Psicopatologia na contemporaneidade: análise comparativa entre o DSM-IV e o DSM-V

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/1984-0292/v32i1/5674

Palavras-chave:

DSM, medicalização, psicodiagnóstico, psicopatologia, sofrimento psíquico

Resumo

O DSM (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders) é um sistema diagnóstico e estatístico de classificação dos transtornos mentais, segundo o modelo categorial, destinado à prática clínica e à pesquisa em psiquiatria elaborado pela APA (American Psychiatric Association). Esse manual é constantemente revisado e reeditado no intuito de atualizar suas classificações psicodiagnósticas. Nesse sentido, o presente artigo objetivou efetuar uma análise comparativa entre as classes e as categorias diagnósticas dos quadros clínicos referentes às perturbações de ansiedade, às alterações do humor e às perturbações relativas à infância e adolescência vigentes no DSM-IV e no DSM-V, de modo a mapear quais entidades clínicas foram incluídas, excluídas ou fundidas, formando novas classes e categorias diagnósticas na versão mais atualizada do manual. A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica e documental de caráter qualitativo, por meio de um estudo descritivo e de uma análise de dados de cunho comparativo. Os resultados referentes à comparação das classes e categorias diagnósticas apontam significativos acréscimos nos três eixos analisados que abrem as portas para se debater as consequências da patologização e medicalização de condições próprias do humano, como a TPM, a tristeza, os comportamentos enérgicos das crianças e os rebeldes dos adolescentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Simões Ribeiro, Universidade do Estado de Minas Gerais, Divinópolis, MG

Psicanalista, graduado em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1993), com Mestrado (finalizado em 1997) e Doutorado (concluído em 2002), ambos na linha de pesquisa dedicada à Filosofia e Teoria Psicanalítica (UFMG). Dedica suas pesquisas, a partir de Freud e Lacan, à Psicanálise na Contemporaneidade e ao campo da Saúde Mental Coletiva. Atua como professor universitário desde 1993. Desde 2000, é professor da Fundação Educacional de Divinópolis (FUNEDI), absorvida (estadualizada), a partir do final de 2014 pela Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG). Já atuou e atua em diversas outras Instituições de Ensino Superior (graduação e pós-graduação). Na docência, atua no nível da Graduação (Curso de Psicologia, nas cadeiras relativas à Psicanálise, à Psicopatologia e à Saúde Mental/Saúde Coletiva) e na Pós-Graduação (especialização e também foi docente e coordenador de 2 programas de Mestrado: Mestrado em Educação, Cultura e Organizações Sociais, de 2005 a 2010, e Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional, de 2011 a 2017). No primeiro programa de Mestrado citado atuou mais diretamente na Linha de Pesquisa em Saúde Coletiva. Tem experiência em ensino, pesquisa e extensão nas áreas de Psicopatologia e Saúde Mental, com ênfase em Psicanálise. É coordenador do grupo de pesquisa PESC: Plataforma de Estudo e Pesquisa sobre Subjetividade e Contemporaneidade, em atividade desde 2008 (cadastrado no CNPq). Ao final de 2008, lançou o livro ‘O litoral d’aporia: uma introdução à psicanálise lacaniana’, pela editora Garamond. Ao início de 2009, participou da organização do livro ‘Educação, Cultura e Organizações Sociais: ensaios interdisciplinares’ (pela Editora Crisálida). Em 2019, organizou o livro `Psicanálise e Psicopatologia: olhares contemporâneos`(Editora Blucher). Além destes livros, participa como autor de capítulos em diversos outros livros. É também autor de diversos artigos. Desde 2005 a 2018, foi responsável por funções de gestão acadêmica no âmbito da FUNEDI e no âmbito da UEMG (como Coordenador de Pós-graduação e Coordenador do Curso de Psicologia). Atuou como coordenador do Mestrado em Educação, Cultura e Organizações Sociais e, posteriormente, no Mestrado em Desenvolvimento Regional da FUNEDI/UEMG (conceito3, recomendado pela CAPES). Entre 2017 e 2018 atuou como Coordenador do Núcleo de Extensão da FACED, onde também atuou como docente do Curso de Psicologia. É o idealizador e produtor do Canal Alexandre Simões Psicanalista (www.youtube/c/AlexandreSimoesPsicanalista), dedicado à transmissão de temas e questões relativos à Psicanálise. Desde 1993, atua como psicanalista em consultório particular, realizando atendimento de pacientes e ministrando cursos e palestras na área. É sócio-proprietário da ‘Clínica de Psicanálise e Saúde Mental LTDA’.

