: 1976-1988 (1994). Paris: Quarto Gallimard, 2001.

FOUCAULT, Michel. El poder psiquiátrico: curso en el Collège de France. (Pons, H., trad.). Buenos Aires: Fondo de Cultura Economica de Argentina, 2003.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão (1975). 35. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber (1969). Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009a.

FOUCAULT, Michel. (1984). Outros espaços. In: MOTTA, Manoel Barros (Org.). Estética: literatura e pintura, música e cinema. Tradução de Inês Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009b. Coleção Ditos & Escritos, v. 3, p. 411-422.

FOUCAULT, Michel. O corpo utópico: texto inédito de Michel Foucault (1966/2010). Disponível em: https://www.geledes.org.br/cansada-de-ler-sobre-garotos-menina-reune-4-000-livros-com-garotas-negras/. Acesso em: 17 set. 2013.

FOUCAULT, Michel. O corpo utópico: as heterotopias. (1966). Tradução de Salma Tannus Muchail. São Paulo: Edições n-1, 2013.

MACHADO, Roberto. Foucault, a filosofia e a literatura. 3. ed.. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2005.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém (1885). Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

NIETZSCHE, Friedrich. A gaia ciência (1882). Tradução de Antônio Carlos Braga. São Paulo: Escala, 2006. Coleção Grandes Obras do Pensamento Universal.

PLATÃO. Diálogos. Os pensadores. Tradução de José Cavalcante de Souza, Jorge Paleikat e João Cruz Costa. 5. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1991.

PROUST, Marcel. No caminho de Swan. Tradução de Fernando Py. São Paulo: Folha de São Paulo, 2003. Coleção Em Busca do Tempo Perdido, v. 1.

SABOT, Philippe. Langage, société, corps : utopies et hétérotopies chez Michel Foucault, 2012. Disponível em: https://halshs.archives-ouvertes.fr/halshs-00746742/document. Acesso em: 4 maio 2016.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v31i2/5629

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: