QUANDO O CAPITAL EDUCA O EDUCADOR: BNCC, NOVA ESCOLA E LEMANN

Jennifer Nascimento Pereira, Olinda Evangelista

Resumo


Neste texto objetivamos interrogar um movimento importante, entre 2016 e 2018, na definição de políticas públicas para formação docente. A partir de 2008, durante o Governo Lula, do Partido dos Trabalhadores, inicia-se a trajetória de debates em torno da Base Nacional Comum Curricular do Ensino Infantil e Fundamental (BNCC). A Associação Nova Escola destacou-se nesse processo, entre outros motivos, por pertencer, a partir de 2015, à Fundação Lemann. Analisamos 86 matérias publicadas por Nova Escola, das quais três questões despontaram como centrais: formação de professores, avaliações externas em larga escala e materiais didáticos. Concluímos que Nova Escola atuou para elaborar e difundir um modelo docente estruturado sobre a apropriação das Competências Socioemocionais e o manejo das Tecnologias da Informação e Comunicação. Associando-as chegar-se-ia ao ‘professor 4.0’, preocupado com a aprendizagem pragmática, sinônimo de qualidade de ensino. Ao contrário do protagonismo docente, configura-se o professor gerenciado

Palavras-chave: Capital educador. Fundação Lemann. Nova Escola. BNCC. Professor gerenciado.


Texto completo:

ESPANHOL PORTUGUÊS

Referências


ANTUNES, André. A quem interessa a BNCC? Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Manguinhos, RJ, 23 nov. 2017.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL PELA FORMAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO (ANFOPE). Posição da ANFOPE sobre a BNCC: Repúdio ao processo de elaboração, discussão e aprovação da BNCC e a sua implementação. [S.l], Brasília, 2017.

AVELAR, Marina; BALL, Stephen J.. Mapping new philanthropy and the heterarchical state: The Mobilization for the National Learning Standards in Brazil. International Journal Of Educational Development, [s.l.], v. 64, p.65-73, jan. 2019. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.ijedudev.2017.09.007.

BARRETO, Daniela. Competências para o progresso social. O poder das competências socioemocionais. OCDE, [S.l], 14 de março de 2018.

BEGUOCI, Leandro. Leandro Beguoci. 2015. Disponível em: https://www.portaldosjornalistas.com.br/jornalista/leandro-beguoci/. Acesso em: 17 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Assessoria de Comunicação Social. Consulta pública sobre Base Nacional Comum recebeu mais de 12 milhões de contribuições. Brasília, 16 de março de 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Assessoria de Comunicação Social. Audiências públicas sobre a Base Nacional Comum Curricular começam em 7 de julho. Brasília, 19 de junho de 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Assessoria de Comunicação Social. PNBE - Periódicos. Brasília, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Gabinete do Ministro. Portaria nº 592. Institui Comissão de Especialistas para a Elaboração de Proposta da Base Nacional Comum Curricular. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 18 de junho de 2015, Seção 1, p. 16.

CAMILO, Camila. Cinco dicas para participar das audiências públicas da Base. Nova Escola, São Paulo, 26 de junho de 2017.

CARVALHO, Elaci. A crise estrutural do capital segundo o filósofo húngaro István Meszáros e seus reflexos na educação. Revista Eletrônica Labor, v. 17, pp. 1-11, 2009.

CASIMIRO, Patrick; KRAUSE, Maggi; NICOLIELO, Bruna. Quando as emoções entram no currículo. Nova Escola, São Paulo 2018.

CASSIO, Fernando. Participação e participacionismo na construção da Base Nacional Comum Curricular. Nexo, São Paulo, Dezembro, 2017, p. 1-8.

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES (CUT). CNTE protesta contra a BNCC em Santa Catarina. São Paulo, 14 de agosto de 2017.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA (CNI). Proposta da Indústria para o governo: Educação. Brasília, 2018. Disponível em: https://bit.ly/2xy7IJe. Acesso em: 10 out. 2018.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO (CNTE). Saiba porque somos contra a BNCC do MEC Golpista. [S.l], 2017.

Curriculum Fundation. The Curriculum Fundation. Disponível em: https://www.curriculumfoundation.org/. Acesso em: 10 out. 2018.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Chistian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DECKER, Aline Inácio. A formação docente no projeto político do Banco Mundial (2000-2014). 2015. 234 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

DELORS, Jacques. Educação um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez, 1999.

