Os Crimes de Verdade: As Memórias de Camilo

Andreia Alves Monteiro de Castro

Resumo


O presente artigo observa de que modo, usando o conhecimento adquirido em obras sobre criminosos verídicos, como Maria, não me mates que sou tua mãe (1848), em Memórias do Cárcere (1862), Camilo Castelo Branco comprova que boa parte da violência é cometida justamente por aqueles que deveriam proteger os cidadãos e que a cadeia era um mundo essencialmente habitado por pobres. A partir de um relato minucioso e, por vezes, lírico, Camilo comenta como era o cotidiano no interior daquele que era o maior instrumento de repressão oitocentista. Um desses prisioneiros, José do Telhado, graças a pena camiliana, ganha fama e notoriedade despertando o interesse de muitos leitores e de outros autores.



Palavras-chave


Crime; Camilo Castelo Branco; cárcere

Texto completo:

PDF

Referências


BASTOS, José Joaquim Gonçalves. O NACIONAL: Jornal Politico, Commercial, Industrial e Agricola. Porto: Typ. de Faria Guimarães, 1854-1862.

CASTELO BRANCO, Camilo. Memórias do Cárcere. Lisboa: Parceria A. M. Pereira, 2001.

______. Obras completas. Volume: XVII. Porto: Lello & Irmão Editores, 2002.

CASTILHO, António Feliciano de. REVISTA UNIVERSAL LISBONENSE: Jornal dos Interesses Phisicos, Moraes e Intelecctuais. Lisboa: Imprensa da Gazeta dos Tribunaes, 1846-1848.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1999.

FRIAS, Roberto. O Crime: Apontamentos para systematização da criminalidade. Porto: Typografia de Alexandre da Fonseca Vasconcelos, 1880.

MONTELLO, Josué. Os inimigos de Machado de Assis. Rio de janeiro: Editora Nova Fronteira, 1998.

PEDROSO, Rosa Nívea. A construção do discurso da sedução em um jornal sensacionalista. São Paulo: Annablume, 2001.

PERROT, Michelle. Os excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2010.

PORTUGAL. Procuradoria Régia, Livro Copiador de Correspondência com o Governo. Porto: Tribunal da Relação do Porto, 1853-1895, Lv. 4.




DOI: https://doi.org/10.22409/pragmatizes.v10i18.40229

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/
Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

https://labacuff.wordpress.com/

https://www.ppcultuff.com/

http://iacs.sites.uff.br/

http://uff.br/

https://www.abecbrasil.org.br/novo/

http://iacs.sites.uff.br/graduacao_producao-cultural/

https://www.facebook.com/Pragmatizes-302946063167783/

https://sfdora.org/

https://www.latindex.org/latindex/ficha?folio=22753

https://www.redib.org/recursos/Search/Results?lookfor=pragmatizes

https://doaj.org/search?source=%7B%22query%22%3A%7B%22query_string%22%3A%7B%22query%22%3A%22PragMATIZES%22%2C%22default_operator%22%3A%22AND%22%7D%7D%7D