POLÍTICAS CULTURAIS DE VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO IMATERIAL EM PERNAMBUCO

Autores

  • Carla Pereira Lyra UNIRIO

DOI:

https://doi.org/10.22409/pragmatizes2015.9.a10416

Resumo

Este artigo analisa a implementação das políticas de valorização do patrimônio imaterial em Pernambuco. Mostra a importância do Movimento Mangue para a consolidação de políticas culturais implementadas na última década e para o fortalecimento e visibilidade de grupos musicais da periferia. Neste processo, abordaremos a atuação da juventude da periferia, seus movimentos e produção musical no processo de preservação do patrimônio imaterial.

Referências

ABREU, Regina. A cultura do mecenato no Brasil: uma utopia possível? In: Economia de museus. NASCIMENTO JUNIOR, José do (Org.).- Brasília: MinC/IBRAM, 2010. 236 p.

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. Os Quilombos e as Novas Etnias, In: O’DWYER, Eliane Cantarino. Quilombos: identidade étnica e territorialidade. Rio de Janeiro: Ed. FGV/ABA, 2002.

ALMEIDA, Elga Lessa de. A inserção de políticas públicas étnicas para terreiros de candomblé na agenda brasileira: os entrecruzamentos entre o global e o local. Dissertação (mestrado). Universidade Federal da Bahia, Escola de Administração, Salvador, 2011.ARRUDA, Angela et al . De pivete a funqueiro: genealogia de uma alteridade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo , v. 40, n. 140, ago. 2010.

BASTIDE, Roger. As Religiões Africanas no Brasil. 3ª ed. São Paulo: Pioneira, 1989.

BRASIL. Ministério da Cultura. Economia e Política Cultural: acesso, emprego e financiamento. Frederico A. Barbosa da Silva, autor – Brasília: Ministério da Cultura, 2007. 308 p. – (Coleção Cadernos de Políticas Culturais; v. 3).

BOURDIEU, Pierre. Sobre o poder Simbólico. In: O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

CALABRE. Lia (org.). Políticas culturais: teoria e práxis. – São Paulo: Itaú Cultural; Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2011. 145 p.

CALAZANS, Rejane. Mangue A lama, a parabólica e a rede. Instituto de Ciências Sociais. Curso de Pós-graduação em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade. UFRRJ, Rio de Janeiro, 2008.

CANCLINI, Néstor García. Cultura y Desarrollo: uma visión distinta desde los jóvenes. Madrid: Universidad Autónoma Metropolitana. Fundación Carolina, CeALCI. Serie Avances de Investigación n° 65, 2011.

____________________. Culturas híbridas. Estrategias para entrar y salir de la modernidad. Grijalbo, México, 2003.

____________________. Consumidores e Cidadãos – conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: Editora UFR , 1999.

CANCLINI, Nestor G. O patrimônio cultural e a construção imaginária do nacional. Rev. Patrimônio nº 23, 1993. p.158.

CLIFFORD, James. Sobre a autoridade etnográfica. In: A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1998.

DELEUZE, Gilles. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, v. 1. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995. 93 p.

ESSINGER, Silvio. Batidão: uma história do funk. Rio de Janeiro: Record, 2005.

GAMEIRO, Rodrigo. O Movimento Manguebeat na mudança da realidade sociopolítica de Pernambuco.VI Congresso Português de Sociologia, Unversidade Nova de Lisboa, 2006. Disponível em: http://www.aps.pt/vicongresso/pdfs/462.pdf. Acesso em: 23 dez. 2014.

GUERRA, Lúcia Helena Barbosa. Xangô rezado baixo. Xambá tocado alto: a reprodução da tradição religiosa através da música. UFPE, 2010.

HALBWACHS, Maurice. Memória coletiva e memória individual. In: A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2004.

HALL, Stuart. A Identidade Cultural na Pós-Modernidade (11ª ed.). Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2006.

