Entre a academia e os tribunais: a construção social do direito constitucional brasileiro

Carlos Victor Nascimento dos Santos, Gabriel Borges da Silva

Resumo


O presente artigo tem o objetivo de ampliar as discussões acerca da produção do direito constitucional brasileiro para além do fortalecimento do Supremo Tribunal Federal e mudança de papel político da Corte. Elementos como (i) a delimitação dos autores que se tornaram referências, (ii) a distância entre teorias e realidade social, (iii) a expansão dos programas de pós-graduação em Direito e o aumento da circulação de ideias que envolvam matérias constitucionais, além (iv) das relações entre professores/pesquisadores e juristas, são incorporados à discussão como movimentos capazes de influenciar a construção social do direito constitucional brasileiro. Da breve análise de tais movimentos, a disputa pelo conhecimento no campo jurídico e o processo de constitucionalização do debate político tornam-se elementos centrais à compreensão do direito constitucional brasileiro enquanto categoria autônoma no discurso jurídico.


Palavras-chave


ACADEMIA; PRÁTICA JURÍDICA; e DISPUTAS.

Texto completo:

PDF

Referências


ACKERMAN, Bruce. We the people: Foundations. V. 1, Harvard: 1993.

_________________. We the people: Transformations. V. 2, Harvard: 2000.

_________________. We the people: The civil rights revolution. V. 3, Harvard: 2014.

BARROSO, Luis Roberto. Fundamentos teóricos e filosóficos do novo direito constitucional brasileiro. Revista Diálogo Jurídico, Salvador/BA, ano 1, v. 1, n.º 6, set., 2001.

BODIN de MORAES, Maria Celina. A Caminho de um Direito Civil Constitucional. Direito, Estado e Sociedade, Brasil, v. 1, p. 59-73, 1991.

_______________________________. A Constitucionalização do Direito Civil. Revista Brasileira de Direito Comparado, Rio de Janeiro, v. 17, n.17, p. 79-89, 1999.

BONELLI, Maria da Gloria. Ideologias do profissionalismo em disputa na magistratura paulista. Sociologias (UFRGS. Impresso), Porto Alegre, n.13, p. 110-135, 2005.

BOURDIEU, Pierre. As condições sociais da circulação internacional das ideias. In: Atos de pesquisa em Ciências Sociai, 2002. Tradução de Luiz Felipe Martins Candido.

________________. O poder simbólico. 2ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

BRANDÃO, Rodrigo. Supremacia Judicial e Diálogos Constitucionais: a quem cabe a última palavra sobre o sentido da Constituição. Lumen Juris: Rio de Janeiro, 2012.

__________________. A judicialização da política: teorias, condições e o caso brasileiro. Revista de Direito Administrativo, v. 263, p. 175-220, 2013.

GÓES, P. Aspectos administrativos da educação pós-graduada no Brasil. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Rio de Janeiro, v. 58, n. 128, p. 224-231, mar./1972.

KANT DE LIMA, Roberto. Carnaval, malandros e heróis: o dilema brasileiro do espaço público. In: GOMES, Laura Graziela; BARBOSA, Lívia; DRUMONDO, José Augusto (Org.) O Brasil não para principiantes. Rio de Janeiro: FGV, 2001.

KANT DE LIMA, Roberto; BAPTISTA, Bárbara Gomes Lupetti. O desafio de realizar pesquisa empírica no direito: uma contribuição antropológica. In: ENCONTRO DA ABCP, 7, 2010. Recife. Disponível em http://www.uff.br/ineac/?q=o-desafio-de-realizar-pesquisa-empirica-no-direito

KOERNER, Andrei. A análise política do Direito, do Judiciário e da doutrina jurídica. In: Constituição e política na Democracia: aproximações entre Direito e ciência política / Daniel Wei Liang Wang, organizador. São Paulo: Marcial Pons, 2013.

KOERNER, Andrei ; FREITAS, L. B. . Ativismo Judicial? Jurisprudência Constitucional e Política no STF pós-88. Novos Estudos CEBRAP (Impresso), v. 96, p. 69-86, 2013.

LORENZETTO, Bruno Meneses; KENICKE, Pedro Henrique Gallotti. José Afonso da Silva é o doutrinador mais citado pelo STF. Disponível em: .

