O batismo da população escravizada, na cidade de Teresina, no final do século XIX

Autores

  • Talyta Marjorie Lira Sousa Nepomuceno Universidade Federal do Piauí, Instituto Federal do PiauíO BATISMO DA POPULAÇÃO ESCRAVIZADA, NA CIDADE DE TERESINA, NO FINAL DO SÉCULO XIX

Resumo

Um dos principais objetivos do estudo do passado é investigar as permanências e as rupturas ocorridas ao longo do tempo, em um dado espaço. Para este trabalho analisaremos os registros eclesiásticos de nascimento/batismo de escravizados da cidade de Teresina após a Lei nº 2.040, de 28 de setembro de 1871 – Lei do Ventre Livre. Por meio deste estudo, observaremos o número de batismos celebrado entre os anos de 1871 e 1880, a forma como estava escrito o registro batismal, a presença ou não do pai e da mãe da criança, o sexo da criança batizada e, por fim, a condição jurídica dos padrinhos e madrinhas. No que diz respeito ao levantamento das fontes, recorremos às fontes primárias existentes no Arquivo da Casa Paroquial de Nossa Senhora das Dores [onde, segundo o censo de 1872, localizava-se a maioria da população negra escravizada e liberta da cidade de Teresina] e no Arquivo Público do Estado do Piauí. Essas informações nos ajudam a compreender as relações sociais e estratégias usadas pelos envolvidos, expressando sinais de uma sociedade escravista.

 

PURL: http://purl.oclc.org/r.ml/v3n1/a5

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Talyta Marjorie Lira Sousa Nepomuceno, Universidade Federal do Piauí, Instituto Federal do PiauíO BATISMO DA POPULAÇÃO ESCRAVIZADA, NA CIDADE DE TERESINA, NO FINAL DO SÉCULO XIX

Mestre em História do Brasil pela Universidade Federal do Piauí (2012), Especialista na área de Políticas de Promoção da Igualdade Racial na Escola pelo Centro de Educação Aberta e a Distância da Universidade Federal do Piauí (2015), graduada em Licenciatura em História pela Universidade Federal do Piauí (2009), graduanda em Bacharelado em Direito pelo Centro de Ensino Superior do Vale do Parnaíba.

Professora do Instituto Federal do Piauí eTutora da educação à distância UFPI.

Referências

BASSANEZI, Maria Silvia. Os eventos vitais na reconstituição da história. In: O historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto, 2009, p. 141-172.

CHALHOUB, Sidney. Visões da Liberdade: uma história da última década da escravidão na corte. São Paulo: Companhia das Letras, 1990, p. 189.

CHAVES, Monsenhor. Obras Completas. Teresina: Fundação Cultura Monsenhor Chaves, 1998, p. 110.

DEMETRIO, Denise Vieira. Famílias escravas no recôncavo da Guanabara: séculos XVII e XVIII. Dissertação [Mestrado em História]. Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2008.

FARIA, Sheila de Castro. A colônia em movimento: fortuna e família no cotidiano colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

FLORENTINO, Manolo; GÓES, José Roberto. A paz das senzalas: famílias escravas e tráfico atlântico, Rio de Janeiro, 1790-1850. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997, p. 92.

GABRIEL, Sergio. “Filiação e seus efeitos jurídicos”.Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=3842>. Acesso: 18/07/2017.

GÓES, José Roberto. O cativeiro imperfeito:um estudo sobre a escravidão no Rio de Janeiro na primeira metade do século XIX. Vitória: Lineart, 1993, p. 105.GRAHAM, Sandra Lauderdale. Caetana diz não:histórias de mulheres da sociedade escravista brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2005,p. 69-70.

KJERFVE, T.M.G.N; BRUGGER, S.M.J. “Compadrio: relação social a libertação espiritual em sociedades escravistas [Campos 1754-1766]”.In: Estudos Afro-Asiáticos, 20 jun., 1991, p. 234.

LARA, Silvia Hunold [organização]. Ordenações Filipinas, Livro V. São Paulo: Companhia das Letras, 1999, p. 308.

LIMA, Solimar Oliveira. Braço Forte: trabalho escravo nas fazendas da nação no Piauí [1822-1871]. Passo Fundo: UPF, 2005, p. 134.

LOTT, Mirian Moura. “Fontes paroquiais, suas permanências e mudanças: século XIX”. Comunicação apresentada no II Simpósio Internacional sobre Religiões, Religiosidades e Culturas.Organizado pela Universidade Federal da Grande Dourados. Dourados-MS. 2006, p. 6.

MARCÍLIO, Maria Luiza. Dos registros paroquiais à demografia histórica no Brasil. In: Anais de História, Assis, 1983, p. 83. MARCÍLIO, Maria Luiza. “Os registros paroquiais e a história do Brasil”.In:Várias histórias, n. 31, jan.2004.

PESSOA, Jáder Lúcio de Lima. Registro Civil de Nascimento: direito fundamental e pressuposto para o exercício da cidadania. Brasil, 1988-2006. Dissertação de mestrado em Direito-Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, 2006.

POLLACK, Michael. Memória e identidade social.In: Estudos Históricos,Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, 1992, p. 6

Downloads

Publicado

2017-10-17

Como Citar

Sousa Nepomuceno, T. M. L. (2017). O batismo da população escravizada, na cidade de Teresina, no final do século XIX. Mundo Livre: Revista Multidisciplinar, 3(1), 63-82. Recuperado de https://periodicos.uff.br/mundolivre/article/view/39937

Edição

Seção

Artigos