HANDELER, Frank. Metamorfoses: uma performance de dança teatro inspirada nos rituais sagrados do candomblé. Dissertação (mestrado). Universidade Federal da Bahia, Escola de Teatro, 2010.

HERSHMANN, Micael. O Funk e o Hip Hop invadem a cena. Rio de Janeiro: EDUFRJ, 2000.

HONAISER, Fernando Alves. Terreiros: memórias e representações no espaço sagrado. Dissertação (mestrado em Arquitetura e Urbanismo: Dinâmicas do espaço Habitado). Universidade Federal de Alagoas. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Maceió, 2006.

LEÃO, Carolina Carneiro. A maravilha mutante – batuque, sampler e pop no Recife dos anos 90. 2002. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Pós Graduação em Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2002.

LEITE, Rogerio Proença de Souza. Espaço público e política dos lugares: usos do patrimônio cultural na reinvenção contemporânea do Recife Antigo. Tese (doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Campinas, SP, 2001.

LIMA, Marileide Alves de. Chão batido coco pisado: a contribuição do povo xambá à cultura pernambucana. Monografia em Jornalismo Cultural. Recife: UNICAP, 2005.

LIRA, Paula. Uma antena parabólica enfiada na lama – ensaio de diálogo com o imaginário do MangueBit. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de Pernambuco, Curso de Pós-Graduação em Antropologia Social, 2000. - Psicologia, simbolismo

MENDONÇA, Luciana F. M. Do Mangue para o mundo: o local e o global na produção e recepção da música popular brasileira. Tese (doutorado), Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, 2004.

MEDEIROS, Janaína. Funk carioca: crime ou cultura? : o som dá medo e prazer. Editora Terceiro Nome. Coleção Repórter especial, 2006.

MENESES, Sônia. A mídia, a memória e a história: A escrita do novo acontecimento...Anos 90, Porto Alegre, v. 19, n. 36, dez. 2012. p. 35-65.

MIGNOLO, Walter D. Histórias locais/Projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Tradução de Solange Ribeiro de Oliveira. Belo Horizonte: UFMG, 2003, p. 23-76.

MORAIS DE SOUZA, Cláudio. “Da lama ao caos”: diversidade, diferença e identidade cultural na cena mangue do Recife. Universidade Federal de Pernambuco. Informe final del concurso: Culturas e identidades em américa latina y el caribe. Programa Regional de Becas CLACSO. 2001. 26p.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. In: Projeto História

n.10. São Paulo: PUC/SP, 1993.

OLIVEIRA, Leandro Silva de; SEGRETO, Marcelo; CABRAL, Nara Lya Simões Caetano. Vozes periféricas: expansão, imersão e diálogo na obra dos Racionais MC's. Revista Inst. Estudos Brasileiros. São Paulo , n. 56, jun. 2013.

RIBEIRO, Getúlio. Do tédio ao caos, do caos a lama: os primeiros capítulos da cena musical mangue – recife (1984-1991). Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de História, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2007. 231p.

SEEMANN, Jörn . Cartografia e cultura: abordagens para a geografia cultural. In: Zeny Rosendahl; Roberto Lobato Correa. (Org.). Temas e caminhos da geografia cultural. Rio de Janeiro: Editora UERJ, 2010, v. 1, p. 115-156.

SILKO, Leslie Marmon. Almanac of the Dead. New York: Penguin, 1992.

SILVA, Glaucia Peres. “Mangue”: moderno, pós-moderno, global. Dissertação de Mestrado. Departamento de Sociologia. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP, 2008.

SILVEIRA, Roberto Azoubel da Mota. Mangue: uma ilustração da grande narrativa pós-moderna. Dissertação de mestrado - Programa de Pós-graduação em Letras da PUC-Rio, 2002.

VIANA, Hermano. Funk e cultura popular carioca. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol.3, nº 6, 1990. p.244-253.

Downloads

Publicado

2015-11-11

Edição

Seção

Artigos (em Fluxo Contínuo)