Uma espécie de coração

Autores

  • Paloma Roriz Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.22409/cadletrasuff.v31i61.44169

Palavras-chave:

modernidade, lirismo, poesia portuguesa contemporânea, Manuel António Pina

Resumo

A partir da contextualização de uma frase de Nietzsche, empregada de diferentes modos pelo escritor português Manuel António Pina, e de seu possível desdobramento na construção da relação entre a figura do convalescente e a da criança enquanto índice emblemático de modernidade poética, o presente artigo propõe uma reflexão acerca da controvertida entonação lírica presente em alguns dos poemas de Pina. Para isso, são apontadas algumas direções problematizantes em torno da associação entre experiência emocional e experiência poética, a partir do estatuto discursivo do sujeito lírico no contexto de surgimento e consolidação da poesia moderna, levando em conta seus reflexos posteriores na produção portuguesa mais recente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paloma Roriz, Universidade Federal Fluminense

Doutora em Literatura Comparada pela Universidade Federal Fluminense (2020). Mestre em Estudos Lusófonos pela Universidade Sorbonne Nouvelle - Paris 3 (2014). Professora colaboradora no Curso de Especialização em Literatura Infantojuvenil do Programa de Pós-Graduação Lato Sensu em Letras da UFF.

Referências

BAUDELAIRE, Charles. Poesia e Prosa. Org. Ivo Barroso. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995.
COELHO, Eduardo Prado. Sobe as escadas, bate à porta. In: Público/Caderno Ípsilon, 10/11/2001.
COLLOT, Michel. A matéria-emoção. Trad. Patricia Souza Silva. Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2018.
DIDI-HUBERMAN, Georges. Que emoção! Que emoção? Trad. Cecília Ciscato. São Paulo: Editora 34, 2016.
HOUAISS, Antônio. Novo dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. São Paulo: Ed. Objetiva, 2009.
LAGE, Rui. Manuel António Pina. Coimbra: Impressa da Universidade de Coimbra, 2016.
MARTELO, Rosa Maria. Em parte incerta – Estudos de poesia portuguesa moderna e contemporânea. Porto: Campo das Letras – Editores S.A., 2004.
MORAES, Marcelo Jacques de. O lugar das coisas: Francis Ponge e Christophe Tarkos. In: Subjetividades em devir. ALVES, Ida; PEDROSA, Celia (orgs.). Rio de Janeiro: 7Letras, 2008.
NIETZSCHE, Friedrich. A gaia ciência. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.
PINA, Manuel António. Cuidados Intensivos. Porto: Afrontamento, 1994.
______. Nenhuma Palavra e Nenhuma Lembrança. Lisboa: Assírio & Alvim, 1999.
______. Todas as Palavras ‒ poesia reunida. Lisboa, Assírio & Alvim, 2012.
______. O coração pronto para o roubo – antologia. Leonard Gandolfi (Org.). São Paulo: Editora 34, 2018.
QUEIRÓS, Luís Miguel. A auto-ironia é afastar-me de mim, deixar desamparado – Entrevista a Manuel António Pina. In: Público. 17/06/2011. Disponível em: https://www.publico.pt/2011/06/17/jornal/a-autoironia-e-afastarme-de-mim-deixarme-desamparado-22277928. Visitado em: 06/12/2019.
SISCAR, Marcos. Entrevista com Jean-Michel Maulpoix. Trad. Marcos Siscar. In: Revista Criação e Crítica, n. 14, p. 105-114, junho, 2015. Disponível em: < http://revistas.usp.br/criacaoecritica> Acesso em: 22/10/2019.
WINNICOTT, Donald. O brincar e a realidade. Trad. Breno Longhi. São Paulo: Ed. Ubu, 2019.

Downloads

Publicado

2020-12-15

Edição

Seção

Dossiê