Economia criativa: análise setorial

Alessandra Meleiro, Fabio Fonseca

Resumo


A economia criativa tem sido compreendida como uma potencialalavanca para o desenvolvimento de muitas nações, sendo que maisde 60 países já realizam procedimentos sistemáticos de mapeamentodo seu setor criativo. Em estágio mais amadurecido encontram-se ospaíses desenvolvidos, notadamente os Estados Unidos, as principaiseconomias européias – com destaque para o Reino Unido - e a Austrália.Porém, mesmo estes ainda vislumbram as perspectivas de expansãodo setor, inserindo o tema estrategicamente com papel de destaqueem suas agendas econômicas.Países emergentes e em desenvolvimento conseguem ter participaçõesexpressivas em áreas específicas. Porém há um vasto territórioinexplorado de possibilidades, que devem ser objeto de políticas públicas,concebidas e implementadas num ambiente de cooperação internacional,especialmente a chamada Cooperação Sul-Sul.

Texto completo:

PDF

Referências


CASTRO, C. L.L. Debate Sobre Indústrias

Criativas: Uma Primeira Aproximação Para o

Estado da Bahia. 2005. Disponível IN:

at_ecobai_06.pdf>.

COMMONWEALTH. Creative Nation: Commonwealth

Cultural Policy, Canberra: 1994.

Disponível IN:

.

CHANDAVARKAR, N. Building Socially-Inclusive Creative

Economies: The Case For An International Institution. 2005.

D’ALMEIDA, F; ALLEMAN M. E. Les Industries

Culturelles Des Pays Du Sud. 2004. Disponível IN:

cult._pays_du_sud_2004.pdf>

FIRJAN. Estudos para o Desenvolvimento do

Estado do Rio de Janeiro. A Cadeia da Indústria

Criativa no Brasil. n° 2, 2008. Disponível IN:

B0DC40121685C72026F2E.htm>

FONSECA, A. C. R. (Org). Economia Criativa

Como Estratégia de Desenvolvimento: Uma

Visão dos Países em Desenvolvimento. São

Paulo: Itaú Cultural, 2008. Disponível IN:

s/ebook_br.pdf>

FONSECA, A. C. R; DEHEINZELIN, L. Centro Internacional

de Economia Criativa – CIEC: Documento

Referência/Constituição Comitê Deliberativo. 2005.

FUNDAÇÃO, JOÃO PINHEIRO. Diagnóstico dos

Investimentos em Cultura No Brasil – vol. 3.1998.

GORDON, J.C. ; BEILBY-ORRIN, H. International

Measurement of the Economic and Social Importance

of Culture – (OCDE, Paris), 2007. Disponível IN:

.

GORGULHO, L. F.; GOLDENSTEIN, M., MACHADO A. P.

V., Taboas de Mello, G. A. A Economia da Cultura, o BNDES

e o Desenvolvimento Sustentável. 2007. Disponível IN:

es/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conheci

mento/bnset/set3007.pdf>.

GLA Economics. London’s Creative Sector: 2004

Update. Disponível IN:

_creative_sector_2004.pdf>.

HOWKINS, J. Enhancing The Creative Economy – Shaping

an International Centre on Creative Industries. Salvador: 2005.

KEA European Affairs. The Economy of culture in

Europe. 2006. Disponível IN:

.

MIGUEZ, P. Repertório de Fontes Sobre Economia

Criativa. 2007. Disponível IN:

mia_criativa.pdf>.

MINC - Ministério da Cultura (Brasil) / IBGE –

Sistema de Informações e Indicadores Culturais.

– 2005. Disponível IN:

cao/indic_culturais/2003/indic_culturais2003.pdf>.

POL, H. van der – UIS – UNESCO. Institute for

Statistics – Measurement Issues in Relation to

Cultural Statistics. Istanbul: 2007. Disponível IN:

/9.00-10.30/Hendrik%20pol_-Istanbul-2007_2.ppt>.

PORTA, P. Economia da Cultura – Um Setor

Estratégico para o País. Ministério da Cultura /

PRODEC. Disponível IN:

content/uploads/2008/04/texto-sobre-o-prodec-pa

ula-porta.pdf>.

PRICEWATERHOUSECOOPERS - Global Entertainment

and Media Outlook 2006 – 2010.

PNUD. Relatório do Desenvolvimento Humano –

Liberdade Cultural num Mundo Diversificado. 2004.

Disponível IN: .

SÁ EARP, F. (Org). Pão e Circo: Fronteiras e Perspectivas

da Economia do Entretenimento. Rio de

Janeiro: Palavra e Imagem, 2002.

SÁ EARP, F; KORNIS, G. A Economia da Cadeia

Produtiva do Livro. Rio de Janeiro: BNDES, 2005.

UIS UNESCO Institute for Statistics - International

Flows of Selected Cultural Goods and Services,

-2003 – Defining and Capturing the Flows of

Global Cultural Trade. Montreal: 2005. Disponível IN:

Flows_EN.pdf>.

UNCTAD. Creative Economy Report – The Challenge

of Assessing the Creative Economy: Towards

Informed Policy-making. 2008. Disponível IN:

.

UNCTAD Secretariat, com contribuição de Jaguaribe,

A. Setting The Institutional Parameters of the

International Centre on Creative Industries (ICCI).

(documento não-oficial)




DOI: https://doi.org/10.22409/pragmatizes2.2.a10343

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/
Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

https://labacuff.wordpress.com/

https://www.ppcultuff.com/

http://iacs.sites.uff.br/

http://uff.br/

https://www.abecbrasil.org.br/novo/

http://iacs.sites.uff.br/graduacao_producao-cultural/

https://www.facebook.com/Pragmatizes-302946063167783/

https://sfdora.org/

https://www.latindex.org/latindex/ficha?folio=22753

https://www.redib.org/recursos/Search/Results?lookfor=pragmatizes

https://doaj.org/search?source=%7B%22query%22%3A%7B%22query_string%22%3A%7B%22query%22%3A%22PragMATIZES%22%2C%22default_operator%22%3A%22AND%22%7D%7D%7D