Psicopatologia na contemporaneidade: análise comparativa entre o DSM-IV e o DSM-V

Alexandre Simões Ribeiro, Gesianni Amaral Gonçalves, Elizabeth Fátima Teodoro, Suelen Aparecida Batista, Pedro Henrique Estevão Ferreira

Resumo


O DSM (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders) é um sistema diagnóstico e estatístico de classificação dos transtornos mentais, segundo o modelo categorial, destinado à prática clínica e à pesquisa em psiquiatria elaborado pela APA (American Psychiatric Association). Esse manual é constantemente revisado e reeditado no intuito de atualizar suas classificações psicodiagnósticas. Nesse sentido, o presente artigo objetivou efetuar uma análise comparativa entre as classes e as categorias diagnósticas dos quadros clínicos referentes às perturbações de ansiedade, às alterações do humor e às perturbações relativas à infância e adolescência vigentes no DSM-IV e no DSM-V, de modo a mapear quais entidades clínicas foram incluídas, excluídas ou fundidas, formando novas classes e categorias diagnósticas na versão mais atualizada do manual. A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica e documental de caráter qualitativo, por meio de um estudo descritivo e de uma análise de dados de cunho comparativo. Os resultados referentes à comparação das classes e categorias diagnósticas apontam significativos acréscimos nos três eixos analisados que abrem as portas para se debater as consequências da patologização e medicalização de condições próprias do humano, como a TPM, a tristeza, os comportamentos enérgicos das crianças e os rebeldes dos adolescentes.


Palavras-chave


DSM; medicalização; psicodiagnóstico; psicopatologia; sofrimento psíquico

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, Adriano Amaral. A psiquiatria no divã: entre as ciências da vida e a medicalização da existência. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004.

ALBERTI, Sônia; FIGUEIREDO, Ana Cristina. (Org.). Psicanálise e saúde mental: uma aposta. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2006.

ÁLVAREZ, José Maria; ESTEBAN, Ramón; SAVAGNAT, François. Fundamentos de psicopatologia psicoanalítica. Madri: Sintesis, 2004.

AMARANTE, Paulo Duarte de Carvalho. O paradigma psiquiátrico. In: ______. O homem e a serpente: outras histórias para a loucura e a psiquiatria. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1996. p. 37-64

BERCHERIE, Paul. Os fundamentos da clínica: história e estrutura do saber psiquiátrico. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1989.

BERRIOS, German E. Classificações em psiquiatria: uma história conceitual. Rev. Psiq. Clín., v. 35, n. 3, p. 113-127, 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-60832008000300005

BEZERRA JÚNIOR, Benilton. É preciso repensar o horizonte da reforma psiquiátrica. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n. 12, p. 4590-4602, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011001300007

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Prescrição e consumo de metilfenidato no Brasil: identificando riscos para o monitoramento e controle sanitário. Boletim de Farmacoepidemiologia do Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC), v. 2, n. 2, jul./dez. 2012. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/sngpc/boletins/2012/boletim_sngpc_2_2012_corrigido_2.pdf. Acesso em: 27 nov. 2019.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Núcleo de Assessoramento Econômico em Regulação (NUREM)/Gerência de Avaliação Econômica de Novas Tecnologias (GERAE). Boletim Saúde & Economia: Transtornos de Ansiedade, ano V, n. 10, p. 1-5, 2013. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33884/412285/Boletim+Sa53%C3%BAde+e+Economia+n%C2%BA+10/a45e002d-df42-4345-a3a2-67bf2451870c. Acesso em: 27 nov. 2019.

CAPONI, Sandra. Classificar e medicar: a gestão biopolítica dos sofrimentos psíquicos. Revista internacional interdisciplinar INTERthesis, Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 101-122, jul./dez. 2012. https://doi.org/10.5007/1807-1384.2012v9n2p101

CATANI, Júlia. Uma leitura dos transtornos somatoformes e da histeria segundo a CID, o DSM e a obra freudiana: uma identificação do sofrimento psíquico no campo científico. 210 p. 2014. Dissertação (mestrado em Psicologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47133/tde-24032015-155213/publico/catani_me.pdf. Acesso em: 28 nov. 2019.

COUTO, Daniela Paula do; CASTRO, Júlio Eduardo de. Da higiene mental à higiene química: contribuições para um contraponto entre a criança tomada como objeto pelo higienismo e como sujeito de sua verdade pela psicanálise. Cad. psicanal., Rio de Janeiro, v. 37, n. 32, p. 135-157, jun. 2015. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-62952015000100008&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 19 dez. 2019.

DALGALARRONDO, Paulo. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. 2 ed. Porto alegre: ARTMED, 2008.

DERRIDA, Jacques. A farmácia de Platão. São Paulo: Iluminuras, 1997.

DSM-IV-TR. Manual de diagnóstico e estatística de perturbações mentais. 4 ed. rev. Porto Alegre: Artmed, 2002.

DSM-V. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Porto Alegre: Artmed, 2014.

DUNKER, Cristian Ingo Lenz. Crítica da razão diagnóstica: psicanálise, psicopatologia, DSM. In: KYRILLOS NETO, Fuad;

CALAZANS, Roberto (Org.). Psicopatologia em debate: controvérsias sobre os DSMs. Barbacena: EdUEMG, 2012. p. 33-74

DUNKER, Cristian Ingo Lenz. Questões entre a psicanálise e o DSM. J. Psicanal., São Paulo, v. 47, n. 87, dez., p. 79-107, 2014. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-58352014000200006&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 18 jun. 2019.

