Experiências vividas pelo cônjuge cuidador da esposa em tratamento psiquiátrico

Autores

  • Eraldo Carlos Batista Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS Faculdade Católica de Rondônia, Porto Velho, RO https://orcid.org/0000-0002-7118-5888

DOI:

https://doi.org/10.22409/1984-0292/v32i1/5646

Palavras-chave:

cuidador familiar, sofrimento psíquico, saúde mental.

Resumo

O objetivo deste estudo foi compreender as experiências vividas pelo homem cuidador familiar da esposa em tratamento psiquiátrico. Como método utilizou-se uma abordagem qualitativa do tipo descritivo-exploratório de orientação fenomenológica. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com seis cônjuges cuidadores do sexo masculino da região da Zona da Mata do Estado de Rondônia. Nos discursos dos participantes, puderam-se perceber as dificuldades encontradas no seu cotidiano, como: a preocupação em suprir as necessidades básicas da família; a coordenação das atividades domésticas diárias; a administração da medicação à esposa em sofrimento; o acompanhamento aos serviços de saúde; e a convivência com os comportamentos problemáticos e episódios de crise da esposa. Foi possível, ainda, observar que o papel de cuidador tem gerado sobrecarga física e emocional no cônjuge, levando-o a um estado de sentimento de culpa pelo agravamento da doença da esposa e, consequentemente, ao seu adoecimento mental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eraldo Carlos Batista, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS Faculdade Católica de Rondônia, Porto Velho, RO

Possui Graduação em Psicologia (Faculdade de Rolim de Moura - FAROL, 2013), Especialização em Metodologia e Didática do Ensino Superior (Faculdade de Rolim de Moura - FAROL, 2013) e Saúde Mental (Universidade Católica Dom Bosco - UCDB, Campo Grande - MS), Mestrado em Psicologia (Universidade Federal de Rondônia - UNIR), Doutorado em Psicologia Social (Pontifícia Universidade Católica - PUCRS/Faculdade Católica de Rondônia - FCR). Tem interesse em Psicologia Social e Saúde Mental.

Referências

ARRUDA, Sérgio Luiz Saboya; LIMA, Manuela Caroline Ferreira. O novo lugar do pai como cuidador da criança. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, v. 4, n. 2, p. 201-216, 2013. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/eip/v4n2/a06.pdf. Acesso em: 19 set. 2019.

BATISTA, Cynthia Mara Felicio et al. Sobrecarga de familiares de pacientes psiquiátricos: influência do gênero do cuidador. Cadernos Saúde Coletiva, v. 21, n. 4, p. 359-369, 2013. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-462X2013000400002

BORIS, Georges Daniel Janja Bloc. Falas de homens: a construção da subjetividade masculina. 2. ed. São Paulo: Annablume, 2011.

CAMPOS, Pedro Humberto Faria; SOARES, Carlene Borges. Representação da sobrecarga familiar e adesão aos serviços alternativos em saúde mental. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 11, n. 18, p. 219-237, dez. 2005. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-11682005000200006&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 21 set. 2015.

CARDOSO, Lucilene; GALERA, Sueli Aparecida Frari; VIEIRA, Mariana Verderoce. O cuidador e a sobrecarga do cuidado à saúde de pacientes egressos de internação psiquiátrica. Acta Paul. Enferm., v. 25, n. 4, p. 517-523, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v25n4/en_06.pdf. Acesso em: 12 out. 2013.

CATTANI, Roceli Brum; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira. Cuidar do idoso doente no domicílio na voz de cuidadores familiares. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 6, n. 2, p. 254-271, 2004. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/revista6_2/pdf/Orig11_idoso.pdf. Acesso em: 22 jan. 2016.

DIAS, Elenise Aparecida. Sobrecarga vivenciada por familiares cuidadores de pacientes esquizofrênicos e sua relação com a depressão. 2011. 168 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Mental) – Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2011.

