NOVAS FORMAS DE ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL: uma análise sobre a prática docente

Carlos Victor Nascimento dos Santos

Resumo


O presente artigo tem o objetivo de relatar uma experiência docente a partir da criação e adaptação do conteúdo e metodologia propostos em uma disciplina que envolvia a discussão de temas relativos ao direito constitucional às condições estabelecidas pela universidade e necessidade dos alunos. Durante o exercício de construção e desconstrução de argumentos e teses, a partir da metodologia proposta, foi possível estabelecer reflexões em salas de aula acerca da necessidade de estranhamento com o campo jurídico e relativização e desnaturalização de categorias jurídicas. O resultado foi a percepção de como o ensino do Direito pode estar estruturado e do potencial da pesquisa na distinção de três importantes fenômenos: como o campo jurídico é lido pela doutrina, como ele funciona e como os seus atores dizem que ele efetivamente é.


Palavras-chave


Ensino do Direito; Campo Jurídico; Pesquisa

Texto completo:

PDF EPUB

Referências


ADEODATO, João Maurício. Bases para uma metodologia da pesquisa em Direito. In: Anuário dos cursos de pós-graduação em direito. n.º 8. Recife: UFPE. 1997. P. 201-224.

BARROSO, Luis Roberto. O direito constitucional e a efetividade de suas normas. Tese de livre-docência na Universidade Estadual do Rio de Janeiro, 1990.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 2ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

_______________. As condições sociais da circulação internacional das ideias. In: Atos de pesquisa em Ciências Sociais, 2002. Tradução de Luiz Felipe Martins Candido.

BRANDÃO, Rodrigo. Supremacia Judicial e Diálogos Constitucionais: a quem cabe a última palavra sobre o sentido da Constituição. Lumen Juris: Rio de Janeiro, 2012.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Luis R. A dimensão simbólica dos direitos e a análise de conflitos. Revista de Antropologia volume 53(2) 451-473, 2011.

FALCÃO, Joaquim. Reforma da educação jurídica: continuidade sem continuísmos. In LACERDA, Gabriel, FALCÃO, Joaquim, RANGEL, Tânia (org). A Aventura e Legado no Ensino Jurídico. Rio de Janeiro: FGV Direito Rio, 2012, p. 138 – 161.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Curso de Direito Constitucional, Rio de Janeiro: Editora Saraiva, 2014.

GERALDO, Pedro Heitor Barros. O multiprofissionalismo à prova da instituição judiciária: Uma análise do processo de estigmatização dos juízes de proximidade em França. In: III Seminário do Programa de Pós-graduação em Sociologia da UFSCAR, 2012, São Carlos. Sessões dos GTs, Comunicações orais e pôsteres, 2012.

GHIRALDELLI JUNIOR, Paulo. Didática e teorias educacionais. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

GLOSSÁRIO JURÍDICO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Disponível em: < http://www.stf.jus.br/portal/glossario/verVerbete.asp?letra=A&id=533>. Acesso em: 14.nov.2015.

KANT DE LIMA, Roberto. 1995. Da inquirição ao júri, do trial by jury a plea bargaining: modelos para a produção da verdade e a negociação da culpa em uma perspectiva comparada (Brasil/Estados Unidos). Tese para Professor Titular da Universidade Federal Fluminense.

______________________. Sensibilidades jurídicas, saber e poder: bases culturais de alguns aspectos do direito brasileiro em uma perspectiva comparada. In Anuário Antropológico/2009 - 2, 2010: 25-51, 2010.

LENZA, Pedro. Direito Constitucional Esquematizado. 16ª edição, São Paulo: Saraiva, 2013.

LIRA, Ricardo Pereira. Problemas e perspectivas da Pós-graduação na área do Direito. Revista da Faculdade de Direito da UFPR, Curitiba, a. 29; n. 29, 1996, p. 73-85.

LUPETTI, Barbara Baptista. A pesquisa empírica no Direito: obstáculos e contribuições. Em, Kant de Lima, R., L. Eilbaum & L. Pires (orgs) Conflitos, Direitos e Moralidades em Perspectiva Comparada (volume II). Rio de Janeiro: Garamond Universitária, p. 127-152. 2010.

MENDES, Gilmar Ferreira; COELHO, Inocêncio Mártires; BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de Direito Constitucional, Rio de Janeiro: Editora Saraiva, 2012.

MIAILLE, Michel. Ensinar o direito constitucional: a crítica do direito à prova. Traduzido do Francês por Fernando de Castro Fontainha. In: MONT'ALVERNE, Martonio; BELLO, Enzo. (Org.). "Direito e Marxismo". 1ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

MIAILLE, Michel; FONTAINHA, Fernando de Castro. O ensino do Direito na França. In Revista Direito GV 11, 6 (1), jan – jun/2010, p. 59 – 66.

MORAES, Alexandre de. Direito constitucional. São Paulo: Ed. Átlas, 2012.

MORIN, Edgar. A via, para o futuro da humanidade. Tradução de Edgard de Assis Carvalho e Mariza Perassi Bosco. São Paulo: Bertrand Brasil, 2011.

PERRENOUD, Philippe. Construir competências

é virar as costas aos saberes? In Pátio. Revista pedagógica (Porto Alegre, Brasil) n° 11, Novembro 1999, pp. 15-19.

ROSENBERG, Gerald N. The hollow hope: can courts bring about social change. 2 ed. Chicago, IL: The University of Chicago Press, 2007.

SANTOS, Carlos Victor Nascimento dos; e SILVA, Gabriel Borges. Entre a academia e os tribunais: a construção social do direito constitucional brasileiro.

SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo, 9º edição, São Paulo: Malheiros Editores, 1994.

SILVA, Virgílio Afonso da; e WANG, Daniel Wei Liang. Quem sou eu para discordar de um ministro do STF? O ensino do Direito entre argumento de autoridade e livre debate de ideias. In Revista Direito GV 11, 6 (1), jan-jun/2010, p. 95 – 118.

SCHEINGOLD, Stuart A. The politics of rights: lawyers, public policy, and political change. 2 ed. Ann Arbor: University of Michigan Press, 2004.




DOI: https://doi.org/10.22409/conflu20i3.p578

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Confluências | Revista Interdisciplinar de Sociologia e Direito



/A Revista Confluências é Qualis B1.

Esta revista encontra-se indexada em:

Resultado de imagem para bielefeld base