Marco Zero: da crise à violência fundadora do estado distópico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/pragmatizes.v10i18.38766

Palavras-chave:

Ditadura, distopia, tempo, violência, totalitarismo

Resumo

Um dos nomes mais conhecidos da ficção distópica brasileira é, sem dúvida, Ignácio de Loyola Brandão, através de Não verás país nenhum, publicado em plena ditadura militar. Recentemente, o autor retornou ao gênero da distopia através de Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, revelando nessa escolha o sintoma de certo clima político que, longe de se limitar ao território nacional, se une a manifestações internacionais como a recente série distópica produzida pela BBC, Years and Years, e The Testments, uma inesperada continuação da mais famosa distopia de Atwood, O conto da aia. Com a publicação de sua nova distopia, Brandão identifica o encerramento de uma trilogia que tem como primeiro romance Zero. Diferente dos outros dois, Zero não é, no entanto, associado à ficção distópica, mas geralmente tomado como uma sátira política ao período da ditadura, tendo sido, inclusive, censurado na época de seu lançamento. Partindo da associação com as demais obras que compõem a trilogia de Brandão, o presente trabalho se propõe a ler o romance Zero não pelo viés de suas abordagens usuais, mas tomá-lo como objeto dentro da tradição distópica, entendendo-o como uma representação do momento de transição entre o presente de crise e o futuro sombrio que o substitui, transição essa marcada por uma violência fundadora tanto física quanto política

Referências

ATWOOD, Margaret. O conto da aia. Trad. Ana Deiró. Rio de Janeiro: Rocco, 2017.

BOOKER, Keith M. The dystopian impulse in modern literature: fiction as social criticism. London: Greenwood Press, 1994.

BRANDÃO, Ignácio de Loyola. Zero. 3ª ed. Rio de Janeiro: Ed. Codecri, 1979.

BURGESS, Anthony. Laranja mecânica. Trad. Fábio Fernandes. São Paulo: Aleph, 2014.

CLAEYS, Gregory. “The Origins of Dystopia: Wells, Huxley and Orwell”. In: The Cambridge Companion to Utopian Literature. Cambridge: Cambridge University Press, 2010. P. 107 - 131.

______. Dystopia: a Natural History. Oxford: Oxford University Press, 2017.

OLIVAS, Daniel A. “The Dystopia Is Here”. The New York Times, 19 junho 2018. Disponível em: https://www.nytimes.com/2018/06/19/opinion/children-separated-from-parents-border-immigrant-dystopia.html. Acesso: 21.Mar.2019.

ORWELL, George. 1984. Trad. Alexandre Hubner, Heloisa Jahn. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

SUVIN, Darko. Metamorphoses of Science Fiction: on the Poetics and History of a Literary Genre. New Haven e Londres: Yale University Press, 1979.

VIEIRA, Fátima. “The Concept of Utopia”. In: CLAEYS, Gregory (Org.). The Cambridge Companion to Utopian Literature. Cambridge: Cambridge University Press, 2010. P. 3 - 27.

Downloads

Publicado

2020-03-01

Edição

Seção

Dossiê 18: Representações da Violência na Literatura