Linguística e produção de subjetividade: relações esboçadas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/1984-0292/2022/v34/5771

Palavras-chave:

linguística, literatura, produção de subjetividade

Resumo

No presente artigo buscamos realizar uma discussão a respeito de duas concepções de linguagem: a formalista e a pragmática, em algumas de suas vertentes. A partir dessa contraposição, teremos como objetivo traçar algumas possíveis consequências dessas concepções para a forma como compreendemos e abordamos a literatura e seu vínculo com a produção de subjetividade. Assim, em um primeiro momento, procuraremos explicitar um tipo abordagem da língua feita por Saussure e suas consequências para o entendimento da relação autor-obra. Em seguida, nos dedicaremos à pragmática de Austin, procurando contrastá-la à proposta saussuriana. Por fim, veremos a pragmática de Deleuze e Guattari, bem como suas implicações na forma como compreendemos o processo de escrita literária e seus efeitos sobre a produção de subjetividade. Dessa forma, buscamos indicar que o próprio processo de escrita é criador, engendrando a produção da língua, do mundo e da subjetividade do próprio escritor a um só tempo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Veronica Gurgel, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Professora auxiliar no Centro Universitário IBMR. Doutora em psicologia pelo PPGP - UFRJ. Doutora pelo PPGP - Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio Janeiro, com bolsa CNPq. Mestre pelo PPGP - Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio Janeiro, com bolsa CAPES. Graduação e Formação em Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Participa de projetos de pesquisa nas áreas de deficiências, literatura, cognição, produção de subjetividade, e arte. Ministrou as disciplinas de Percepção e Pensamento, Aprendizagem e Memória, Psicologia em Saúde, Práticas de intervenção em Comunidades, Introdução à Psicologia e Trabalho e Subjetividade 

Referências

AUSTIN, John Langshaw. Quando dizer é fazer. Trad. Danilo Marcondes de Souza Filho. Porto Alegre: Artes médicas, 1990.

COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria. Belo Horizonte: UFMG, 2012.

CORTÁZAR, Júlio. O jogo da amarelinha. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

DELEUZE, Gilles. O ABECEDÁRIO de Gilles Deleuze. Entrevista concedida a Claire Parnet. Youtube. Vídeo produzido por Leandro Turco. 1988. 2h24min55s. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=OuOfzEXqAx4. Acesso em: 10 jan. 2015.

DELEUZE, Gilles. Conversações. São Paulo: Ed. 34, 2006.

DELEUZE, Gilles. Crítica e clínica. Rio de Janeiro: Ed. 34, 2011.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Acerca do ritornelo. In: DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Ed. 34, 1997. v. 4, p. 115-170.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Ed. 34, 2007. v. 2.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O Anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Ed. 34, 2010.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Kafka: por uma literatura menor. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

DOSSE, François. História do Estruturalismo: o campo do signo. Campinas: Unesp, 1993. v. 1.

EAGLETON, Terry. Teoria da literatura: uma introdução. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

GAGLIARDI, Caio. Disfarce e fraude autoral: por uma reconstituição do sujeito empírico na escrita. Revista Criação & Crítica [s./l.], n. 12, p. 106-119, 2014. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i12p106-119

GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. Rio de Janeiro: Ed. 34, 2012.

GULLAR, Ferreira. A invenção da vida. In: GONÇALVES, José Eduardo (Org.). Ofício da palavra. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

JANVIER, Antoine; PIERON, Julien. Postulats de la linguistique et politique de la langue – Benveniste, Ducrot, Labov. Dissensus: Revue de philosophie politique de l’ULg, n. 3, p. 138-163, 2010. Disponível em: https://popups.uliege.be/2031-4981/index.php?id=713&file=1&pid=710. Acesso em: 23 nov. 2019.

LONGWORTH, Guy. John Langshaw Austin. In: Stanford Encyclopedia of Philosophy, 2012. Disponível em: http://plato.stanford.edu/archives/win2013/entries/austin-jl/. Acesso em: 10 ago. 2018.

MACHADO, Roberto. Deleuze, a arte e a filosofia. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2009.

RUFFATO, Luiz. A subversão narrativa. In: GONÇALVES, José Eduardo (Org). Ofício da palavra. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

SAUSSURE, Ferdinand. Curso de linguística geral. São Paulo: Cultrix, 1994.

SEGRE, Cesare. Discurso. In: Enciclopédia Einaudi: Literatura-Texto. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1989. v. 17. p. 11-40,

TEDESCO, Silvia. Estilo e subjetividade: considerações a partir do estudo da linguagem. 1999. 255 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1999.

TEDESCO, Silvia. A natureza coletiva do elo linguagem-subjetividade. Psicologia: Teoria e Pesquisa [online], v. 19, n. 1, p. 85-89, 2003. https://doi.org/10.1590/S0102-37722003000100011

TEDESCO, Silvia. Mapeando o domínio de estudos da psicologia da linguagem: por uma abordagem pragmática das palavras. In: KASTRUP, Virginia; TEDESCO, Silvia; PASSOS, Eduardo (Org.). Políticas da cognição. Porto Alegre: Sulina, 2008a. p. 21-45.

TEDESCO, Silvia. Linguagem: representação ou criação? In: KASTRUP, Virginia; TEDESCO, Silvia; PASSOS, Eduardo (Org.). Políticas da cognição. Porto Alegre: Sulina, 2008b. p. 113-135.

ZOURABICHVILI, François. O vocabulário de Deleuze. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004.

Downloads

Publicado

2022-06-24

Como Citar

GURGEL, V. Linguística e produção de subjetividade: relações esboçadas. Fractal: Revista de Psicologia, v. 34, p. Publicado em 24/06/2022, 24 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos