Vivências de mulheres sobre o parto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/1984-0292/v32i1/5739

Palavras-chave:

parto, mulher, humanização da assistência

Resumo

No Brasil, a medicalização do parto é apontada por diferentes autores e confirmada pelas estatísticas a respeito. Diante da importância deste tema, o presente trabalho teve por objetivo compreender a vivência do parto segundo relato de mulheres. Foram entrevistadas oito mulheres, de 23 a 32 anos, que tiveram pelo menos um filho pela rede pública de saúde por meio de roteiro semiestruturado. Os resultados apontaram a preferência pelo tipo de parto, o momento de ir para o hospital, a presença do acompanhante, o contato com o bebê no pós-parto, a falta de protagonismo feminino, o ambiente pouco acolhedor e a percepção sobre o atendimento. Foram apontados aspectos urgentes a serem revistos na assistência ao parto, como a falta de vínculo entre a mulher e a equipe de saúde e restrições em relação ao acompanhante, o que distancia a prática do que é definido como prioridade pela Política Nacional de Humanização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Lemes Valadão, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG

Graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e Mestre pela mesma universidade. Pesquisa a Relação Família-Escola e as possíveis contribuições da Psicologia Escolar nessa relação. Já atuou como psicóloga na educação infantil e atualmente trabalha na coordenação do ensino fundamental anos finais em uma escola da rede privada de ensino. É mãe de três filhos.

Renata Fabiana Pegoraro, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG

Renata Fabiana Pegoraro é docente do Instituto de Psicologia da Universidade Federal de Uberlândia. Atua como professora permanente do Mestrado em Psicologia do IP-UFU. Possui graduação em Psicologia pela Universidade de São Paulo - Campus Ribeirão Preto (1996), especialização em Saúde Coletiva pela Universidade Federal de São Carlos, mestrado em Psicologia pela Universidade de São Paulo (2002) e doutorado em Psicologia pela Universidade de São Paulo (2007). Concursada junto à UFU desde 2014, desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão na área da saúde/saúde mental. Desenvolve pesquisas na área de Psicologia e Políticas Públicas de saúde/saúde mental.

Referências

AGUIAR, Janaína Marques de; D'OLIVEIRA, Ana Flávia Pires Lucas. Violência institucional em maternidades públicas sob a ótica das usuárias. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 15, n. 36, p. 79-92, 2011. https://doi.org/10.1590/S1414-32832010005000035

ALEIXO, Caroline. Índices de cesáreas ainda é alto na rede pública de Uberlândia. Disponível em: https://g1.globo.com/minas-gerais/triangulo-mineiro/noticia/indice-de-cesarias-ainda-e-alto-na-rede-publica-de-uberlandia.ghtml. Acesso em: 18 fev. 2020.

AMORIM, Melania. A retomada do protagonismo feminino no Parto. Entrevista concedida à Graziela Wolfart. Domtotal, 30 dez. 2012. Disponível em: https://domtotal.com/periscopio/1613/2012/12/a-retomada-do-protagonismo-feminino-no-parto. Acesso em: 18 nov. 2018.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRASIL. Lei nº 11.108, de 7 de abril de 2005. Dispõe sobre a garantia das parturientes ao direito à presença de um acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde/SUS. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11108.htm. Acesso em: 26 jun. 2015.

BRASIL. Lei nº 11.634 de 27 de dezembro de 2007. Dispõe sobre o direito da gestante ao conhecimento e à vinculação à maternidade onde receberá assistência no âmbito do Sistema Único de Saúde/SUS. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Lei/L11634.htm. Acesso em: 26 jun. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada. 3 ed. Brasília: MS, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Brasília: MS, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política nacional de atenção integral à saúde da mulher: princípios e diretrizes. Brasília: MS, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Humanização do parto e nascimento. Brasília: MS, 2014.

BRÜGGEMANN, Odaléa Maria et al. M. No parto vaginal e na cesariana acompanhante não entra: discursos de enfermeiras e diretores técnicos. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 36, n. spe, p. 152-158, 2015. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2015.esp.53019

DINIZ, Simone Grilo; CHACHAM, Alessandra. Dossiê humanização do parto. São Paulo. Ed. Rede Feminista de Saúde, 2002. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/304346717_Dossie_Humanizacao_do_Parto. Acesso em: 18 fev. 2020.

