Cartografando estilizações do homoerotismo na velhice: pistas metodológicas nos estudos sobre sexualidades

Daniel Kerry dos Santos, Mara Coelho de Souza Lago

Resumo


Esse artigo problematiza a cartografia como possibilidade metodológica em pesquisas sobre sexualidades. A partir da aproximação entre algumas perspectivas dos estudos de gênero e queer e o pensamento cartográfico proposto por Gilles Deleuze e Félix Guattari, procura-se destacar pontos em comum entre essas abordagens. Após uma introdução que procura aproximar tais vertentes, apresentam-se algumas notas de pesquisa de campo onde se cartografou modos de estilização do homoerotismo na velhice entre homens num bar na cidade de Florianópolis (SC, Brasil). Procurou-se enfatizar os efeitos do/no corpo do pesquisador (de afetar e ser afetado) no processo de habitar tal território de sociabilidade.

Palavras-chave


cartografia; sexualidades; velhice; pesquisa; metodologia

Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ, J.; PASSOS, E. Cartografar é habitar um território existencial. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da. (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 131-149.

ANTONIOLI, M. Singularités cartographiques. TRAHIR, [S.l.], première année, août 2010.

ANZALDÚA, G. La conciencia de la mestiza: rumo a uma nova consciência. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 13, n. 3, p. 704-719, set./dez. 2005. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2005000300015.

BRAH, A. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, Campinas, n. 26, p. 329-376, jan.-jun. 2006.

BRAIDOTTI, R. Sujetos nômades: corporización y diferencia sexual en la teoría feminista contemporânea. Buenos Aires: Paidós, 2000.

BUTLER, J. Fundamentos contingentes: o feminismo e a questão da “pós-modernismo”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 11, p. 11-42, 1998.

BUTLER, J. Como os corpos se tornam matéria (entrevista com Judith Butler feita por Baukje Prins e Irene Costera Meijer). Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 155-167, jan. 2002.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CARDOSO JUNIOR, H. R. Foucault e Deleuze em co-participação no plano conceitual. In: RAGO, M.; ORLANDI, L. B. L.; VEIGANETO, A. (Org.). Imagens de Foucault e Deleuze: ressonâncias nietzscheanas. Rio de Janeiro: DP&A, 2005. p. 185-197.

COSTA, C. de L. Feminismo e tradução cultural: sobre a colonialidade do gênero e a descolonização do saber. Portuguese Cultural Studies, Utrecht, v. 4, p. 41-65, 2012.

COSTA, J. F. A inocência e o vício: estudos sobre o homoerotismo. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1992.

DEBERT, G. G. A reinvenção da velhice: socialização e processos de reprivatização do envelhecimento. São Paulo: Universidade de São Paulo: FAPESP, 1999.

DELEUZE, G. O que é um dispositivo? Tradução de Ruy de Souza Dias e Hélio Rebello, 2001, a partir do texto: DELEUZE, G. Qu’est-ce qu’un dispositif? In: Michel Foucault philosophe. Rencontre internationale. Paris, 1989.

DELEUZE, G. Bergsonismo. Tradução de Peter Pál Pelbert. São Paulo: Editora 34, 1999.

DELEUZE, G. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2005.

DELEUZE, G. Conversações. Tradução de Peter Pál Pelbert. São Paulo: 34, 2008.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 2009. v. 1.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O Anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia I. Tradução de Peter Pál Pelbert. São Paulo: 34, 2010.

FERNÁNDEZ, A. M. Las lógicas colectivas: imaginários, cuerpos y multiplicidades. 2. ed. Buenos Aires: Biblos, 2008.

FOUCAULT, M. Da amizade como modo de vida. Entrevista de Michel Foucault a R. de Ceccaty, J. Danet e J. Le Bitoux. Gai Pied, n. 25, p. 38-39, abr. de 1981. Tradução de Wanderson Flor do Nascimento. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2013.

FOUCAULT, M. História da sexualidade: o uso dos prazeres. São Paulo: Graal, 1984. v. 2.

FOUCAULT, M. História da sexualidade: a vontade de saber. São Paulo: Graal, 1988. v. 1.

FOUCAULT, M. O sujeito e o Poder. In: DREIFUS, H.C; RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do Estruturalismo e da Hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. p.232-239.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 2008.

FOUCAULT, M. Outros Espaços (conferência). In: Ditos & Escritos. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009. v. 3.

GUATTARI, F. Caosmose: um novo paradigma estético. Tradução de Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia. São Paulo: Editora 34, 1992.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. 8. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

HARAWAY, D. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, Campinas, n. 5, p. 07-41, 1995.

HARAWAY, D. Manifesto ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo socialista no final do século XX. In: HARAWAY, D.; KUNZRU, H.; TADEU, T. (Org.). Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. p. 33-118.

HARDING, S. Ciencia y feminismo. Madri: Morata, 1996.

