Pra (re)fazer Indiana Jones: crimes e caminhadas da antropólog(i)a nos processos de produção das “classes perigosas”

Autores

  • Natália Corazza Padovani PAGU / UNICAMP

DOI:

https://doi.org/10.22409/conflu17i3.p425

Palavras-chave:

Prisões, Antropologia, Documentos

Resumo

A partir de parte do trabalho de campo que enfocou redes de afeto produzidas através de prisões femininas das cidades de São Paulo (Brasil) e Barcelona (Espanha), neste artigo analiso o modo o como a antropologia (e a antropóloga) é acionada e articulada no sistema penitenciário destas duas cidades. O texto resgata as ponderações de Dirks (2001) sobre os “crimes da antropologia” no colonialismo: a formulação antropológica de embasamentos teóricos que permitiram inventar as “classes perigosas”, assim como os recorrentes desenvolvimentos de expertises técnicas para exame e aprisionamento dos sujeitos assim classificados. Ilustro, porém, que as interlocutoras de minha pesquisa reconhecem e agenciam a “caminhada”, ou seja, a história pregressa da antropologia, muitas vezes, inclusive, a subvertendo desde os processos capilares de produção de “laudos”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANGOTTI, Bruna Soares de. 2011. Entre as Leis da Ciência do Estado e de Deus: O surgimento dos presídios femininos no Brasil. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

BODOQUE Puerta, Yolanda y SORONELLAS Masdéu, Montserrat. 2010. "Parejas en el espacio transnacional: Los proyectos de mujeres que emigran por motivos conyugales". Migraciones Internacionales. Vol. 5, pp. 143-184.

CARSTEN, Janet. 2004. After Kinship. Cambridge: The Press Syndicate of the University of Cambridge.

CORRÊA, Mariza. 2001. As Ilusões da Liberdade. A Escola Nina Rodrigues e a Antropologia no Brasil. Bragança Paulis¬ta: Editora da Universidade São Francisco.

CORRÊA, Mariza. 2006. “Nina Rodrigues e a ‘garantia da ordem social’”. In: Revista USP, n° 68, p. 130-139, dezembro/fevereiro.

DIRKS, Nicholas. 2001. “The Crimes of Colonialism”: Anthropology and the Textualization of India”. PELS, Peter e SALEMINK, Oscar (Orgs.). Colonial Subjects: Essays on the Practical History of Anthropology. Michigan: The University of Michigan Press, pp. 153-179.

FERREIRA, Letícia Carvalho de Mesquita. 2013. “‘Apenas preencher papel’: Reflexões sobre registros policiais de desaparecimento de pessoas e outros documentos”. Mana, 19(1), pp. 39-68.

FOUCAULT, Michel. 2001. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 24º edição. Petrópolis, Editora Vozes.

GIRONA, Jordi Roca. 2007. “Migrantes por amor. La búsqueda y formación de parejas transnacionales”. AIBR - Revista de Antropología Iberoamericana, vol. 2, núm. 3, septiembre-diciembre, 2007, pp. 430-458.

GODOI, Rafael. 2010. Ao redor e através da prisão: cartografias do dispositivo carcerário contemporâneo. Dissertação de mestrado, Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

GRILLO, Carolina. 2008. “O ‘morro’ e a ‘pista’: Um estudo comparado de dinâmicas do comércio ilegal de drogas”, in: Dilemas, pp. 127-148.

GUINZBURG, Carlo. 1990/1991. "O Inquisidor como Antropólogo". In: América, Américas, Revista Brasileira de História, São Paulo: ANPUH/Marco Zero, n. 21setembro-fevereiro, pp. 9-20.

LUGONES, Maria Gabriela. 2012. Obrando en autos, obrando en vidas: formas y fórmulas de protección judicial en los tribunales prevencionales de menores de Córdoba, Argentina, a comienzos del siglo XXI. Rio de Janeiro: E-papers/LACED/Museu Nacional.

MARCUS, George. 1995. “Ethnography in/of the world system: The Emergence of Mult-Sited Ethnography”. Annual Review of Anthropology (24), pp.95-117.

MARQUES, Adalton. 2009. Crime, proceder, convívio-seguro: Um experimento antropológico a partir de relações entre ladrões. Dissertação de mestrado. Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo.

MCCLINTOCK, Anne. 1995. Imperial Leather: Race, Gender, and Sexuality in the Colonial Contest. New York: Routledge.

MISSE, Michel. 1999. Malandros, Marginais e Vagabundos & A Acumulação Social da Violência no Rio de Janeiro. Tese de Doutorado. Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro.

NADAI, Larissa. 2012. Descrever crimes, decifrar convenções narrativas: uma etnografia entre documentos oficiais da Delegacia de Defesa da Mulher de Campinas em casos de estupro e atentado violento ao pudor. Dissertação de Mestrado. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas.

PELÚCIO, Larissa. 2009. “Sin papeles pero con glamur: Migración de travestis brasileñas a España (Reflexiones iniciales)”. Vibrant – Virtual Brazilian Anthropology. v. 6, p. 170-197, 2009. Brasília, ABA. Disponível em: http://www.vibrant.org.br/issues/v6n1/larissa-pelucio-sin-papeles-pero-con-glamur

PISCITELLI, Adriana Gracia. 2011a. “Amor, apego e interesse: trocas sexuais, afetivas em cenários transnacionais”. In: Adriana Piscitelli; Glaucia Oliveira de Assis; José Miguel Olivar (orgs.), Gênero, sexo, amor e dinheiro: mobilidades transnacionais envolvendo o Brasil. Campinas: UNICAMP/PAGU (Coleção Encontros), pp. 385-433.

PISCITELLI, Adriana Gracia. 2011b. “‘Papéis’, interesse e afeto, relacionamentos amoroso/sexuais e migração”. In: AREND, Silvia Maria Favero; RIAL, Carmen Silvia de Moraes; PEDRO, Joana Maria (orgs.). In: Diásporas, mobilidades e migrações. Florianópolis: Editora Mulheres, v. 1, pp. 103-129.

PISCITELLI, Adriana Gracia. 2013. Trânsitos: brasileiras nos mercados transnacionais do sexo. Rio de Janeiro: EdUERJ.

SALLA, Fernando. 2006. As Prisões em São Paulo: 1822-1940. São Paulo: Annablume; Fapesp.

STRATHERN, Marilyn. 2010. O Gênero da Dádiva: Problemas com as mulheres e problemas com a sociedade na Melanésia. Campinas, Editora Universidade Estadual de Campinas.

VELHO, Gilberto. 2013. “Trajetória individual e campo de possibilidades”. Gilberto Velho [Hermano Vianna, Karina Kuschnir, Cerso Castro (orgs.)], Um antropólogo na cidade: Ensaios de antropologia urbana. Rio de Janeiro: Zahar, pp. 125-138.

WAGNER, Roy. 2010. A invenção da cultura, São Paulo, Cosac Naify.

Downloads

Publicado

2015-12-20

Edição

Seção

Dossiê