DUNKER, Cristian Ingo Lenz; KYRILLOS NETO, Fuad. A psicopatologia no limiar entre psicanálise e a psiquiatria: estudo comparativo sobre o DSM. Vínculo, v. 8, n. 2, p. 1-15, 2011. Disponível em: Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-24902011000200002&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 12 ago. 2018.

FERNANDES, Márcia Astrês et al. Prevalência dos transtornos de ansiedade como causa de afastamento de trabalhadores. Rev. Bras. Enferm., Brasília, v. 71, supl. 5, p. 2213-2220, 2018. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0953

FRANCES, Allen. Transtornos bipolares. In: ______. Fundamentos do diagnóstico psiquiátrico: respondendo às mudanças do Dsm-5. Porto Alegre: Artmed, 2015. p. 49-60.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

JERUSALINSKY, Alfredo; FENDRIK, Sílvia. Introdução. In: ______. (Org.). O livro negro da psicopatologia contemporânea. São Paulo: Via Lettera, 2011. p. 5-10.

KAMERS, Michele. A fabricação da loucura na infância: psiquiatrização do discurso e medicalização da criança. Estilos clínicos, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 153-165, jan./abr. 2013. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-71282013000100010&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 13 nov. 2019.

KYRILLOS NETO, Fuad et al. DSM e psicanálise: uma discussão diagnóstica. Revista da SPAGESP - Sociedade de Psicoterapias Analíticas Grupais do Estado de São Paulo, Ribeirão Preto, v. 12, n. 2, p. 44-55, dez. 2011. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-29702011000200006&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 22 jan. 2019.

KYRILLOS NETO, Fuad; CALAZANS, Roberto (Org.). Psicopatologia em debate: controvérsias sobre os DSMs. Barbacena: EdUEMG, 2012.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

LANNES, Amanda Soares. Uso de antidepressivos na infância e adolescência. 120 p. 2018. Monografia (graduação em farmácia) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2018. Disponível em: http://www.ufjf.br/farmacia/files/2015/04/TCC-Amanda-Soares-Lannes.pdf. Acesso em: 27 nov. 2019.

LEADER, Darian. Simplesmente bipolar. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2015.

LUENGO, Fabiola Colombani. A vigilância punitiva: a postura dos educadores no processo de patologização e medicalização da infância [online]. São Paulo: UNESP/Cultura Acadêmica, 2010. Disponível em: http://books.scielo.org/id/sw26r/pdf/luengo-9788579830877-04.pdf. Acesso em: 27 nov. 2019.

MAGALHÃES, Maria Cristina Rios (Org.). Psicofarmacologia e Psicanálise. São Paulo: Escuta, 2001.

MARTINHAGO, Fernanda; CAPONI, Sandra. Controvérsias sobre o uso do DSM para diagnósticos de transtornos mentais. Physis, Rio de Janeiro, v. 29, n. 2, p. 1-19, 2019. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-73312019290213

MENDES, Eugênio Vilaça. O SUS que temos e o SUS que queremos: uma agenda. Revista Mineira de Saúde Pública, ano 3, n. 4, p. 4-26, jan.-jun., 2004. Disponível em: www.esp.mg.gov.br/wp-content/uploads/2009/07/revista04.pdf. Acesso em: 4 set. 2018.

MORETTO, Maria Lívia. O sofrimento na nossa cultura do sucesso. TV Boitempo. Youtube. 25 jun. 2015. 2h40min. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=nTVuwSGx40c. Acesso em: 8 ago. 2015.

NAÇÕES UNIDAS. OMS registra aumento de casos de depressão em todo o mundo... [online]. 2017. Disponível em: https://nacoesunidas.org/oms-registra-aumento-de-casos-de-depressao-em-todo-o-mundo-no-brasil-sao-115-milhoes-de-pessoas/. Acesso em: 28 nov. 2019.

RESENDE, Marina Silva de. Transtornos mentais ou psicopatologia da vida cotidiana: a questão diagnóstica na atualidade. 122 p. 2014. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal de São João Del Rei, São João Del Rei, MG, 2014.

ROUDINESCO, Elizabeth. Por que a psicanálise? Rio de Janeiro: J. Zahar, 2000.

SILVA, Mardem Leandro. A conjectura lógica de Jacques Lacan [manuscrito]: a lógica como ciência do real. 403 p. 2019. Tese (Doutorado em Psicologia) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/31074. Acesso em: 10 jan. 2020.

SILVA, Tatiana Oliveira da; IGUTI, Aparecida Mari. Medicamentos psicotrópicos dispensados em unidade básica de saúde em grande município do Estado de São Paulo. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, v. 1, n. 1, ed. esp., p. 1726-1737, mar. 2013. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/216. Acesso em: 13 ago. 2018.

SIMÕES, Alexandre. Organicismo, DSM e contemporaneidade: continuidades e novidades. In: SIMÕES, Alexandre; GONÇALVES, Gesianinni (Org.). Psicanálise e psicopatologia: olhares contemporâneos. São Paulo: Blucher, 2019. p. 21-33.

TEODORO, Elizabeth Fátima. DSM-5: um marca(dor) da morçada do pathos no contemporâneo. In: SIMÕES, Alexandre; GONÇALVES, Gesianinni (Org.). Psicanálise e psicopatologia: olhares contemporâneos. São Paulo: Blucher, 2019. p. 135-143.

VIEIRA, Elisabeth Meloni. A medicalização do corpo feminino. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v32i1/5674

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: