Promoção da saúde no processo de democratização brasileiro: biopolíticas e constituição de sujeitos da saúde

Ana Maria Pereira Lopes

Resumo


Em um estudo sobre promoção da saúde como uma biopolítica, objetivou-se analisar como práticas biopolíticas, no processo de democratização brasileira nos anos de 1980 e 1990, constituem sujeitos, por meio da objetivação pelos discursos e normas. A pesquisa teve como fonte documentos que instalam a promoção da saúde, considerando-os como monumentos, intencionais, com efeitos na objetivação de sujeitos. A promoção da saúde é considerada como prática histórica, datada e como dispositivo estratégico de governamentalidade. Organizando-se os documentos em subarquivos, a análise foi conduzida pela problematização – arqueológica e genealógica – de Michel Foucault. A promoção da saúde é articulada estrategicamente com o discurso da saúde ampliada e relações econômicas desenvolvimentistas. Em meio ao governo médico da vida ocorre a objetivação de sujeitos na relação com práticas de promoção da saúde, sobretudo na atenção básica, o que possibilita aportes para se problematizar a subjetividade nesses espaços.

Palavras-chave


promoção da saúde; biopolítica; constituição do sujeito; atenção básica

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz. Mennocchio e Rivière: criminosos da palavra, poetas do silencio. Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura do Centro de Memória da Unicamp, Campinas, n. 1, p. 48-55, 1991. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8645467/12774. Acesso em: 13 ago. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE, 8., 1986, Brasília. Anais... Brasília: MS, 1986. Disponível em: http://www.ccs.saude.gov.br/cns/pdfs/8conferencia/8conf_nac_anais.pdf. Acesso em: 27 out. 2017.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 13 ago. 2016.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. 1990a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm. Acesso em: 14 ago. 2016.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 8142, de 28 de dezembro de 1990. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. 1990b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8142.htm. Acesso em: 14 ago. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Norma Operacional Básica do Sistema Único de Saúde – SUS 01/96. Brasília: Ministério da Saúde, 1996.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília: Ministério da Saúde, 1997.

BRASIL. Ministério da Saúde. Promoção da saúde, um novo modelo de atenção: Documento do Projeto do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento/PNUD. Brasília: Ministério da Saúde, 1998.

BRASIL. Ministério da Saúde. As cartas da promoção da saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2002a.

BRASIL. Ministério da Saúde. A construção de vidas mais saudáveis. Brasília: Ministério da Saúde, 2002b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde (documento para discussão). Brasília: Ministério da Saúde, 2002c.

BRASIL. Ministério da Saúde. Vamos promover nossa saúde? Brasília: Ministério da Saúde, 2002d.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde. 2006b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes Operacionais dos Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão. Brasília: Ministério da Saúde, 2006c.

CAPONI, Sandra. A saúde como abertura ao risco. In: CZERESNIA Dina; FREITAS Carlos Machado de. (Org.). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003. p. 39-53.

CASTRO, Adriana Miranda de. A institucionalização da Promoção da Saúde no SUS. Rio de Janeiro: UIPES / ORLA, 2005.

FIGUEIREDO, Luis Cláudio. Matrizes do pensamento psicológico. Petrópolis, RJ: Vozes, 1992.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988a. v. 1.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: o cuidado de si. Rio de Janeiro: Graal, 1988b. v. 3.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1992.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008a.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

FOUCAULT, Michel. Crise da medicina ou crise da anti-medicina. In: MOTTA, Manoel Barros da (Org.). Foucault: arte, epistemologia, filosofia, história da medicina. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2011. Coleção Ditos & Escritos, v. 7, p. 373-384.

LE GOFF, Jacques. História e memória. 2. ed. Campinas: Unicamp, 1990.

LEMOS, Flavia Cristina Silveira et al. A análise documental como instrumento estratégico para Michel Foucault. In: PIMENTEL, Adelma et al. (Org.). Itinerários de pesquisas em psicologia. Belém: Amazonas, 2010. p. 95-118.

LUZ, Madel Therezinha. Duas questões permanentes em um século de políticas de saúde no Brasil republicano. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 293-312, 2000. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232000000200006

MATTOS, Ruben Araujo de. Princípios do Sistema Único de Saúde (SUS) e a humanização das práticas de saúde. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 13, supl. 1, p. 771-780, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832009000500028

NOGUEIRA, Roberto Passos. A segunda crítica social da saúde de Ivan Illich. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 7, n. 12, p. 185-190, 2003. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832003000100022

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Carta de Ottawa. 1986. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/carta_ottawa.pdf. Acesso em: 22 jan. 2016.

PRADO FILHO, Kleber. Michel Foucault: uma história da governamentalidade. Rio de Janeiro: Insular; Achiamé, 2006.

SCHRAMM, Roland Fermin. A saúde é um direito ou um dever? Uma autocrítica da saúde pública. Revista Brasileira de Bioética, Brasília, v. 2, n. 2, p. 187-200, 2006.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v31i3/5509

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: