Violência e crime em Luiz Alfredo Garcia-Roza: um misto de policial e psicanálise

FERNANDA MARA ALMEIDA AZEVEDO

Resumo


Resumo

No presente artigo, pretende-se mostrar que o Romance policial contemporâneo na produção ficcional do brasileiro Luiz Alfredo Garcia-Roza (1936-) utiliza as técnicas da literatura policial para indicar os sintomas do mal-estar cultural que atinge o sujeito ficcional, transformando-o em verdadeiras subjetividades criminais – metáfora do indivíduo de hoje. Em suas narrativas – situadas nos anos de 1990 até os dias atuais – o autor, num misto de literatura e psicanálise, considera que, em meio a uma sociedade culturalmente ‘esquizofrênica’, temáticas ligadas a crimes, mortes e outros tipos de violência, predominantes na América Latina no século XXI, encontram solo fértil em narrativas policiais da atualidade. Atentando para o cenário caótico e desajustado onde as tramas de Garcia-Roza se inserem, nosso corpus será constituído pelos romances O silêncio da chuva (1996), e Espinosa sem saída (2006). Neste constructo discursivo em que o mundo aparece como palco, o detetive Espinosa – o protagonista de Garcia-Roza – emerge como uma das subjetividades literárias perdidas que não encontram respostas para os questionamentos, descontruindo a noção de totalidade e infalibilidade do investigador das narrativas clássicas de enigma. Afinal, na visão do próprio romancista, a essência de todo crime constitui-se como algo irrevelável, impenetrável e inescrutável.

 


Palavras-chave


Violência; crime; medo; subjetividades criminais

Texto completo:

PDF

Referências


Referências bibliográficas

ALBUQUERQUE, Paulo de Medeiros e. O mundo emocionante do romance policial. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1979.

BARBIERI, Therezinha. Ficção impura: prosa brasileira dos anos 70, 80 e 90. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2003.

BATAILLE, Georges. O crime e o sacrifício. In: O erotismo: o proibido e o transgressor. 2. Ed. Lisboa: Moraes Editores, 1980. P. 73-79.

BAUMAN, Zygmunt. Medo líquido. Trad. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

_____. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Trad. Trad. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.

BORGES, Jorge Luis. O conto policial. In: Borges oral. Trad. Rafael Gomes Filipe. Lisboa: Veja, 1997. p. 63-74.

CONNOR, Steven. Cultura pós-moderna: introdução às teorias do contemporâneo. Trad. Adail Ubirajara Sobral & Maria Stela Gonçalves. São Paulo: Edições Loyola, 1992.

DOYLE, Arthur Conan. Um estudo em vermelho. Trad. Antonio Carlos Vilela. São Paulo: Melhoramentos, 1999.

FERENCZI, Sandor. A psicanálise do crime. In: Obras completas: psicanálise II. Trad. Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 1992. p. 1-10.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. 10. ed. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Loyola, 2004.

FREUD, Sigmund. O mal-estar na cultura. Trad. Renato Zwick. Porto Alegre: L&PM, 2010.

____. Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. Trad. Paulo Dias Corrêa. Rio de Janeiro: Imago, 2002.

_____. O futuro de uma ilusão, o Mal-estar na civilização e outros trabalhos. Trad. Jayme Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1996 [1929] vol – XXI.

GARCIA-ROZA, Luiz Alfredo. Espinosa sem saída. São Paulo: Companhia das Letras, 2006. _____. O silêncio da chuva. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

GROSSI PORTO, Maria Stela. Entre a política e a religião: caminhos da contribuição weberiana à análise da violência. Revista Sociologias. Porto Alegre, PPG-Sociologia do IFCH – UFRGS, Número 1, setembro de 1999, Dossiê “Conflitualidades”, p. 14-33.

GUATTARI, Félix & ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografia do desejo. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

GUATTARI, Félix. Da produção de subjetividade. In: PARENTE, André (org.). Imagem- máquina, a era das tecnologias do virtual. Trad. Rogério Luz et alii. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993. p. 177-191.

ISER, Wolfgang. Epílogo. In: ___. O fictício e o imaginário: perspectivas de uma antropologia literária.Trad. Johannes Kretschemer. Rio de Janeiro: EdUerj, 1996. p. 341-361

JAMES. Phyllis Doroth. Talking about detective fiction. Oxford: Bodleian Library, 2009.

JAMESON, Fredric. A lógica cultural do capitalismo tardio. In: ___. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. Trad. Maria Elisa Cevasco. São Paulo: Ática. 1997. p.27-79.

LACAN, Jacques. O seminário sobre “a carta roubada”. In: ___. Escritos. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998. p.13-66..

____. O seminário. Livro 7: a ética da psicanálise. Trad. Antônio Quinet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

MANDEL, Ernest. Delícias do crime: história social do romance policial. Trad. Nilton Goldmann. São Paulo: Busca Vida, 1988.

NIETZSCHE, Friedrich. Segunda dissertação: “culpa”, “má consciência” e coisas afins. In: ___. Genealogia da moral: uma polêmica.Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. p.47-85.

PEIXOTO, Nelson Brissac. Cenários em ruínas: a realidade imaginária contemporânea. São Paulo: Brasiliense, 1987.

PELLEGRINI, Tânia. Gêneros em mutação. In: A imagem e a letra. Campinas: Fapesp, 1999. p. 79-240.

PIGLIA, Ricardo. Os sujeitos trágicos. In: ___ Formas breves. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

_____. Sobre o gênero policial. In: O laboratório do escritor. Trad. Josely Vianna Baptista. São Paulo: Iluminuras, 1994.

POE, Edgar Allan. Histórias extraordinárias. Trad. Breno Silveira e outros. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

TODOROV, Tzvetan. O discurso psicótico. In: ___ Os gêneros do discurso. São Paulo: Martins Fontes, 1980.

____.Tipologia do romance policial. In: Poética da prosa. Lisboa: Edições 70, 1979. p. 57-67.

____. Introdução à literatura fantástica. São Paulo: Perspectiva: 1975. [1970]

WILLEMART, Philippe. A força do inconsciente na literatura e na criação literária. In: Além da psicanálise: a literatura e as artes. São Paulo: FAPESP, 1995. P. 63-105.




DOI: https://doi.org/10.22409/pragmatizes.v10i18.40251

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/
Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

https://labacuff.wordpress.com/

https://www.ppcultuff.com/

http://iacs.sites.uff.br/

http://uff.br/

https://www.abecbrasil.org.br/novo/

http://iacs.sites.uff.br/graduacao_producao-cultural/

https://www.facebook.com/Pragmatizes-302946063167783/

https://sfdora.org/

https://www.latindex.org/latindex/ficha?folio=22753

https://www.redib.org/recursos/Search/Results?lookfor=pragmatizes

https://doaj.org/search?source=%7B%22query%22%3A%7B%22query_string%22%3A%7B%22query%22%3A%22PragMATIZES%22%2C%22default_operator%22%3A%22AND%22%7D%7D%7D