Gesianni Amaral Gonçalves, Universidade do Estado de Minas Gerais, Divinópolis, MG

Doutora na área de concentração de Estudos Psicanalíticos, na linha de pesquisa Conceitos Fundamentais em Psicanálise e Investigações no Campo Clínico e Cultura pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), possui mestrado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, especialização em Arte - Educação pela Universidade Estadual de Minas Gerais, atualização em teoria Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atualização em Normalização Bibliográfica pela Universidade Federal de Minas Gerais, graduação em Psicologia pela Universidade Estadual de Minas Gerais. Docente da Universidade do Estado de Minas Gerais/UEMG (Unidade Divinópolis), atuando no curso de Graduação em Psicologia no qual leciona disciplinas como: Psicologia Hospitalar, Psicologia e Atenção em Saúde, História da Saúde, Psicossomática, Psicoterapia Breve, Atendimento Psicológico Emergencial entre outras. Pesquisadora, orientadora de Trabalho de Conclusão de Curso e supervisora de estágio curricular em Psicologia na área da saúde. Líder do grupo de pesquisa ?Plataforma de Estudo e Pesquisa da Subjetividade na Contemporaneidade-PESC? CNPQ-UEMG. Coordenadora do curso de Pós-graduação Lato Sensu especialização em Psicanálise e Saúde Mental (desde 2016), docente nos cursos de especialização em Psicanálise e Saúde Mental e especialização em Psicologia do Trânsito. Membro da Comissão Científica de Avaliação de Projetos de Pesquisa e Extensão da UEMG (desde 2015). Atuou como docente na FACED/Divinópolis e na UNA/Divinópolis no curso de Psicologia, compondo o Núcleo Docente Estruturante, atuou como docente na Faculdade Pitágoras/Divinópolis e na PUC Minas/Arcos. Possui experiência em ensino, pesquisa e extensão nas áreas de Psicologia e Saúde Mental, atuando especialmente nos seguintes temas: psicologia da saúde, psicologia clínica e psicologia hospitalar. Atuante nos Grupos de Pesquisa: Subjetividade e Transdisciplinaridade (PUC Minas) e Plataforma de Estudo e Pesquisa da Subjetividade e Contemporaneidade-PESC (UEMG). Campo de pesquisa atual: psicopatologia, sintomas, corporeidade e psicologia da saúde. Experiência profissional em Psicologia Clínica com atendimento individual de adultos, crianças, adolescentes, atendimento familiar e de casal na Clínica de Psicanálise e Saúde Mental, onde realiza também o acolhimento e atendimento psicológico de discentes da UFSJ/Divinópolis (via convênio). Áreas de atuação: psicanálise, psicologia clínica, psicologia da saúde, psicologia hospitalar.

Elizabeth Fátima Teodoro, Universidade do Estado de Minas Gerais, Divinópolis, MG Universidade Federal de São João del-Rei, Minas Gerais, MG

Psicóloga graduada pela Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG / Divinópolis. Enfermeira graduada pelo Centro Universitário de Formiga - Unifor/MG. Pós-graduada em Gestão em Saúde Mental pela Universidade Cândido Mendes. Mestranda em Psicologia, na linha de pesquisa Fundamentos teóricos e filosóficos da Psicologia, pela Universidade Federal de São João del-Rei - UFSJ.

Suelen Aparecida Batista, Universidade do Estado de Minas Gerais, Divinópolis, MG

Graduada em Sistemas de Informação pela Fundação Educacional de Oliveira (2006). Pós graduada em Administração de Redes Linux pela Universidade Federal de Lavras - UFLA (2013) . Experiência com Sistemas de Informação, nas áreas operacional, técnica, educacional e de gestão. Atuação como técnica em informática e como assessora de informática na Prefeitura Municipal de Oliveira/MG. Atuação como técnica de implantação, treinamentos, parametrização de sistemas, pela empresa Governança Brasil SA. Atuação como professora em cursos técnicos de informática pelo IFMG e no curso de Sistemas de Informação na Fundação Educacional de Oliveira - FEOL. Atuação como supervisora das turmas de curso técnico em Informática pelo PRONATEC - IFMG/Bambuí - UR: Oliveira/MG - 2013 a 2015. Aluna matriculada no 5º período do curso de graduação em Psicologia pela UEMG - Unidade Divinópolis/MG. Atualmente professora no curso de Sistemas de Informação pela Fundação Educacional de Oliveira / MG.

Pedro Henrique Estevão Ferreira, Universidade do Estado de Minas Gerais, Divinópolis, MG

Possui graduação em Psicologia pela Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG, Unidade Divinópolis (2018). Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Escolar e Psicologia Clínica.

Referências

AGUIAR, Adriano Amaral. A psiquiatria no divã: entre as ciências da vida e a medicalização da existência. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004.

ALBERTI, Sônia; FIGUEIREDO, Ana Cristina. (Org.). Psicanálise e saúde mental: uma aposta. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2006.

