Tensões entre o arquivo e o repertório: explorações da apropriação em certa poesia contemporânea brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/cadletrasuff.v31i61.44153

Palavras-chave:

Poesia brasileira, Apropriação, Arquivo, Repertório

Resumo

Este ensaio busca discutir algumas poéticas de apropriação em práticas contemporâneas da poesia brasileira. A partir da leitura dos livros Delírio de damasco, Um útero é do tamanho de um punho, Mais cotidiano que o cotidiano,Livro das postagens e Sessão delineamos um procedimento de cópia específico a este cenário, calcado no uso intensivo de citações, com um interesse singular pela transcrição de falas cotidianas. Nesta preocupação com a linguagem comum, identificamos a possibilidade de pensar uma escrita enredada pelos problemas conceituais do arquivo e do repertório. A partir de tal jogo, somos levados a pensar como tal literatura reconfigura o gesto poético da apropriação, em uma reflexão tensiva sobre estes conceitos – e sobre a poesia mesma.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luis Felipe Silveira de Abreu, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM) da UFRGS. Membro do Grupo de Pesquisa em Semiótica e Culturas da Comunicação (GPESC). Bolsista CAPES.

Referências

AIRA, César. Pequeno manual de procedimentos. Curitiba: Arte & Letra, 2007.

AZEVEDO, Carlito. Livro das postagens. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2016.

BROTHMAN, Brian. Ordens de valor: questionando os termos teóricos da prática arquivística. In: HEYMANN, Luciana; NEDEL, Letícia (Org.). Pensar os arquivos. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2018.

DERRIDA, Jacques. Mal de arquivo: uma impressão freudiana. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

FRANKEL, Roy David. Sessão. São Paulo: Luna Parque Edições, 2017.

FREITAS, Angélica. Um útero é do tamanho de um punho. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

GARRAMUÑO, Florencia. Frutos estranhos: sobre a inespecificidade na estética contemporânea. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.

GOLDSMITH, Kenneth. Capital: New York, Capital of the 20th Century. Londres: Verso, 2015.

GOLDSMITH, Kenneth. Day. Great Barrington: The Figures, 2003.

GOLDSMITH, Kenneth. Sports. Los Angeles: Make Now, 2008.

GOLDSMITH, Kenneth. Uncreative writing: managing language in the digital age. Nova York: Columbia University Press, 2011. Edição digital para Kindle.

KLINGER, Diana. Poesia, documento, autoria. Estud. Lit. Bras. Contemp., Brasília , n. 55, p. 17-33, Dez. 2018 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2316- 40182018000300017&lng=en&nrm=iso.

MANZONI, Filipe. Memes, poemas e algumas suspeitas sobre o não original. eLyra, n. 13, p. 115-136, jun. 2019. Disponível em: https://elyra.org/index.php/elyra/article/view/283

PERLOFF, Marjorie. O gênio não original: poesia por outros meios no novo século. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

PUCHEU, Alberto. Mais cotidiano que o cotidiano. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2013.

STIGGER, Veronica. Delírio de Damasco. Florianópolis: Cultura e Barbárie, 2012.

STIGGER, Veronica. Pré-histórias: uma arqueologia poética do presente. Revista Z Cultural, Rio de Janeiro (UFRJ), v. VIII, n. 3, 2013. Disponível em: http://revistazcultural.pacc.ufrj.br/pre-historias-uma-arqueologia-poetica-do-presente-deveronica-stigger/

SUSSEKIND, Flora. Objetos verbais não-identificados, Prosa & Verso, Jornal O Globo, 21/9/2013. Disponível em <http://oglobo.globo.com/blogs/prosa/posts/2013/09/21/objetos-verbaisnao-identificados-um-ensaio-de-flora-sussekind-510390.asp>.

TAYLOR, Diana. O arquivo e o repertório: performance e memória cultural nas Américas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

VILLA-FORTE, Leonardo. Escrever sem escrever: literatura e apropriação no século XXI. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio/ Belo Horizonte: Ed. Relicário, 2019.

Downloads

Publicado

2020-12-15

Edição

Seção

Dossiê