Descolonizando a psicologia: notas para uma Psicologia Preta

Lucas Motta Veiga

Resumo


O presente artigo investiga os efeitos da colonização na produção de subjetividade e na produção de conhecimento, em especial seu desdobramento na formação dos profissionais de psicologia. Com o objetivo de demonstrar a fragilidade da formação em psicologia no Brasil e os impactos do racismo nas subjetividades negras, o artigo apresenta epistemologias do campo da saúde mental historicamente apagadas nos currículos das graduações. Resgatamos o trabalho de Wade Nobles, Naim Akbar, Neusa Santos Sousa, dentre outros intelectuais negros e negras para, numa articulação com nossa experiência clínica, apontar como as subjetividades negras podem ser cuidadas em sua singularidade. Concluímos que o cuidado da saúde mental da população negra brasileira não pode se dar sem um resgate epistemológico das produções negras sobre o tema, e que a dimensão de aquilombamento que é instaurada na clínica quando do atendimento de pacientes negros por psicólogos negros é fundamental na promoção de saúde mental da população negra. Finalizamos estabelecendo direções clínico-políticas para a expansão de uma Psicologia Preta no Brasil.

Palavras-chave


colonização; Psicologia Preta; saúde mental

Texto completo:

PDF

Referências


AKBAR, Na’im. Papers in african psychology. Flórida: Mind Productions, 1975.

ASANTE, Molefi Kete. Afrocentricidade: notas sobre uma posição disciplinar. In: NASCIMENTO, Elisa (Org.). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro. 2009. p. 93-110.

BREUER, Josef; FREUD, Sigmund. Estudos sobre Histeria (1895). Rio de Janeiro: Imago, 1995. v. 2.

CARNEIRO, Sueli. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

GUATTARI, Félix. Caosmose. São Paulo: Editora 34, 1992.

MIGNOLO, Walter. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF: Dossiê: Literatura, língua e identidade, Niterói, n. 34, p. 287-324, 2008. Disponível em: http://www.cadernosdeletras.uff.br/joomla/images/stories/edicoes/34/traducao.pdf. Acesso em: 20 jun. 2018.

MBEMBE, Achille. Políticas da inimizade. Lisboa: Antígona, 2017.

MOMBAÇA, Jota. Rumo a uma redistribuição desobediente de gênero e anticolonial da violência. Issuu, 2016. Disponível em: https://issuu.com/amilcarpacker/docs/rumo_a_uma_redistribuic__a__o_da_vi. Acesso em: 17 jan. 2019.

NASCIMENTO, Abdias. Quilombismo: um conceito emergente do processo histórico-cultural da população afrobrasileira. In: NASCIMENTO, Elisa (Org.). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009. p. 197-218.

NASCIMENTO, Beatriz. O conceito de quilombo e a resistência cultural negra. Revista Afrodiáspora, n. 6-7, p. 41-49, 1985.

NIETZSCHE, Friedrich. A gaia ciência (1882). São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

NOBLES, Wade. Sakhu Sheti: retomando e reapropriando um foco psicológico afrocentrado. In: NASCIMENTO, Elisa. (Org.) Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009. p. 277-298.

PRAÇA Paris. Roteiro: Lucia Murat e Raphael Montes. Direção: Lucia Murat. Produção: Felicitas Rafo, Lucia Murat e Luís Galvão Telles. Intérpretes: Grace Passô, Joana de Verona, Babu Santana, Daniel Braga. Música: André Abujamra e Márcio Nigro. Brasil: Imovision, 2018. 1 DVD (110 min.), color.

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

VEIGA, Lucas Motta. O analista está presente: a arte da performance de Marina Abramovic e a clínica. Dissertação (Mestrado em Psicologia). 2015. 75 f. Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2015. Disponível em: https://app.uff.br/slab/uploads/2015_d_Lucas.pdf. Acesso em: 17 jan. 2019.

VEIGA, Lucas Motta. Qual a cor da Psicologia no Brasil? Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, RJ, 9 set. 2018a. Opinião, p. 9. Disponível em: https://www.jb.com.br/pais/artigo/2018/09/4697-qual-a-cor-da-psicologia-no-brasil.html. Acesso em: 16 dez. 2018.

VEIGA, Lucas Motta. As diásporas da bixa preta: sobre ser negro e gay no Brasil. Revista Tabuleiro de Letras, Salvador, v. 12, n. 1, p. 77-88, 2018b. http://dx.doi.org/10.35499/tl.v12i1.5176




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v31i_esp/29000

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: