DOMINÓ FRACIONÁRIO: USO DO MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE FRAÇÕES

Autores

Palavras-chave:

jogo, laboratório do ensino de matemática, formação inicial de professores.

Resumo

Este trabalho apresenta um relato de experiência resultado da disciplina de Laboratório do Ensino de Matemática I, do curso de Licenciatura em Matemática do campus VII da Universidade do Estado da Bahia. Ao longo do semestre de 2019.2, foram feitas observações de aulas de matemática do 6º ano do Ensino Fundamental, com o intuito de conhecer a realidade da mesma, percebendo as diversas variáveis existentes no ensino e aprendizagem dessa ciência, a metodologia de ensino e o desenvolvimento dos(as) alunos(as) e suas relações com o conhecimento matemático. Após as observações, foi proposto, desenvolvido e vivenciado um jogo, o Dominó Fracionário, possibilitando a transposição das ideias do jogo tradicional para a versão adaptada à sala de aula, auxiliando na aprendizagem do conteúdo. Essa experiência possibilitou uma aproximação do futuro professor com a realidade escolar antes da realização dos estágios, contribuindo, assim, para a constituição da identidade docente e para a ressignificação de teorias e de estudos produzidos na universidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Evaldo da Silva Vieira, Universidade do Estado da Bahia

Graduando em Licenciatura em Matemática da Universidade do Estado da Bahia, Campus VII.

Américo Junior Nunes da Silva, Universidade do Estado da Bahia

Doutor em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Professor da Universidade do Estado da Bahia, Departamento de Educação do Campus VII e do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Territórios Semiáridos (PPGESA/UNEB).

Referências

BAHIA. Documento Curricular Referencial da Bahia para Educação Infantil e Ensino Fundamental. Secretaria da Educação. Superintendência de Políticas para Educação Básica. União Nacional dos Dirigentes Municipais da Bahia. União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação. Salvador: Secretaria da Educação, 2019.

D’AMBROSIO, B. S. Formação de professores de matemática para o século XXI: o grande desafio. Pro-Posições, Campinas-SP, v. 4, n. 1, p. 35-41, mar, 1993.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

GRANDO, R. C. O jogo e a matemática no contexto da sala de aula. São Paulo: Paulus, 2008.

MUNIZ, C. A. Educação Lúdica da Matemática, Educação Matemática Lúdica. In: SILVA, A. J. N; TEIXEIRA, H. S (org.). Ludicidade, formação de professores e educação matemática em diálogo. 1. ed. Curitiba: Appris, 2016. p. 12-28.

PASSOS, C. L. B. Materiais manipuláveis como recursos didáticos na formação de professores de Matemática. In: LORENZATO, S. (org.). O laboratório de ensino de Matemática na formação de professores. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 2010. p. 77-92.

SANTOS, V. M. O Desafio de Tornar-se Professor de Matemática. Nuances: estudos sobre educação, v. 8, n. 8, p. 83-91, set., 2002. Disponível em: https://revista.fct.unesp.br/. Acessado em: 21 abr. 2020.

SILVA, A. J. N. A ludicidade no laboratório: considerações sobre a formação do futuro professor de matemática. Curitiba: Editora CRV, 2014. SILVA, A. J. N.; SOUZA, I. S; BARROS, S. S; ALMEIDA, SILVA, J. A. A formação do professor de Matemática e o ato de planejar: unicidade entre dimensão política e pedagógica? In: SILVA, A. J. N.; SOUZA, I. S. (org.). A formação do professor de Matemática em Questão: reflexões para um ensino com significado. D. Jundiaí, Paco Editorial: 2014. p. 39-52.

SILVA, A. J. N.; PASSOS, C. L. B. Formação do professor que ensina matemática, ludicidade e narrativas: o que se pesquisou no Brasil. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, v. 14, n. 1, p. 1-18, 2020. Disponível em:

http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/3631. Acesso em: 21 abr. 2020.

Downloads

Publicado

2020-06-30

Como Citar

Vieira, E. da S., & Silva, A. J. N. da. (2020). DOMINÓ FRACIONÁRIO: USO DO MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DE FRAÇÕES. Mundo Livre: Revista Multidisciplinar, 6(1), 134-146. Recuperado de https://periodicos.uff.br/mundolivre/article/view/43270

Edição

Seção

Relato de experiência