Identidade e ethos conservador na política cultural. Estudo comparado França- Brasil.

Marina Ramos Neves de Castro

Resumo


O artigo discute o ethos identitário das políticas culturais conservadoras, observando as práticas de controle e disciplina da identidade pelo Estado. A reflexão é realizada com base numa perspectiva comparada, observando a conformação histórica das políticas culturais da França e do Brasil. Embora o interesse maior seja o caso brasileiro, a França constitui um elemento de comparação instigante, em função de seu pioneirismo no desenvolvimento de políticas culturais e da influência desse modelo sobre o Brasil e outros países. O artigo encontra duas dimensões estruturantes desse ethos, uma tendência à centralização e, outra, à institucionalização. Essas duas tendências visam, historicamente, ao mesmo objetivo: o processo de promoção e de consolidação do Estado, elemento catalizador da política, na dinâmica de consolidação do Estado moderno.

Texto completo:

PDF

Referências


AUTISSIER, Anne-Marie. L´Éurope culturelle en pratique. Paris: Ministère des Affaires Étrangères, 1999.

BARBALHO, Alexandre. Política cultural e o desentendimento. Fortaleza: IBDCult, 2016.

BARBALHO, Alexandre. Política cultural. In: GOVERNO DA BAHIA. Coleção Política e gestão culturais. Salvador, 2013.

CALABRE, Lia. Notas sobre os rumos das políticas culturais no Brasil nos anos 2011- 2014. In: RUBIM, Antonio Albino Canelas; BARBALHO, Alexandre; CALABRE, Lia(org.). Políticas Culturais no Governo Dilma. Salvador: EDUFBA, 2015.

CALABRE, Lia. Políticas Culturais no Brasil: dos anos 1930 ao século XXI. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

COHN, Gabriel. A Concepção Oficial da Política Cultural nos Anos 70. In: MICELI, Sérgio (org.). Estado e Cultura do Brasil. São Paulo: Difel, 1984.

DEBUYST, Frédéric. Espaces et identités: Propositions interpretatives. In:DEBUYST, Frédéric ;YEPEZ. Ivan (orgs.). Amérique Latine: espaces de pouvoir et identités collectives. Louvain La Neuve: Bruylant, 1998.

DJIAN, Jean-Michel. La Politique Culturelle. Paris: Le Monde, 1996.

FALCÃO, Joaquim Arruda. Política Cultural e Democracia: A preservação do patrimônio histórico e artístico nacional. In:MICELI, Sérgio (org.). Estado e Cultura no Brasil. São Paulo: Difel, 1984.

FUMAROLI, Marc. L´Etat culturel. Essai sur une religion moderne. Paris: Falois, 1992.

GAMEIRO, Rodrigo; CARVALHO, Cristina Amélia. Reposicionando as lutas sociais na emergênciadaspolítiaspúblicas na cultura – o exemplo do movimento mangue. In: CARVALHO, Cristina Amélia; DOURADO, DéboraPaschoal; GAMEIRO, Rodrigo (org.). Cultura e transformação – políticas e experiênciasculturais. Porto Alegre: DacasaEditora, 2013.

GRAZINI, Serge. La communication culturelle de l’État. Paris: PUF, 2000.

LEITÃO, Cláudia Sousa; GUILHERME, Luciana Lima. Culturaemmovimento: memórias e reflexões sobre políticaspúblicas e práticas de gestão. Fortaleza: Armazém da Cultura, 2014.

MICELI, Sérgio. O Processo de “Construção Institucional” na Área Cultural Federal - Anos 70. In: MICELI, Sérgio (org.). Estado e cultura no Brasil. São Paulo: Difel, 1984.

MONNIER, Gérard. Des beaux-Arts aux arts plastiques. Le Manufacture, 199. In: DJIAN, Jean-Michel.La Politique culturelle. Paris: Le Monde, 1996.

MOULINIER, Pierre. Politique culturelle et décentralisation. Paris: CNFPT, 1995.

ORTIZ, Renato. Culturabrasileira e identidadenacional. São Paulo: Brasiliense, 1986.

ORTIZ, Renato. Românticos e Folcloristas. Rio de Janeiro: Olho d’Água, 1992.

PÉCAUT, Daniel. Os intelectuais e a política no Brasil: Entre o povo e a nação. São Paulo: Ática, 1990.

POIRRIER, Philippe. L´État et la culture en France au XXe siècle. Paris: Le Livre de Poche, 2000.

REGOURD, Serge. L´exception culturelle. Paris: PUF, 2002.

ROUX, Emmanuel. Vaste querele pour grande bibliothèque. Le Monde(jornal), 07 de janeiro de 1990, p. 30.

RUBIM, Antonio Albino Canelas. Políticas culturais no Brasil: tristes tradições e enormes desafios. Salvador:EDUFBA, 2007.

RUBIM, Antonio; BARBALHO, Alexandre; CALABRE, Lia. (orgs.). Políticas Culturais no Governo Dilma. Salvador: EDUFBA, 2015.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Modernidade, Identidade e a Cultura de Fronteira. Tempo Social, Revista de Sociologia, São Paulo-SP, USP, 5 (1-2), 1993 – editado em1994.p. 31-53.

SFEZ, Lucien. La politique simbolique. Paris: PUF, 1993.




DOI: https://doi.org/10.22409/pragmatizes2018.14.a10482

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/
Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

https://labacuff.wordpress.com/

https://www.ppcultuff.com/

http://iacs.sites.uff.br/

http://uff.br/

https://www.abecbrasil.org.br/novo/

http://iacs.sites.uff.br/graduacao_producao-cultural/

https://www.facebook.com/Pragmatizes-302946063167783/

https://sfdora.org/

https://www.latindex.org/latindex/ficha?folio=22753

https://www.redib.org/recursos/Search/Results?lookfor=pragmatizes

https://doaj.org/search?source=%7B%22query%22%3A%7B%22query_string%22%3A%7B%22query%22%3A%22PragMATIZES%22%2C%22default_operator%22%3A%22AND%22%7D%7D%7D