Memórias da violência em “Amuleto” de Roberto Bolaño

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/pragmatizes.v10i18.40211

Palavras-chave:

literatura, violência, política, vanguarda, cânone

Resumo

Este ensaio objetiva apresentar uma análise da violência presente no livro “Amuleto” do escritor chileno Roberto Bolaño. O romance está contextualizado no início da década de 1970, momento de grandes tensões políticas e de significativa violência no México e do início da ditadura militar-empresarial chilena (1973-1990). Os regimes ditatoriais, embora em circunstâncias diferentes, foram (e são ainda) episódios marcantes que unem os países latino-americanos. Identificaremos as diversas formas de violência ocorridas na América Latina, especificamente, no Chile e no México durante o período mencionado, assim como, qual a relação entre a política e a literatura presentes na referida obra. Os atuais discursos políticos que circulam em nossa sociedade sinalizam que grande parte da população brasileira provavelmente ignora parte significativa da história, inclusive do Brasil, nas décadas de 1960/1970, ou seja, a memória produzida sobre este período não deu conta de fazer conhecer os horrores e as atrocidades cometidos durante os mais de 20 anos de governo militar no país. A partir da abordagem do lugar da poesia e dos poetas na década de 1970, a narradora de Amuleto versa sobre seu papel de defensora da poesia e da memória política do México e do Chile de meados do século XX, de forma indissociável. Com seu discurso circular, calcado na reiteração de eventos traumáticos que presenciou, em especial, à invasão à UNAM, o Massacre de Tlatelolco (1968) e o golpe militar chileno (1973). Neste último fato, relatado pelo personagem Arturo Belano, há um trabalho de escavação memorialística, tanto nas ocorrências históricas mencionadas, como dos intentos poéticos do distrito federal mexicano. Os jovens poetas narrados pela protagonista defendiam o livre trânsito entre vida e poesia, se opunham aos moldes acadêmicos vigentes encarnados na figura de Octavio Paz, como também do poder hegemônico. O movimento poético desses jovens latino-americanos da década de 1970 agrega as muitas inquietações dos seus integrantes. A paixão pela poesia é o princípio básico que dá unidade ao grupo que buscava em cada ato e em cada verso um novo modo de explicar o mundo através de uma poesia sem burocracias, sem espaços de poder e legitimações padronizadas. Este estudo contribui para a indispensabilidade de se manter vivos os horrores e traumas que aconteceram durante os regimes autoritários e as ditaduras militares na América Latina e suas reverberações, considerando, sobretudo, que a memória pode ser um potente instrumento utilizado na reconstrução da história. Serão utilizados textos teóricos e críticos de Paul Ricoeur (1996), Nascimento (2008), Seligmann-Silva (2003), Sarlo (2007) e Rojo (2012), Bolognese (2009), Villarreal (2011), entre outros.

Biografia do Autor

Norma Sueli De Araújo Menezes, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Mestranda do Programa de Pós-Graduação Literatura e Cultura da Universidade Fedral da Bahia (UFBA)

Referências

BOLAÑO, Roberto. Déjenlo todo nuevamente. Manifesto Infrarrealista. 1976. Disponível em: Acesso em: 3 dez 2016.

_______. Amuleto. Barcelona. Editorial Anagrama, 1999.

BOLOGNESE, Chiara. Roberto Bolaño y sus comienzos literarios: El infrarrealismo entre realidad y ficción. Acta literária, n. 39, 2009, pp. 131-140. Disponível em: <http://www.scielo.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S071768482009000200010>. Acesso em: 12 fev 2019.

BRAITHWAITE, Andrés. Bolaño por sí mismo: entrevistas escogidas. Chile: Ediciones Universidad Diego Portales, 2006.

CARRAL, Andrea Cobas. Déjenlo todo nuevamente: apuntes sobre el movimiento infrarrealista mexicano. 2005. Disponível em: <http://letras.s5.com.istemp.com/rb051105.htm>. Acesso em: 21 mai 2019.

CARO, Montserrat Madariaga. Bolaño Infra 1975 – 1977: los años que inspiraron Los detectives salvajes. Santiago: RIL editores, 2010.

ESTRADA, Ramón. Déjenlo todo nuevamente. Manifesto Infrarrealista. 1976. Disponível em:. Acesso em: 03 dez 2019.

MEDINA, Rubén. Documentário sobre a obra e vida de Bolaño. Semana de autor, Roberto Bolaño entorno y retorno. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=NuS-7Oml4FE>. Acesso em: 28 ago 2019.

NASCIMENTO, Evando. Retrato desnatural (diários – 2004 a 2007). Rio de Janeiro: Record. 2008.

PAZ, Octavio. Revolução. Eros. Metaironis. In: ___. Os filhos do Barro. Trad. Ari Roitman e Paulina Wacht. São Paulo: Cosacnaify. Fondo de Cultura Económica, 2014.

PAZ SOLDÁN, Edmundo; FAVERÓN Patriau, G. Bolaño Salvaje. 6ª ed. España: Editorial Candaya, 2013.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 1996.

ROJO, Grínor. De las más altas cumbres. Teoria Crítica latinoamericana moderna. LOM Ediciones. 1 ed. 2012.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. Companhia das letras, 2007.

_____. O terror e a memória num beco sem saída. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 01 abr. 2007. Caderno Cultura. Disponível em:<http://observatoriodaimprensa.com.br/interesse-publico/o-estado-de-s-paulo-33438/>. Acesso em: 05 jul 2019.

VILLARREAL, Rogelio. El gran rechazo: underground y contracultura. Revista Replicante. Nov. 2011. Disponível em: <http://revistareplicante.com/destacados/elgran-rechazo/>. Acesso em: 02 abr 2019.

Downloads

Publicado

2020-03-01

Edição

Seção

Dossiê 18: Representações da Violência na Literatura