Representações sociais da AIDS para estudantes de Psicologia

Noêmia Soares Barbosa Leal, Angela Elizabeth Lapa Coêlho

Resumo


A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids) configura-se como fenômeno social que ultrapassa o conceito de doença, constituindo-se em estigma para aquele que tem o diagnóstico. É um problema de saúde pública que afeta faixas etárias, classes socioeconômicas e sociedades indistintamente, a Aids constitui temática de estudo e investigação inesgotável. Esta pesquisa apoia-se na teoria das Representações Sociais e tem como objetivo analisar as representações da Aids, de saúde e de doença para 20 estudantes de Psicologia. A análise dos dados se deu por meio da análise de conteúdo, e os resultados apontaram que o conhecimento sobre a Aids nem sempre resulta em comportamentos mais seguros; as representações revelaram preconceito e estereotipias, identificando a Aids como a doença do outro e se fazendo presentes no imaginário social, dificultando a convivência social com as pessoas com HIV/ Aids. Estes resultados sugerem uma reflexão sobre as campanhas educativas e preventivas.


Palavras-chave


representações sociais; AIDS; saúde

Texto completo:

PDF

Referências


AYRES, J. R. C. M. Práticas educativas e prevenção de HIV/Aids: lições aprendidas e desafios atuais. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, [S.l.], v. 6, n. 11, p. 11-24, ago. 2002.

AYRES, J. C. R. M. et al. O conceito de vulnerabilidade e as práticas de saúde: novas perspectivas e desafios. In: CZERESNIA, D.; FREITAS, C. M. de. (Org.). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2003. p.117-139.

BARBARÁ, A. et al. Contribuições das representações sociais ao estudo da AIDS. Interação em Psicologia, Curitiba, v. 9, n. 2, p. 331-339, 2005.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 2002.

BARROS, J. P. P.; COLAÇO, V. de F. R. “Meu prazer agora é risco”: sentidos sobre sexualidade entre jovens de um grupo sobre saúde. Fractal: Revista de Psicologia, Niterói, v. 25, n. 1, p. 59-80, jan./abr. 2013.

BRASIL. Ministério Público. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 196/96: Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisas Envolvendo Seres Humanos. 1996. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2012.

BUSS, P. M. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciência & Saúde Coletiva, [S.l.], v. 5, n. 1, p. 163-177, 2000.

CASTANHA, A. R. et al. Aspectos psicossociais da vivência da soropositividade da HIV nos dias atuais. PSICO, Porto Alegre, v. 37, n. 1, p. 47-56, 2006.

COLUSSI, C. B. As representações sociais de saúde e doença para crianças de uma escola em Campo Grande/MS. 2009. Dissertação (Mestrado em Psicologia)__Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, 2009.

DICLEMENTE, R. J.; ZORN, J; TEMOSHOK, L. Adolescents and AIDS: a survey of knowledge, attitudes and beliefs about AIDS in San Francisco. American Journal of Public Health, [S.l.], v. 76, n. 12, p. 1443-1445, 1986.

FELICIANO, K. V. de O. Prevenção da AIDS entre os jovens: significados das práticas e os desafios à técnica. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, [S.l.], v. 5, n. 4, p. 429-438, 2005.

GARCIA, S. Homens na Intimidade: masculinidades contemporâneas. Ribeirão Preto, SP: Holos, 2006.

GARCIA, S.; SOUZA, F. M. de. Vulnerabilidades ao HIV/Aids no Contexto Brasileiro: iniquidades de gênero, raça e geração. Saúde Sociedade, São Paulo, v. 19, supl. 2, p. 9-20, 2010.

GRAZZINELLI, M. F. et al. Educação em saúde: conhecimentos, representações sociais e experiências da doença. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 200-206, 2005.

GUERRIERO, I. et al. Masculinidade e vulnerabilidade ao HIV de homens heterossexuais, São Paulo, SP. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 36, n. 4 supl., p. 50-60, ago. 2002.

LEBRÃO, M. L. Estudos de morbidade. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1997.

LEPRI, P. M. F. Aspectos psicológicos do adolescer com HIV/Aids: estudo de caso. Dissertação (Mestrado)__Faculdade de Ciências e Letras de Assis, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Assis, 2007. Disponível em: Acesso em: 12 jul. 2011.

LIMA, A. C. G. G. de O. D. de. As Representações Sociais de saúde e doença para os portadores de diabetes melito que procuram o serviço de diagnóstico e prevenção da retinopatia diabética. 2005. Dissertação (Mestrado em Psicologia)__Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, 2005.

MANN, J. et al. Aids in the World: a global report. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1992.

MOSCOVICI, S. A Representação Social da Psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar; 1978.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. 6. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

OLTRAMARI, L. C. Um Esboço sobre as Representações Sociais da AIDS nos Estudos Produzidos no Brasil. Caderno de pesquisa interdisciplinar em ciências humanas, [S.l.], n. 45, p. 1-17, 2003.

OWENS, S. Attitudes toward and knowledge of AIDS among social work students. Health and Social Work, [S.l.], v. 20, n. 2, p. 110-121,1995.

PAIVA, V. et al. Jovens e adolescentes em tempos de AIDS: reflexões sobre uma década de trabalho de prevenção. Psicologia USP, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 55-78, 2002.

PIMENTEL, P. L. B.; SILVA, J.; SALDANHA, A. A. W. Uso do preservativo e vulnerabilidade à AIDS em adolescentes: implicações para a interiorização da epidemia na Paraíba. In: HIV/AIDS VIRTUAL CONGRESS, 10., 2010, Lisboa. VIH/SIDA em países de língua portuguesa.

RUZANY, M. H.; MEIRELLES, Z. V. Tráfico de drogas, masculinidade, relação de gênero e risco de DST/AIDS. Adolescência e Saúde, [S.l.], v. 6, n. 1, p. 9-14, 2009.

SALDANHA et al. Representações sobre a Aids na velhice por coordenadores de grupos da terceira idade. Psico-USF, [S.l.], v. 13, n. 1, p. 95-103, 2008a.

SALDANHA et al. Comportamento sexual e vulnerabilidade à Aids: um estudo descrito com perspectiva de práticas de prevenção. DST – Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis, [S.l.], v. 20, n. 1, p. 36-44, 2008b.

SILVA, C. M.; VARGENS, O. M. C. A percepção de mulheres quanto à vulnerabilidade feminina para contrair DST/HIV. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 43, n. 2, p. 401-406, 2009.

SILVEIRA, M. F. et al. Autopercepção de vulnerabilidade às doenças sexualmente transmissíveis e Aids em mulheres. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 36, n. 6, p. 670-677, 2002.

SOUSA, M. C. P.; ESPIRITO SANTO, A. C. G.; MOTTA, S. K. A. Gênero, vulnerabilidade das mulheres ao HIV/Aids e ações de prevenção em bairro da periferia de Teresina, Piauí, Brasil. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 58-68, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: