A Boa Denúncia: A construção dos relatos para a produção da informação na Central Disque-Denúncia

Mariana dos Santos Vianna, Pedro Heitor Barros Geraldo

Resumo


Este artigo analisa a construção do relato realizada pelos atendentes da Central de Atendimento da Central Disque-Denúncia, “o coração da Central”, a partir do preenchimento do sistema para a elaboração da denúncia. O objetivo é compreender como os atendentes realizam o preenchimento do sistema da Central Disque-Denúncia, particularmente o espaço destinado ao relato – base da denúncia – e principalmente quais são as questões formuladas pelos mesmos para dispor de uma informação qualificada que possa realizar o preenchimento de uma “boa denúncia”. Como conclusão, a pesquisa empírica demonstra como as formas de categorização da qualidade da denúncia segundo os critérios institucionais da Central Disque-Denúncia, tendo em vista esta atividade como primordial para o funcionamento da instituição.


Palavras-chave


informação; registro; Disque-Denúncia

Texto completo:

PDF EPUB

Referências


BRITTO, Â. 2005. Criminalidade e Sociedade: Uma análise sobre a prática da denúncia anônima de crimes no município do Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado - Rio de Janeiro: Escola Nacional de Ciências Estatísticas.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. 1998. O trabalho do antropólogo: olhar, ouvir, escrever. In: O Trabalho do Antropólogo. Brasília/ São Paulo: Paralelo Quinze/Editora da Unesp.

CARUSO, Haydée. 2003. A denúncia anônima como ferramenta de ação policial – Disque Denúncia: uma experiência em curso. In: Políticas Públicas de Justiça Criminal e Segurança Pública. Niterói/Rio de Janeiro: EDUFF/ISP.

Disque Denúncia. O QUE SOMOS. Disponível em: http://www.disquedenuncia.org.br/o_que_somos.php. Acesso em: 26/01/2015.

EILBAUM, L.; LIMA, R. K. D.; PIRES, L. 2010. Conflitos, direitos e moralidades em perspectiva comparada. Niterói: GARAMOND.

FREIXO, Alessandra Soares. 2013. Verificar para Informar? A construção da verdade extrajudicial numa Delegacia de Polícia. Dissertação. Programa de Pós-Graduação em Direito Constitucional. Niterói: Universidade Federal Fluminense.

FOUCAULT, Michel. 1977. Vigiar e Punir: Nascimento da prisão. Petrópolis, Vozes.

GAMA LIMA, Lana Lage da. 2001. As contraditas no processo inquisitorial. In: Reunião de Antropologia do Mercosul, 4. Curitiba.

GARFINKEL, H. 1996 [1967]. “Boas” razões organizacionais para “maus” registros clínicos. In: Studies in ethnomethodology. Cambridge: Polity Press.

GERALDO, Pedro Heitor Barros. 2015. Practical Solutions: Praxiological Analysis of Judgments in Civil Hearings. In: Baudouin Dupret; Michael Lynch; Tim Berard. (Org.). Law at Work: Studies in Legal Ethnomethods. Oxford University Press, 1 ed, p. 63-85.

HOLLOWAY, Thomas H. 1997. Polícia no Rio de Janeiro – Repressão e resistência numa cidade do século XIX. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

KANT DE LIMA, R. 1995. A polícia na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Forense.

MENDES DE MIRANDA, A. P.; BERALDO DE OLIVEIRA, M.; FERREIRA PAES,V. 2007. Antropologia e Políticas Públicas: Notas sobre a avaliação do trabalho policial. Cuadernos de antropología social, n. 25, p. 51–70.

MENDES DE MIRANDA, A. P.; REIS MOTA, F. (EDS.). 2010. Práticas punitivas, sistema prisional e justiça. Niterói: EdUFF.

MENDES DE MIRANDA, A. P. 2000. Cartórios: Onde a tradição tem registro público. Antropolítica, v. 8, p. 59–75.

MISSE, Michel. 2008. Sobre a Construção Social do Crime no Brasil: esboços de uma interpretação. In.: Acusados e Acusadores. Rio de Janeiro: Revan, p. 13-32.

MISSE, Michel. 2010. Crime, Sujeito e Sujeição Criminal: aspectos de uma contribuição analítica sobre a categoria “bandido”. São Paulo: Lua Nova, v. 79, p. 15-38.

MISSE, Michel. 2011. Crime organizado e crime comum no Rio de Janeiro: diferenças e afinidades. In: Revista Sociologia e Política, vol.19, nº 40. Curitiba, p. 13 – 25.

MORAES, Luciane Patricio Braga de. 2001. Imagens do caos – Percepções de ordem e segurança pública a partir das experiências da Central Disque-Denúncia do Rio de Janeiro. Monografia – Niterói: UFF.

MORAES, Luciane Patricio Braga de. 2006. Disque-Denúncia: a arma do cidadão – Um estudo sobre os processos de construção da verdade a partir das experiências da Central Disque-Denúncia do Rio de Janeiro. Dissertação de mestrado – Niterói: UFF.

PAES, Vivian Ferreira. 2010. Como se contam crimes: um estudo sobre a construção social do crime no Brasil e na França. Tese de Doutorado – Rio de Janeiro: UFRJ.

PASINATO, M. T.; CAMARANO, A. A.; MACHADO, L. 2006. Idosos vítimas de maus-tratos domésticos: estudo exploratório das informações levantadas nos serviços de denúncia. www.ipea.gov.br, jul.

SOUZA, J. DE et al. 2015. CONTROLANDO O INCONTROLÁVEL: A aplicação das regras de atendimento na construção da compreensão mútua entre clientes e atendentes em um call center. Linguagem em (Dis)curso, v. 15, n. 1, p. 13–32.




DOI: https://doi.org/10.22409/conflu19i1.p508

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Confluências | Revista Interdisciplinar de Sociologia e Direito



A Revista Confluências é Qualis B1.

Esta revista encontra-se indexada em:

 

Resultado de imagem para bielefeld base