O DIREITO À REPARAÇÃO NO CASO DE ACIDENTES DE TRABALHO EM PORTUGAL.../ THE RIGHT TO COMPENSATION ON OCCUPATIONAL ACCIDENTS IN PORTUGAL.../ EL DERECHO A LA INDEMNIZACIÓN POR ACCIDENTES DE TRABAJO EN PORTUGAL...

Teresa Maneca Lima

Resumo


O DIREITO À REPARAÇÃO NO CASO DE ACIDENTES DE TRABALHO EM PORTUGAL: ENTRE UMA CONCEÇÃO LEGAL E UMA ANÁLISE JURISPRUDENCIAL

Resumo: Os acidentes de trabalho, fenómeno traumático e incapacitante, são marcados por uma diversidade de conceções. Do ponto de vista sociológico, o acidente personifica a degradação das condições laborais e constitui-se como condição sine qua non para o reforço do direito à reparação. Em termos jurídicos, o conceito de acidente é, no contexto português, limitado pela definição dos pressupostos legais da sua qualificação e pela redução das suas consequências às dimensões físicas e económicas.O conhecimento das experiências individuais de acidente de trabalho demonstra que a reparação segue em contramão dos princípios da dignidade e do reconhecimento do valor da vida. Através da análise da jurisprudência portuguesa, este artigo pretende contribuir para a construção de pontes analíticas entre os conceitos sociológicos e jurídicos de acidente de trabalho. Para tal é fundamental compreender como a atuação dos tribunais pode contribuir para ultrapassar a “zona cinzenta” entre o direito à reparação e a dignidade do trabalhador.


THE RIGHT TO COMPENSATION ON OCCUPATIONAL ACCIDENTS IN PORTUGAL: FROM A LEGAL CONCEPT TO A JURISPRUDENTIAL ANALYSIS

Abstract: Occupational accidents, as a traumatic and disabling phenomenon, are marked by a diversity of concepts. From a sociological point of view, an accident personifies the degradation of working conditions and constitutes a sine qua non condition for strengthening the right to compensation. In legal terms, the concept of occupational accident is, in the Portuguese context, restricted to the legal assumptions of its qualification and the consequences are reduced to the physical and economic dimensions. The knowledge of the individual experiences of workers’ victims of occupational accidents demonstrates that compensation goes against the principles of dignity and recognition of the value of life. Through the analysis of Portuguese jurisprudence, this article intents to contribute to the construction of analytical bridges between the sociological and legal concepts of occupational accidents. To this end, it is essential to understand how the performance of the courts can contribute to overcoming the “gray area” between the right to compensation and the workers dignity.

 

EL DERECHO A LA INDEMNIZACIÓN POR ACCIDENTES DE TRABAJO EN PORTUGAL: DE UN CONCEPTO JURÍDICO A UN ANÁLISIS JURISPRUDENCIAL

Resumen: Los accidentes laborales, como fenómeno traumático e incapacitante, están marcados por una diversidad de conceptos. Desde el punto de vista sociológico, un accidente personifica la degradación de las condiciones de trabajo y constituye una condición sine qua non para reforzar el derecho a la indemnización. En términos jurídicos, el concepto de accidente de trabajo se limita, en el contexto portugués, a los supuestos jurídicos de su calificación y las consecuencias se reducen a las dimensiones físicas y económicas. El conocimiento de las experiencias individuales de los trabajadores víctimas de accidentes laborales demuestra que la indemnización va en contra de los principios de dignidad y reconocimiento del valor de la vida. A través del análisis de la jurisprudencia portuguesa, este artículo pretende contribuir a la construcción de puentes analíticos entre los conceptos sociológicos y jurídicos de los accidentes de trabajo. Para ello, es esencial comprender cómo la actuación de los tribunales puede contribuir a superar la "zona gris" entre el derecho a la indemnización y la dignidad de los trabajadores.



Palavras-chave


Acidentes de trabalho; Reparação; Jurisprudência; Dignidade./ Keywords: Occupational accidents; Compensation; Jurisprudence; Dignity./ Palabras clave: Accidentes de trabajo; Indemnización; Jurisprudencia; Dignidad.

Texto completo:

PORTUGUÊS

Referências


ALEGRE, Carlos. Acidentes de trabalho e doenças profissionais. Regime Jurídico anotado. Coimbra: Almedina, 2011.

AREOSA, João. Acidentes de trabalho e a sua estreita relação com o capitalismo. Segurança, n.º 224, p. 16-20, 2015.

AREOSA, João. O lado obscuro dos acidentes de trabalho. Um estudo de caso no setor ferroviário. Vila Nova de Famalicão: Húmus, 2012.

AREOSA, João. Risco e análise dos riscos: contributos para a sua conceptualização. SHO2008, Colóquio Internacional de Segurança e Higiene Ocupacionais, p. 39-65, 2008.

AREOSA, João; DWYER, Tom. Os acidentes de trabalho: uma abordagem sociológica. Configurações, n.º 7, p. 107-128, 2010.

BAUMAN, Zygmunt. Vidas desperdiçadas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 2005.

CARDOSO, José Luís; ROCHA, Maria Manuela. The compulsory social insurance system in Portugal (1919-1928): scope and significance of State intervention. XXVII Encontro da Associação Portuguesa de História Económica e Social. Lisboa, 2007.

CARDOSO, Maria Beatriz. O conceito de acidente de trabalho. Conexão com a relação laboral. Revista Portuguesa do Dano Corporal, n.º 26, p. 39-88, 2015.