DUARTE, Newton. Vigotsi e o aprender a aprender: crítica as apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria Vigostskiana. 2. ed. rev. e ampl. — Campinas, SP: Autores Associados, 2001. Coleção educação contemporânea.

ESCOLAS TRANSFORMADORAS. Diretor editorial e de produtos da Nova Escola. 2019. Disponível em: https://escolastransformadoras.com.br/ativador/leandro-beguoci/. Acesso em: 23 jun. 2019.

EVANGELISTA, Olinda. Faces da tragédia docente no Brasil. In: MOTTA, Vânia C. da; PEREIRA, Larissa D. (Org.). Política educacional, docência e serviço social: para uma análise crítica. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2017.

EVANGELISTA, Olinda; LEHER, Roberto. Todos pela Educação e o Episódio Costin No MEC: a Pedagogia do Capital em Ação na política educacional brasileira. Trabalho Necessário, Rio de Janeiro, Ano 10, v. 1, n. 15, p. 1-29, 2012. Quadrimestral.

EVANGELISTA, Olinda; SEKI, Allan K.; SOUZA, Artur G. de. Formação docente no Brasil pós-2000: lances de um massacre intelectual. Florianópolis, SC: UFSC, p. 1-31, 2018. (mimeo).

EVANGELISTA, Olinda; SHIROMA, Eneida Oto. Professor: protagonista e obstáculo da reforma. Educação e Pesquisa [online], São Paulo, v. 3, n. 33, p. 531-541, set./dez. 2007.

FLORES, Renata L. B. Política de formação de professores para a educação básica no Brasil como “cortina de fumaça”. 2018. UFSC, Florianópolis/SC, Mimeo.

FONTES, Virgínia. Determinação, história e materialidade. Trabalho, Educação e Saúde. Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 209-229, jul./out. 2009.

FONTES, Virgínia. Sociedade civil empresarial e a educação pública – qual democracia? XXII Encontro Estadual do Sindicato dos Supervisores de Ensino do Magistério Oficial do Estado de São Paulo. 2018.

FUNDAÇÃO LEMANN. Parceria foca em tecnologias para a BNCC. [S.l], 2018c. Disponível em: https://bit.ly/2OxgcWB. Acesso em: 5 out. 2018.

FUNDAÇÃO LEMANN. Reconectando saberes. [S.l], 2018b. Disponível em: https://bit.ly/2Dt3F5D. Acesso em: 5 set. 2018.

FUNDAÇÃO LEMANN. Recursos educacionais digitais e Base Nacional Comum Curricular. [S.l] 2018a. Disponível em: https://bit.ly/2CQ440S. Acesso em: 10 out. 2018.

GAROFALO, Débora. Como trazer a educação 4.0 para dentro da sala de aula. Nova Escola, São Paulo, 21 de agosto de 2018b.

GAROFALO, Débora. Que habilidades deve ter o professor da educação 4.0. Nova Escola, São Paulo, 26 de abril de 2018a.

GATTI, Bernadete A.; BARRETO, Elba S. de Sá (Coords.). Professores do Brasil: impasses e desafios. Coordenado por Bernadete A. Gatti e Elba S. de Sá Barreto. Brasília: Unesco, 2009.

GERA VENTURE CAPITAL. Habilidades de vida: de desejáveis a essenciais. Página Institucional. Rio de Janeiro, [200-?]. Disponível em: https://bit.ly/2yCigYv. Acesso em: 10 out. 2018.

GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Vol. 1. Rio de Janeiro, Brasileira, 1999.

GUIMARÃES, Cátia. Entrevista com Virginia Fontes. ‘Um processo de direitização significa imposição do medo à maioria da população’. EPSJV/Fiocruz, Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: http://www.epsjv.fiocruz.br/index.php?Area=Entrevista&Num=143. Acesso em: 18 mar. 2016.

INOVEDUC. BNCC. Folha Dirigida. Fevereiro 2018. Disponível em: http://inoveduc.com.br/wp-content/uploads/2018/02/Revista-Educa%C3%A7%C3%A3o-FEVEREIRO2018-SITE.pdf. Acesso em: 18 maio 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA; INSTITUTO LEMANN. Acordo de cooperação técnica. Brasília, DF, 2015.

LEMANN CENTER. Página Institucional. Standford, 2018. Disponível em: https://lemanncenter.stanford.edu/. Acesso em: 3 out. 2018.