ÁLVAREZ, José Maria; ESTEBAN, Ramón; SAVAGNAT, François. Fundamentos de psicopatologia psicoanalítica. Madri: Sintesis, 2004.

AMARANTE, Paulo Duarte de Carvalho. O paradigma psiquiátrico. In: ______. O homem e a serpente: outras histórias para a loucura e a psiquiatria. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1996. p. 37-64

BERCHERIE, Paul. Os fundamentos da clínica: história e estrutura do saber psiquiátrico. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1989.

BERRIOS, German E. Classificações em psiquiatria: uma história conceitual. Rev. Psiq. Clín., v. 35, n. 3, p. 113-127, 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-60832008000300005

BEZERRA JÚNIOR, Benilton. É preciso repensar o horizonte da reforma psiquiátrica. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n. 12, p. 4590-4602, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011001300007

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Prescrição e consumo de metilfenidato no Brasil: identificando riscos para o monitoramento e controle sanitário. Boletim de Farmacoepidemiologia do Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC), v. 2, n. 2, jul./dez. 2012. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/sngpc/boletins/2012/boletim_sngpc_2_2012_corrigido_2.pdf. Acesso em: 27 nov. 2019.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Núcleo de Assessoramento Econômico em Regulação (NUREM)/Gerência de Avaliação Econômica de Novas Tecnologias (GERAE). Boletim Saúde & Economia: Transtornos de Ansiedade, ano V, n. 10, p. 1-5, 2013. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33884/412285/Boletim+Sa53%C3%BAde+e+Economia+n%C2%BA+10/a45e002d-df42-4345-a3a2-67bf2451870c. Acesso em: 27 nov. 2019.

CAPONI, Sandra. Classificar e medicar: a gestão biopolítica dos sofrimentos psíquicos. Revista internacional interdisciplinar INTERthesis, Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 101-122, jul./dez. 2012. https://doi.org/10.5007/1807-1384.2012v9n2p101

CATANI, Júlia. Uma leitura dos transtornos somatoformes e da histeria segundo a CID, o DSM e a obra freudiana: uma identificação do sofrimento psíquico no campo científico. 210 p. 2014. Dissertação (mestrado em Psicologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47133/tde-24032015-155213/publico/catani_me.pdf. Acesso em: 28 nov. 2019.

COUTO, Daniela Paula do; CASTRO, Júlio Eduardo de. Da higiene mental à higiene química: contribuições para um contraponto entre a criança tomada como objeto pelo higienismo e como sujeito de sua verdade pela psicanálise. Cad. psicanal., Rio de Janeiro, v. 37, n. 32, p. 135-157, jun. 2015. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-62952015000100008&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 19 dez. 2019.

DALGALARRONDO, Paulo. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. 2 ed. Porto alegre: ARTMED, 2008.

DERRIDA, Jacques. A farmácia de Platão. São Paulo: Iluminuras, 1997.

DSM-IV-TR. Manual de diagnóstico e estatística de perturbações mentais. 4 ed. rev. Porto Alegre: Artmed, 2002.

DSM-V. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Porto Alegre: Artmed, 2014.

DUNKER, Cristian Ingo Lenz. Crítica da razão diagnóstica: psicanálise, psicopatologia, DSM. In: KYRILLOS NETO, Fuad;

CALAZANS, Roberto (Org.). Psicopatologia em debate: controvérsias sobre os DSMs. Barbacena: EdUEMG, 2012. p. 33-74

DUNKER, Cristian Ingo Lenz. Questões entre a psicanálise e o DSM. J. Psicanal., São Paulo, v. 47, n. 87, dez., p. 79-107, 2014. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-58352014000200006&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 18 jun. 2019.

DUNKER, Cristian Ingo Lenz; KYRILLOS NETO, Fuad. A psicopatologia no limiar entre psicanálise e a psiquiatria: estudo comparativo sobre o DSM. Vínculo, v. 8, n. 2, p. 1-15, 2011. Disponível em: Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-24902011000200002&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 12 ago. 2018.

FERNANDES, Márcia Astrês et al. Prevalência dos transtornos de ansiedade como causa de afastamento de trabalhadores. Rev. Bras. Enferm., Brasília, v. 71, supl. 5, p. 2213-2220, 2018. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0953

FRANCES, Allen. Transtornos bipolares. In: ______. Fundamentos do diagnóstico psiquiátrico: respondendo às mudanças do Dsm-5. Porto Alegre: Artmed, 2015. p. 49-60.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

JERUSALINSKY, Alfredo; FENDRIK, Sílvia. Introdução. In: ______. (Org.). O livro negro da psicopatologia contemporânea. São Paulo: Via Lettera, 2011. p. 5-10.

KAMERS, Michele. A fabricação da loucura na infância: psiquiatrização do discurso e medicalização da criança. Estilos clínicos, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 153-165, jan./abr. 2013. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-71282013000100010&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 13 nov. 2019.