DEMBE, Allard. Social inequalities in occupational health and health care for work-related injuries and illnesses. International Journal of Law and Psychiatry, n.º 5-6, vol. 22, p. 567-579, 1999.

DEMBE, Allard.The social consequences of occupational injuries and illness. American Journal of Industrial Medicine, n.º 40, p. 403-417, 2001.

DEMBE, Allard; ERICKSON, J. Bianca; DELBOS, Rachel. Preditors of work-related injuries and illnesses: National survey findings. Journal of Occupational and Environmental Hygiene, n.º 8, vol. 1, p. 542-550, 2004.

DOMINGOS, Maria Adelaide. A prova pericial no âmbito dos acidentes de trabalho, Revista do CEJ, III-IV, p. 269-289, 2007.

DWYER, Tom. Vida e morte no trabalho: acidentes do trabalho e a produção social do erro. Rio de Janeiro: Mutilação Editorial, 2006.

DWYER, Tom. Acidentes de trabalho: em busca de uma nova abordagem. Revista de Administração de empresas, n.º 29, p. 19-32, 1989.

DWYER, Tom. Life and death at work. Industrial accidents as a case of socially produced error. New York: Plenum Press, 1991.

DWYER, Tom. Novas fronteiras nos estudos do trabalho. Atas do Encontro Anual da ANPOCS, Petrópolis, p. 1-14, 2000.

EUROPEAN COMMISSION. Health and safety at work in Europe (1999-2007). A satistical portrait. Luxembourg: Publications Office of the European Union, 2010.

EVANGELINOS, Pedro; MARCHETTI, Ermano. Legislação de segurança e medicina do trabalho. São Paulo: FIESP/CIESP, 2003.

FERREIRA, Liliana Martins. O conceito de acidente de trabalho e a sua análise jurisprudencial. Dissertação de Mestrado em Direito Judiciário. Universidade do Minho, 2018. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/60773.

GOMES, Júlio. O acidente de trabalho. O acidente in itinere e a sua descaracterização. Coimbra: Coimbra Editora, 2013.

GONÇALVES, Susana Lourenço. Responsabilidade civil pelos danos decorrentes de acidentes de trabalho. Tese de Mestrado em Direito dos Contratos e Empresas, Universidade do Minho, 2013. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/24036.

HOCQUET-BERG, Sophie. Le nouveau régime d’indemnisation des victimes d’un accident du travail en cas de faute inexcusable de l’employeur. Droit Social, n.º 9, p. 839-850, 2012.

HOLLNAGEL, Erik. Barriers and accident prevention. Hampshire: Ashgate, 2004.

ILO – International Labour Organization. As regras do jogo – Uma breve introdução às normas internacionais do Trabalho. Geneva: International Labour Office, 2005.

ILO – International Labour Organization. Decent work, Report of the Director-General. Geneva: International Labour Conference, 1999.

LAMIM, Paula Soraia Pinto. Acidentes de trabalho: delimitação do conceito e impulso processual. Dissertação de Mestrado em Direito das Empresas. Lisboa: ISCTE-IUL, 2015. Disponível em: http://hdl.handle.net/10071/10842 2015.

LEMOS, Maria Gonçalves. Descaracterização dos acidentes de trabalho. Tese de Mestrado em Ciências Jurídicas Empresariais. Universidade Nova de Lisboa, 2011. Disponível em: http://run.unl.pt/bitstrem/10362/6903/1/Lemos 2011.PDF.

LIMA, Teresa Maneca. O que a lei não vê e o trabalhador sente. O modelo de reparação dos acidentes de trabalho em Portugal. Dissertação de Doutoramento em Direito, Justiça e Cidadania no Século XXI. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2016. Disponível em: http://hdl.handle.net/10316/29355.

NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Segurança e medicina no trabalho. Curso de direito do trabalho. São Paulo: LTr, 2001.

NEBOT, Michel. Abordagem dos fatores humanos na prevenção dos riscos do trabalho. In: ALMEIDA, Ildebert. Caminho da análise e acidentes de trabalho. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego, 2003.

NETO, Hernâni Veloso. Segurança e saúde no trabalho em Portugal: um lugar na história e a história num ligar. International Journal on Working Conditions, n.º 2, p.71-90, 2011.

RAMALHO, Maria do Rosário Palma. Direito do trabalho, Parte II – Situações laborais individuais. Coimbra: Almedina, 2010.

RÄSÄNEN, Tuula. Management of occupational safety and health information in Finnish production companies. Doctoral Thesis. Tampere University of Techology, 2007. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/33692067_Management_of_occupational_safety_and_health_information_in_Finnish_production_companies.

REIS, Viriato. Acidentes de trabalho. Coimbra: Almedina, 2009.

RIKHARDSSON, Paul. Accounting for the cost of occupational accidents. Corporate Social Responsability and Environmental Management, n.º 11, vol. 2, p. 63-70, 2004.

SANTOS, Boaventura de Sousa; GOMES, Conceição; RIBEIRO, Tiago. Os acidentes de trabalho nos tribunais portugueses. In: NETO, Hernani, V.; AREOSA, João; AREZES, Pedro (ed.) Impacto social dos acidentes de trabalho. Vila do Conde: Civeri Publishing, p. 228-264, 2012.

XAVIER, Bernardo G. Lobo. Manual de direito do trabalho. Lisboa: Verbo, 2011.




DOI: https://doi.org/10.22409/rcj.v0i0.45752

Apontamentos

  • Não há apontamentos.