DODOU, Hilana Dayana et al. A contribuição do acompanhante para a humanização do parto e nascimento: percepção das puérperas. Escola Anna Nery, Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 18, n. 2, p. 262-269, abr./jun. 2014. https://doi.org/10.5935/1414-8145.20140038

DOMINGUES, Rosa Maria Soares Madeira; SANTOS, Elizabeth Moreira dos; LEAL, Maria do Carmo. Aspectos da satisfação das mulheres com a assistência ao parto: contribuição para o debate. Cadernos de Saúde Pública [online], Rio de Janeiro, v. 20, suppl. 1, p. S52-S62, 2004. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2004000700006

DUARTE, Rosália. Entrevistas em pesquisas qualitativas. Educar em Revista, Curitiba, n. 24, p. 213-225, jul./dez., 2004. https://doi.org/10.1590/0104-4060.357

GOMES, Annatália Meneses de Amorim; NATIONS, Marilyn K.; LUZ, Madel Therezinha. Pisada como pano de chão: experiência de violência hospitalar no Nordeste Brasileiro. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 61-72, jan./mar., 2008. https://doi.org/10.1590/S0104-12902008000100006

LEAL, Maria do Carmo; GAMA, Silvana Granado Nogueira da. Sumário executivo temático da pesquisa. In: LEAL, Maria do Carmo (Org.). Nascer no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2014. p. 2-7. Disponível em: http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/arquivos/anexos/nascerweb.pdf. Acesso em: 9 nov. 2016.

LOPES, Caroline Vasconcelos et al. Experiências vivenciadas pela mulher no momento do parto e do nascimento do filho. Cogitare Enfermagem, v. 14, n. 3, p. 484-490, jul.-set. 2009. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/viewFile/16178/10697. Acesso em: 18 fev. 2020.

OLIVEIRA, Andressa Suelly Saturnino de Oliveira et al. Percepção das mulheres sobre a vivência do trabalho de parto e parto. Revista Rene, Fortaleza, v. 11, p. 32-41, 2010. Disponível em: http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/4655. Acesso em: 12 ago. 2019.

OLIVEIRA, Sonia Maria Junqueira Vasconcelos de et al. Tipo de parto: expectativa das mulheres. Revista Latino Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 10, n. 5, p. 667-674, 2002. https://doi.org/10.1590/S0104-11692002000500007

RODRIGUES, Diego Pereira et al. A peregrinação no período reprodutivo: uma violência no campo obstétrico. Escola Anna Nery, v. 19, n. 4, p. 614-620, out./dez. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v19n4/1414-8145-ean-19-04-0614.pdf. Acesso em: 13 abr. 2019.

SALGADO, Heloísa de Oliveira; NIY, Denise Yoshie; DINIZ, Carmen Simone Grilo. Meio grogue e com as mãos amarradas: o primeiro contato com o recém-nascido segundo mulheres que passaram por uma cesárea indesejada. Journal of Human Growth and Development, São Paulo, v. 23, n. 2, p. 190-197, mai.-ago. 2013. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbcdh/v23n2/pt_11.pdf. Acesso em: 17 jun. 2018.

SANTOS, Luciano Marques et al. Atenção no processo parturitivo sob o olhar da puérpera. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental [online], Rio de Janeiro, v. 4, n. 3, p. 2655-2666, jul.-set. 2012. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=505750894005. Acesso em: 23 out. 2019.

WEIDLE, Welder Geison et al. Escolha da via de parto pela mulher: autonomia ou indução? Cadernos de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 1, p. 46-53, 2014. https://doi.org/10.1590/1414-462X201400010008

Downloads

Publicado

2020-03-08

Como Citar

Valadão, C. L., & Pegoraro, R. F. (2020). Vivências de mulheres sobre o parto. Fractal: Revista De Psicologia, 32(1), 91-98. https://doi.org/10.22409/1984-0292/v32i1/5739

Edição

Seção

Artigos