KYRILLOS NETO, Fuad et al. DSM e psicanálise: uma discussão diagnóstica. Revista da SPAGESP - Sociedade de Psicoterapias Analíticas Grupais do Estado de São Paulo, Ribeirão Preto, v. 12, n. 2, p. 44-55, dez. 2011. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-29702011000200006&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 22 jan. 2019.

KYRILLOS NETO, Fuad; CALAZANS, Roberto (Org.). Psicopatologia em debate: controvérsias sobre os DSMs. Barbacena: EdUEMG, 2012.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

LANNES, Amanda Soares. Uso de antidepressivos na infância e adolescência. 120 p. 2018. Monografia (graduação em farmácia) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2018. Disponível em: http://www.ufjf.br/farmacia/files/2015/04/TCC-Amanda-Soares-Lannes.pdf. Acesso em: 27 nov. 2019.

LEADER, Darian. Simplesmente bipolar. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2015.

LUENGO, Fabiola Colombani. A vigilância punitiva: a postura dos educadores no processo de patologização e medicalização da infância [online]. São Paulo: UNESP/Cultura Acadêmica, 2010. Disponível em: http://books.scielo.org/id/sw26r/pdf/luengo-9788579830877-04.pdf. Acesso em: 27 nov. 2019.

MAGALHÃES, Maria Cristina Rios (Org.). Psicofarmacologia e Psicanálise. São Paulo: Escuta, 2001.

MARTINHAGO, Fernanda; CAPONI, Sandra. Controvérsias sobre o uso do DSM para diagnósticos de transtornos mentais. Physis, Rio de Janeiro, v. 29, n. 2, p. 1-19, 2019. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-73312019290213

MENDES, Eugênio Vilaça. O SUS que temos e o SUS que queremos: uma agenda. Revista Mineira de Saúde Pública, ano 3, n. 4, p. 4-26, jan.-jun., 2004. Disponível em: www.esp.mg.gov.br/wp-content/uploads/2009/07/revista04.pdf. Acesso em: 4 set. 2018.

MORETTO, Maria Lívia. O sofrimento na nossa cultura do sucesso. TV Boitempo. Youtube. 25 jun. 2015. 2h40min. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=nTVuwSGx40c. Acesso em: 8 ago. 2015.

NAÇÕES UNIDAS. OMS registra aumento de casos de depressão em todo o mundo... [online]. 2017. Disponível em: https://nacoesunidas.org/oms-registra-aumento-de-casos-de-depressao-em-todo-o-mundo-no-brasil-sao-115-milhoes-de-pessoas/. Acesso em: 28 nov. 2019.

RESENDE, Marina Silva de. Transtornos mentais ou psicopatologia da vida cotidiana: a questão diagnóstica na atualidade. 122 p. 2014. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal de São João Del Rei, São João Del Rei, MG, 2014.

ROUDINESCO, Elizabeth. Por que a psicanálise? Rio de Janeiro: J. Zahar, 2000.

SILVA, Mardem Leandro. A conjectura lógica de Jacques Lacan [manuscrito]: a lógica como ciência do real. 403 p. 2019. Tese (Doutorado em Psicologia) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/31074. Acesso em: 10 jan. 2020.

SILVA, Tatiana Oliveira da; IGUTI, Aparecida Mari. Medicamentos psicotrópicos dispensados em unidade básica de saúde em grande município do Estado de São Paulo. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, v. 1, n. 1, ed. esp., p. 1726-1737, mar. 2013. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/216. Acesso em: 13 ago. 2018.

SIMÕES, Alexandre. Organicismo, DSM e contemporaneidade: continuidades e novidades. In: SIMÕES, Alexandre; GONÇALVES, Gesianinni (Org.). Psicanálise e psicopatologia: olhares contemporâneos. São Paulo: Blucher, 2019. p. 21-33.

TEODORO, Elizabeth Fátima. DSM-5: um marca(dor) da morçada do pathos no contemporâneo. In: SIMÕES, Alexandre; GONÇALVES, Gesianinni (Org.). Psicanálise e psicopatologia: olhares contemporâneos. São Paulo: Blucher, 2019. p. 135-143.

VIEIRA, Elisabeth Meloni. A medicalização do corpo feminino. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003.

Downloads

Publicado

2020-02-29

Como Citar

Ribeiro, A. S., Gonçalves, G. A., Teodoro, E. F., Batista, S. A., & Ferreira, P. H. E. (2020). Psicopatologia na contemporaneidade: análise comparativa entre o DSM-IV e o DSM-V. Fractal: Revista De Psicologia, 32(1), 46-56. https://doi.org/10.22409/1984-0292/v32i1/5674

Edição

Seção

Artigos