Financiamento, produção e identidade cultural-corporativa: as empresas culturalmente responsáveis

Elder Patrick Maia

Resumo


O crescimento do interesse das corporações empresariais junto aos projetos, ações e programas culturais deriva da valorização da dimensão propriamente simbólico-cultural no cotidiano das práticas de consumo. Com efeito, com vistas a aproximar a marca dos consumidores e dos demais agentes que compõem a mesma, as grandes corporações cada vez mais investem em ações de cunho cultural. Para tanto, lançam mão dos principais dispositivos legais de financiamento, assim como utilizam recursos próprios para engendrar projetos culturais corporativos, como o Programa Petrobras Cultural e o Programa BNB de Cultura. Esses investimentos instauram novas formas de usos da cultura e impõem novos mecanismos de gestão, que corroboram para a complexificação da gestão institucional da marca. Através desses novos mecanismos, o valor simbólico e econômico de uma marca se aproximam, se cruzam e assumem posições desconhecidas há cerca de duas décadas atrás.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, E.P.M. A economia simbólica da cultura

popular sertanejo-nordestina. Maceió: Edufal, 2011.

BARBOSA, Frederico. Imagens na pedra: Políticas

Culturais no Brasil. Tese de doutorado defendida

junto ao Programa de Pós-graduação em

Sociologia da Universidade de Brasília, 2000.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de

Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2001.

BOTELHO, Isaura. Dimensões da cultura e políticas

públicas. São Paulo: Itaú Cultural, 2004.

CESNIK, Fábio de Sá. Guia do incentivo à cultura.

São Paulo: Editora Manole, 2007.

EVANGELISTA, ELY. A UNESCO e o mundo da

cultura. Goiânia: UNESCO/UFG, 2003.

FONSECA, Maria Cecília Londres; CAVALCANTI,

Maria Laura Viveiros e Castro. Patrimônio Imaterial

no Brasil: legislação e políticas estaduais.

Brasília: UNESCO, 2008.

MOREIRA, Gilberto Passos Gil. Discursos do ministro

da cultura. Brasília: Ministério da Cultura, 2003.

REIS, Ana Carla Fonseca. Economia da cultura e

desenvolvimento sustentável. São Paulo: Editora

Manole, 2007.

RUBIM, Albino Canelas (org.). Teorias e políticas

da cultura. Salvador: Edufba, 2006.

TEIXEIRA, João Gabriel L.C. (org.). Patrimônio

Imaterial, performance cultural e (re) tradicionalização.

Brasília: Transe/Ceam/UnB, 2004.

THROSBY, David. Economics and Culture. Cambridge:

University Press, 2001.

TOLILA, Paul. Economia e cultura, Iluminuras:

São Paulo, 2007.

WILLIAMS, Raymond. Cultura São Paulo: Paz e

terra, 2000.

WO, Chin-Tao. Privatização da cultura. São Paulo:

Boitempo Editorial, 2006.

YÚDICE, George. A conveniência da cultura. Belo

Horizonte: UFMG, 2005.




DOI: https://doi.org/10.22409/pragmatizes1.1.a10336

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/
Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

https://labacuff.wordpress.com/

https://www.ppcultuff.com/

http://iacs.sites.uff.br/

http://uff.br/

https://www.abecbrasil.org.br/novo/

http://iacs.sites.uff.br/graduacao_producao-cultural/

https://www.facebook.com/Pragmatizes-302946063167783/

https://sfdora.org/

https://www.latindex.org/latindex/ficha?folio=22753

https://www.redib.org/recursos/Search/Results?lookfor=pragmatizes

https://doaj.org/search?source=%7B%22query%22%3A%7B%22query_string%22%3A%7B%22query%22%3A%22PragMATIZES%22%2C%22default_operator%22%3A%22AND%22%7D%7D%7D