LYNCH; SOUZA NETO, C. P.; PONTES FILHO, V.; BARROSO, L. R.; COMPARATO, F. K.; BONAVIDES, P.; SILVA, J. A.. As Constituições Brasileiras: notícia, história e análise crítica. 1ª. ed. Brasília: OAB Editora, 2008. v. 1.

LYNCH, Christian Edward Cyryl. Por que pensamento e não teoria?: a imaginação político-social brasileira e o fantasma da condição periférica (1880-1970). Dados (Rio de Janeiro. Impresso), v. 56, p. 727-767, 2013.

MCCANN, Michael. Rights at work: pay equity reform and the politics of legal mobilization. Chicago, IL: The University of Chicago Press, 1994.

OLIVEIRA, F. B., Pós-graduação: mercado e trabalho. Campinas: Papirus, 1995.

ROSENBERG, Gerald N. The hollow hope: can courts bring about social change. 2 ed. Chicago, IL: The University of Chicago Press, 2007.

SANTIAGO, Marcus Firmino. Marbury VS. Maddison: uma revisão da decisão chave para o controle jurisidicional de constitucionalidade. Passagens. Revista Internacional de História Política e Cultura Jurídica Rio de Janeiro: vol. 7, no.2, maio-agosto, 2015, p. 277-297.

SANTOS, Carlos Victor Nascimento dos. STF e Mutação Constitucional: a ampliação de poderes da Suprema Corte por suas próprias decisões. 1. ed. Curitiba: Juruá, 2015.

SANTOS, Carlos Victor Nascimento dos; SILVA, Gabriel Borges da. Para que copiar se podemos pesquisar? Uma breve análise acerca da importação de teorias e modelos constitucionais ao Direito brasileiro sem a análise prévia de sua realidade social. In: CONPEDI/UNICURITIBA. (Org.). Sociologia, antropologia e Culturas Jurídicas. 1ªed.Florianópolis: FUNJAB, 2013, p. 8-28.

SANTOS, Cássio Miranda dos. Os primeiros passos da pós-graduação no Brasil: a questão da dependência. Ensaio: aval. pol. pub. Educ., Rio de Janeiro, v. 10, n. 37, p. 479-492, out.-dez./2002.

SARMENTO, Daniel. O neoconstitucionalismo no Brasil: riscos e possibilidades. In: FELLET, Ande Luis Fernandes et al. As novas faces do ativismo judicial: Salvador: Juspoddivm, 2011.

SCHAUER, Frederick. Thinking like a lawyer. Harvard University Press: Cambridge, 2009.

SCHEINGOLD, Stuart A. The politics of rights: lawyers, public policy, and political change. 2 ed. Ann Arbor: University of Michigan Press, 2004.

SILVA, Gabriel Borges da. Entre precariedades e os “direitos” que delas advém: uma etnografia do Mercado Popular da Uruguaiana. Dissertação de mestrado. Rio de Janeiro: Programa de Pós-graduação em Direito Constitucional da Universidade Federal Fluminense, Niterói: 2014.

TEPEDINO, Gustavo. O Código Civil e o Direito Civil Constitucional. Revista Trimestral de Direito Civil, Rio de Janeiro, v. 13, 2003.

__________________. A Constitucionalização do novo Código Civil. Revista trimestral de Direito Civil, v. 15, 2003.

VERONESE, A. A judicialização da política na América Latina: panorama do debate teórico contemporâneo. Escritos (Fundação Casa de Rui Barbosa), v. 3, p. 215-265, 2009.

VIANNA, Francisco José de Oliveira. O Idealismo da Constituição. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1927.

FONTES:

http://conteudoweb.capes.gov.br/conteudoweb/ProjetoRelacaoCursosServlet?acao=pesquisarIes&codigoArea=60100001&descricaoArea=&descricaoAreaConhecimento=DIREITO&descricaoAreaAvaliacao=DIREITO. Acesso em 22.fev.2015.




DOI: https://doi.org/10.22409/conflu17i2.p447

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Confluencias



A Revista Confluências é Qualis B1.

Esta revista encontra-se indexada em:

Resultado de imagem para bielefeld base

Logotipo Facebook - Logotipo.pt