DOURADO, Denise Martins et al.; Ansiedade e depressão em cuidador familiar de pessoa com transtorno mental. ECOS-Estudos Contemporâneos da Subjetividade, v. 8, n. 1, p. 153-167, 2018. Disponível em: http://www.periodicoshumanas.uff.br/ecos/article/view /2377. Acesso em: 17 set. 2019.

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GOMES, Maria Lovâni Pereira; SILVA, José Carlos Barboza da; BATISTA, Eraldo Carlos. Escutando quem cuida: quando o cuidado afeta a saúde do cuidador em saúde mental. Revista Psicologia e Saúde, v. 10, n. 1, p. 3-7, 2018. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpsaude/v10n1/v10n1a01.pdf. Acesso em: 17 set. 2019.

LACCHINI, Annie Jeanninne Bisso. A família que cuida do indivíduo em sofrimento psíquico: um estudo fenomenológico. 2011. 103 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Universidade de Santa Maria, Santa Maria, 2011. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/handle/1/7340. Acesso em: 21 set. 2015.

LISBOA, Aline Vilhena; FÉRES-CARNEIRO Terezinha ...Até que a doença nos separe? A conjugalidade e o adoecer somático. Psico, v. 39, n. 1, p. 83-90, jan./mar. 2008. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5161445. Acesso em: 29 abr. 2016.

MACIEL, Silvana Carneiro et al. Reforma psiquiátrica e inclusão social: um estudo com familiares de doentes mentais. Psicologia: ciência e profissão, Brasília, v. 29, n. 3, p. 436-447, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932009000300002

MELMAN, Jonas. Família e doença mental: repensando a relação entre profissionais saúde e de seus familiares. São Paulo: Escrituras, 2001.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

MOREIRA, Daniel Augusto. O Método fenomenológico na pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

NORGREN, Maria de Betânia Paes et al. Satisfação conjugal em casamentos de longa duração: uma construção possível. Estudos de Psicologia, Natal, v. 9, n. 3, p. 575-584, 2004. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2004000300020

OLIVEIRA, Adriane Maria Netto de; LUNARDI, Valéria Lerch; SILVA, Mara Regina Santos da. Repensando o modo de cuidar do ser portador de doença mental e sua família a partir de Heidegger. Cogitare Enferm, v. 10, n. 1, p. 9-15, 2005. Disponível em: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/cogitare/article/viewFile/4661/3617. Acesso em: 27 abr. 2015.

ROSA, Lúcia Cristina dos Santos. Transtorno mental e o cuidado na família. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

SANDERS, Patricia B. Phenomenology: a new way of viewing organizational research. Academy of Management Review, v. 7, n. 3, p. 353-360, 1982. https://doi.org/10.5465/amr.1982.4285315

SANT’ANA, Marília Mazzuco et al . O significado de ser familiar cuidador do portador de transtorno mental. Texto & contexto - Enfermagem, Florianópolis, v. 20, n. 1, p. 50-58, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072011000100006

SEVERO, Ana Kalliny de Souza et al. A experiência de familiares no cuidado em saúde mental. Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 59, n. 2, 2007. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/arbp/v59n2/v59n2a05.pdf. Acesso em: 6 out. 2015.

SILVA, Victor Hugo Farias da; DIMENSTEIN, Magda; LEITE, Jáder Ferreira. O cuidado em saúde mental em zonas rurais. Mental, v. 10, n. 19, p. 267-285, 2013. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=42028699008. Acesso em: 21 jan. 2016.

ZANELLO, Valeska. A saúde mental sob o viés do gênero: uma releitura gendrada da epidemiologia, da semiologia e da interpretação diagnóstica. In: ZANELLO, Valeska; ANDRADE, Ana Paula Muller de (Org.). Saúde mental e gênero: diálogo, práticas e interdisciplinaridade. Curitiba: Appris, 2014. p. 41-58.

Downloads

Publicado

2020-02-29

Como Citar

Batista, E. C. (2020). Experiências vividas pelo cônjuge cuidador da esposa em tratamento psiquiátrico. Fractal: Revista De Psicologia, 32(1), 31-39. https://doi.org/10.22409/1984-0292/v32i1/5646

Edição

Seção

Artigos