MAGALHÃES, Lucas; CAMILO, Camila Camilo; SIMÃO, Renan Borges. Milhões dizem o que o Brasil deve ensinar. Nova Escola, São Paulo, 2017.

MARTINS, André S. A educação básica no século XXI: o projeto do organismo “Todos pela Educação”. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v.4, n.1, p.21-28, jan.-jun. 2009.

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

MINOZZO, Paula. Encarando bullying, brigas e ansiedade nas escolas: um livro em PDF sobre as socioemocionais. Nova Escola. São Paulo, 19 de setembro de 2018.

MOVIMENTO PELA BASE. O sucesso da BNCC depende de sua implementação, afirma David Peck, especialista da Curriculum Foundation. [S.l], 19 de dezembro de 2016.

NEVES, Rosa Maria Corrêa das; PICCININI, Cláudia Lino. Crítica do imperialismo e da reforma curricular brasileira da Educação Básica: evidência histórica da impossibilidade da luta pela emancipação da classe trabalhadora desde a escola do Estado. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 10, n. 1, p. 184-206, maio 2018.

NOVA ESCOLA. Associação nova escola. 2019. Disponível em: https://novaescola.org.br/quem-somos. Acesso em: 15 maio 2019.

PAULANI, Leda. Brasil Delivery. São Paulo: Boitempo, 2008.

PEREIRA, Jennifer N. Nova Escola e padrão BNCC de docência: a formação do professor gerenciado. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2019.

PERON, Isadora. Bancada evangélica vai comandar discussão sobre Escola sem Partido. Estadão, São Paulo, 19 de outubro de 2016.

PEROZIN, Lívia. A neurociência a favor da aprendizagem. Nova Escola. São Paulo, março de 2019.

PLANNETA EDUCAÇÃO. Guia definitivo da educação 4.0. s.d. Disponível em: http://www.plannetaeducacao.com.br/portal/arquivo/editor/file/ebook-educacao4.0-planneta.pdf. Acesso em: 18 abr. 2019.

PORVIR. Especial socioemocionais. 2018. Disponível em: http://porvir.org/especiais/socioemocionais/. Acesso em: 18 nov. 2018.

RATIER, Rodrigo. Da expectativa à realidade. Nova Escola, São Paulo, [2017a].

RATIER, Rodrigo. O castelo de cartas da Base. Nova Escola. São Paulo. [2017b].

RATIER, Rodrigo. Precisamos saber o que a Base não é. Nova Escola, São Paulo, [2018].

RATIER, Rodrigo; SOARES, Wellington; CASIMIRO, Patrick. Como 10 milhões viram um. Nova Escola, São Paulo, [2016].

SANTOS, Daniel D. A importância socioeconômica das características de Personalidade. Instituto Ayrton Senna. 2013.

SANTOS, Lucíola Licínio de Castro Paixão; DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio. Tentativas de Padronização do Currículo e da Formação de Professores no Brasil. Cad. Cedes [online], Campinas, v. 36, n. 100, p.281-300, set. 2016.

SAVIANI, D., "Escola e democracia ou a teoria da curvatura da vara". ANDE, Ano 1, n? 1, 1981, pp. 22-33.

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas SP. Autores Associados, 2007. Coleção memória da educação.

SEMIS, Laís. 32 respostas sobre a Base Nacional Comum Curricular. Nova Escola, São Paulo, 2 de março de 2017a. ok

SEMIS, Laís. Audiências públicas da Base: Muito potencial pouco aproveitamento. Nova Escola, São Paulo, 14 de setembro de 2017c.

SEMIS, Laís. Currículos regionais são aposta para a implementação da Base. Nova Escola, São Paulo, 5 de fevereiro de 2017b.

SHIROMA, Eneida. Política de profissionalização: aprimoramento ou desintelectualização do professor? Intermeio, Campo Grande, v. 9, n. 17, p. 64-83, 2003.

UNIÃO NACIONAL DOS DIRIGENTES MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO (UNDIME). MEC discute detalhes finais da Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2017. Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2018.

WORLD BANK. Great Teachers. How to raise student learning in Latin America and the Caribbean. 2014.




DOI: https://doi.org/10.22409/mov.v0i10.538

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 Fontes de indexação:

                                                                              

 

 

Apoio:

 

                                                                  

   

 

                              

 

 

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

click counter
click counter
click counter