HENNING, C. E. Paizões, tiozões, tias e cacuras: envelhecimento, meia idade, velhice e homoerotismo masculino na cidade de São Paulo. Tese (Doutorado em Antropologia Social)__Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2014.

HOOKS, B. Talking back: thinking feminist, thinking black. Boston, MA: South End Press, 1989.

KASTRUP, V. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da. Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 32-51.

NARVAZ, M. G.; KOLLER, S. H. Metodologias feministas e estudos de gênero: articulando pesquisa, clínica e política. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 11, n. 3, p. 647-654, set./dez. 2006.

MAIRESSE, D. Cartografia: do método à arte de fazer pesquisa In: FONSECA, T. M. G.; KIRST, P. G. (Org.). Cartografias e devires: a construção do presente. Porto Alegre: UFRGS, 2003. p. 259-272.

MAIRESSE, D.; FONSECA, T. M. G. Dizer, escutar, escrever: redes de tradução impressas na arte de cartografar. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 7, n. 2, p. 111-116, jul./dez. 2002.

MOTA, M. P. Homossexualidade e envelhecimento: algumas reflexões no campo da experiência. SINAIS - Revista Eletrônica – Ciências Sociais, Vitória, n. 06, v. 1, p. 26-51, dez. 2009.

MOTTA, A. B. da. Envelhecimento e sentimento do corpo. In: MINAYO, M. C. de S.; COIMBRA, C. E. A. Jr. (Org.). Antropologia, saúde e envelhecimento. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2002. p.37-50.

PASSOS, E.; BENEVIDES, R. Por uma política da narratividade. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, Liliana da. Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 150-171.

PAIVA, C. Corpos/Seres que não importam? Sobre homossexuais velhos. Revista Bagoas, Natal, v. 3, n. 4, p. 191-208, jan./jun. 2009.

PEIXOTO JUNIOR, C. A. O corpo intensivo: notas para uma concepção não-representacional. In: ______. Singularidade e subjetivação: ensaios sobre clínica e cultura. Rio de Janeiro: 7Letras / PUC-Rio, 2008a. p. 134-151.

PEIXOTO JUNIOR, C. A. A multiplicidade sexual das máquinas desejantes e seus destinos. In: ______. Singularidade e subjetivação: ensaios sobre clínica e cultura. Rio de Janeiro: 7Letras / PUC-Rio, 2008b. p. 167-186.

PELBART, P. P. A vertigem por um fio: políticas da subjetividade contemporânea. São Paulo: Iluminuras, 2000.

PERLONGHER, N. Territórios Marginais. In: GREEN, J. N.; TRINDADE, R. (Org.). Homossexualismo em São Paulo e outros escritos. São Paulo: UNESP, 2005. p. 263-290.

PISCITELLI, A. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura, v. 11, n. 2, p. 263-274, jul./dez. 2008.

POCAHY, F. A. Entre vapores e dublagens: dissidências homo/eróticas nas tramas do envelhecimento. Tese (Doutorado em Educação)__Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Educação, Porto Alegre, RS, 2011.

POZZANA, L.; KASTRUP, V. Cartografar é acompanhar processos. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 52-75.

PRADO-FILHO, K. Michel Foucault: uma história política da verdade. Florianópolis: Insular, 2006.

PRECIADO, B. Cartografías queer: el flâneur perverso, la lesbiana topográfica y la puta multicartográfica o como hacer una cartografia zorra con Anne Sprinkle, 2008. Disponível em: . Acesso em: 7 junho 2015.

ROLNIK, S. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. São Paulo: UFRGS, 2007.

SANTOS, D. K. Modos de vida e processos de subjetivação na experiência de envelhecimento entre homens homossexuais na cidade de Florianópolis/SC. 2012. Dissertação (Mestrado)__Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Florianópolis, 2012.

SANTOS, D. K.; LAGO, M. C. de S. Porosidades da velhice: experimentações (homo)eróticas de corpos dissidentes. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE ESTUDOS SOBRE A DIVERSIDADE SEXUAL E DE GÊNERO DA ABEH, 6., 2012, Salvador. Anais... Salvador: UFBA, 2012. v. 1, n. 1.

SANTOS, D. K.; LAGO, M. C. de S. Estilísticas e estéticas do homoerotismo na velhice: narrativas de si. Sex., Salud Soc. (Rio J.), Rio de Janeiro, n. 15, p. 113-147, dez. 2013.

SIMÕES, J. A. Homossexualidade masculina e curso da vida: pensando idades e identidades sexuais. In: PISCITELLI, A.; GREGORI, M. F.; CARRARA, S. (Org.). Sexualidade e saberes: convenções e fronteiras. Rio de Janeiro: Garamond, 2004. p. 415-447.

SOUZA, P. Resistir, a que será que se resiste? O sujeito feito fora de si. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 3, Número Especial, p. 37-54, 2003.

SPARGO, T. Foucault e a teoria queer. Rio de Janeiro: Pazulin, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: