Cidades Socioeducativas: Nietzsche e a questão da responsabilidade

Édio Raniere

Resumo


As Medidas Socioeducativas vêm à tona a partir de 1990 com a promulgação da Lei 8.069. Uma das teses mais aceitas, contemporaneamente, é a de que os preceitos base do Código de Menores cederam espaço aos da garantia de direitos. Já que direitos previstos a mais de um século para população adulta brasileira são conquistados, apenas com o advento do Estatuto da Criança e do Adolescente, pelos adolescentes. Ao serem ampliados a esta população tais direitos trazem consigo um conceito que se torna central em todos os debates sobre infração juvenil: responsabilidade. Numa tentativa de compreender em que medida a responsabilidade abre condições de possibilidade para invenção de territórios geográficos e existenciais – verdadeiras cidades socioeducativas – toma-se como referência a obra de Friedrich Nietzsche. O artigo utiliza o ensaio como estratégia metodológica.


Palavras-chave


Medidas Socioeducativas; Responsabilidade; Nietzsche

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 6.697, de 10 de outubro de 1979. Institui o Código de Menores. Revogada pela Lei nº 8.069, de 1990. 1979. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2014.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. 1990. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2014.

BRASIL. Congresso Nacional. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei 1.627/2007. Dispõe sobre os sistemas de atendimento socioeducativo, regulamenta a execução das medidas destinadas ao adolescente, em razão de ato infracional, altera dispositivos da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, que dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, e dá outras providências. 2007. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2014.

BRASIL. Ministério da Justiça e Cidadania. Secretaria Especial de Direitos Humanos. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente. Levantamento Nacional: atendimento socioeducativo ao adolescente em conflito com a lei. Brasília: Secretaria Especial de Direitos Humanos, 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2014.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 12.594, de 18 de janeiro de 2012. Institui o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase), regulamenta a execução das medidas socioeducativas destinadas a adolescente que pratique ato infracional; e altera as Leis nos 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente); 7.560, de 19 de dezembro de 1986, 7.998, de 11 de janeiro de 1990, 5.537, de 21 de novembro de 1968, 8.315, de 23 de dezembro de 1991, 8.706, de 14 de setembro de 1993, os Decretos-Leis nos 4.048, de 22 de janeiro de 1942, 8.621, de 10 de janeiro de 1946, e a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943. 2012. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2014.

CILLERO BRUÑOL, M. A responsabilidade penal do adolescente e o interesse superior da criança. Revista Brasileira Adolescência e Conflitualidade, [online], n. 9, p. 1-9, 2013.

COSTA, A. C. G. Fundamentos teóricos e metodológicos da pedagogia social no Brasil. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE PEDAGOGIA SOCIAL, 1., 2006, São Paulo. Anais eletrônicos... São Paulo: Universidade de São Paulo, 2006. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2014.

DELEUZE, G. Nietzsche e a Filosofia. Tradução de Edmundo Fernandes Dias e Ruth Joffily Dias. Rio de Janeiro: Rio, 1976.

FOUCAULT, M. A verdade e as formas jurídicas. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: NAU, 2005.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

FRASSETTO, F. et al. Gênese e desdobramentos da lei 12594/2012: reflexos na ação socioeducativa. Revista Brasileira Adolescência e Conflitualidade, [online], n. 6, p. 19-72, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2014.

GARCÍA MÉNDEZ, E. Infancia. De los derechos y de la justicia. Buenos Aires: Editores del Puerto, 1998.

GARCÍA MÉNDEZ, E. A Dimensão Política da Responsabilidade Penal dos Adolescentes na América Latina: notas para a construção de uma modesta utopia. Revista Educação e Realidade, [online], v 33, n. 2, p. 15-36, jul./dez. 2008.

GIACOIA JUNIOR, O. Nietzsche: entre o servo e o livre arbítrio. In: MARTINS, A. (Org.). O mais potente dos afetos: Spinoza e Nietzsche. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009.

GIACOIA JUNIOR, O. Nietzsche x Kant: uma disputa permanente a respeito de liberdade, autonomia e dever. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2012.

MARTON, S. Nietzsche: das forças cósmicas aos valores humanos. São Paulo: Brasiliense, 1990.

MARTON, S. Nietzsche, pensador da suspeita. Curso livre de humanidades, [online], n 27, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2013.

NIETZSCHE, F. Ecce Homo: como alguém se torna o que é (1888). Tradução de Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

NIETZSCHE, F. Nietzsche contra Wagner: dossiê de um psicólogo (1888). Tradução de Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1999a.

NIETZSCHE, F. O Caso Wagner: um problema para músicos (1888). Tradução de Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1999b.

NIETZSCHE, F. O Anticristo (1888). Tradução de Prietro Nasseti. São Paulo: Martin Claret, 2003.

NIETZSCHE, F. Humano, demasiado humano: um livro para espírito livres (1886). Tradução de Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2005a.

NIETZSCHE, F. Além do Bem e do Mal: prelúdio de uma filosofia do porvir. (1886). Tradução de Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2005b.

NIETZSCHE, F. Crepúsculo dos ídolos ou como se filosofa com o martelo (1888). Tradução de Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

NIETZSCHE, F. Genealogia da Moral: uma polêmica (1887). Tradução de Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2009a.

NIETZSCHE, F. Escritos sobre Direito. Tradução e organização de Noéli Correia de Melo Sobrinho. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2009b.

NIETZSCHE, F. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém (1883). São Paulo. Tradução de Paulo Cesar de Souza. Companhia das Letras, 2011.

NIETZSCHE, F. A Gaia Ciência (1882-1887). Tradução de Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: