DA TELENOVELA À REALIDADE: VIOLÊNCIA CONTRA MULHER LATINA EM “WOMAN HOLLERING CREEK” DE SANDRA CISNEROS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/pragmatizes.v10i18.40246

Palavras-chave:

Feminicídio, América Latina, Identidade em trânsito, Resistência cultural, Pós-colonialismo

Resumo

Este artigo utiliza experiências penosas da protagonista de “Woman Hollering Creek” (uma mulher latina sem acesso à língua inglesa, vítima de violência doméstica em uma comunidade chicana no Texas, literariamente comparada à mítica figura de A Chorona) como ilustração para uma reflexão sobre feminicídio na América Latina, mais especificamente no México e no Brasil. Assim sendo, a leitura ressalta o papel da telenovela como elemento midiático propulsor para a idealização do amor e o sonho de prosperidade nos EUA (American Dream); valores estes que, em nome do amor e da família heteronormativa, relegam a mulher à domesticidade, afastando-a de práticas intelectuais e do mercado de trabalho. Intensificando o olhar feminista sobre as peculiaridades da mulher latina, o texto se volta para tópicos pertinentes à Teoria Pós-colonial, e até mesmo o Feminismo Pós-colonial, com destaque para a identidade marginalizada e em trânsito, resistência cultural e interculturalidade, a intraduzibilidade linguístico-cultural bem como a prática diaspórica com vistas para melhor qualidade de vida. Considerando que a representação do inverossímil também se encontra no limiar do anglicismo e da hispanidade, o texto mostrará como leituras sobre o Fantástico, o Realismo Mágico e o Gótico Pós-colonial reforçam a adoção da figura folclórica da chorona no México como ícone de resistência, subserviência e sofrimento relegados ao corpo feminino graças às estruturas de sociedades patriarcais na América Latina.

Biografia do Autor

Heleno Álvares Bezerra Júnior, Instituto Federal do Rio de Janeiro

Doutor em Literatura Comparada (UERJ), Mestre em Literaturas de Língua Inglesa (UERJ), Áreas de Pesquisa: Literatura e Multiculturalismos, Literatura e Memória, Literatura e História Cultural, Música e Literatura, Pós-Colonialismos, Construções de Identidades Contemporâneas, Feminismos, Negritudes e Estudos Queer

Professor do Mestrado ProfEPT, IFRJ

Professor do Língua Inglesa, Educação para Diversidade e Educação e Direitos Humanos no Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ)

Referências

ALMEIDA, Heloísa B.. Consumidoras e heroínas: gênero na telenovela. Revista estudos feministas. v. 15 n. 1 p. 177-192 2007.

ASHCROFT, Bill et alii. Magic Realism. In: ___. Post-Colonial Studies: The

Key Concepts. London: Routledge, 1998. p. 132-3

AUSTEN, Jane. Pride and prejudice. London and New York: Penguin, 1994.

AZZAM, Julie Hakim. The alien within: postcolonial gothic and the politics of home. (Doctoral Dissertation). Pittsburgh: University of Pittsburgh, 2007. https://core.ac.uk/download/pdf/12209344.pdf Access on December 19th, 2019.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Trad. Maria Ávila et alii. Belo Horizonte: UFRMG, 2010.

______. Narrating the nation. In: BHABHA, Homi (ed.). Nation and narration. London: Routledge, 1995. p.1-7

BASSNETT, Susan. Questões centrais. Trad. Sônia Terezinha Gehring et alii. Estudos de tradução. Porto Alegre: UFRGS, 2005. p. 35-62

BONNICI, T. Introdução ao estudo das literaturas pós-coloniais. Mimesis, Bauru, v. 19, n. 1, p. 07-23,1998.

BRASIL. Lei nº 11.340. Brasília. Código penal, 2006.

CALAZANS, Janaina de H. C.. O cotidiano fabuloso: os temas recorrentes e o uso de arquétipos dos contos de fada nas telenovelas brasileiras. (Mestrado em Comunicação). Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2003.

CÁLIZ-MONTORO, Carmen. Defying otherness: Chicano geopolitical, literary and historical imprints. In: ___. Writing from the borderlands: a study of Chicano, Afro-Caribbean and Native Literatures in North America. Toronto: Tsar, 2000. p. 3-17 ^

CAMPEDELLI, Samira Y. A telenovela. São Paulo: Ática, 1985.

CISNEROS, Sandra. “El arroyo de la Llorona”. In: ___. El arroyo de la llorona y outros cuentos. Trad. Liliana Valenzuela. Neuva York: Vintage Español, 1996. p. 47-61

______. Woman Hollering Creek. In: ---. Woman hollering creek and other stories. New York: Vintage Books, 1992. p. 43-56

DERRIDA, Jacques. A escritura e a diferença. São Paulo: Perspectiva, 1995.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes, 1987.

Gazeta digital. Dados do Itamaraty: imigração ilegal causa mais de 50% das prisões de brasileiros nos EUA. Cuiabá, 19 de dezembro, 2019. https://www.gazetadigital.com.br/editorias/mundo/imigrao-ilegal-causa-mais-de-50-das-prises-de-brasileiros-nos-eua/580779 Acesso em 20/12/2019.

GHERARDI, Nathalia. Violência contra as mulheres na América Latina. Trad. Akemi Kamimura. Buenos Aires: Sur. v. 23 n. 24 2017 p. 129-136. http://sur.conectas.org/wp-content/uploads/2017/02/12-sur-24-por-natalia-gherardi.pdf Acesso em 14/12/2019

G1 – Jornal online. A guerra contra as mulheres no México. Rio de Janeiro, 20/08/2019. https://g1.globo.com/mundo/noticia/2019/08/20/a-guerra-contra-as-mulheres-no-mexico.ghtml Acesso em 03/11/2019

______. Casos de feminicídio aumentam 76% no 1º trimestre de 2019 em SP; número de mulheres vítimas de homicídio cai. Rio de Janeiro, 19/12/2019. https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2019/04/29/casos-de-feminicidio-aumentam-76percent-no-1o-trimestre-de-2019-em-sp-numero-de-mulheres-vitimas-de-homicidio-cai.ghtml Acesso em 19/12/2019.

HOOKS, Bell. Sisterhood: political solidarity between women. In: McCLINTON, A. et alii (eds.). Dangerous liasions: gender, nation and post-colonial perspectives. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1997. p. 396-441.

LOPEZ, Mark Hugo et alii. Latinos are more likely to believe in the American dream, but most say it is hard to achieve. Fact Tank: news in the numbers. Washington: Pew Researcher Center, September 11th, 2018. p. 1 https://www.pewresearch.org/fact-tank/2018/09/11/latinos-are-more-likely-to-believe-in-the-american-dream-but-most-say-it-is-hard-to-achieve/ Access on December 19th, 2019.

MARQUES, Francisco C. A.. e RIBERIO, Rondinele A.. A telenovela no Brasil: um gênero por excelência. Cadernos Zygmunt Bauman. v. 6 n.11 p.78-92 2016.

MÉXICO, Estados Unidos de. Congreso General. Cámara de Diputados del H. Congreso de La Unión. Ley general de acesso de las mujeres a una vida libre de violência. Ciudade de México, 2007. Última reforma publicada DOF 13-04-2018

MINH-HA, Trinh T. Not you/like you: postcolonial women and the interlocking questions of identity and difference. In: ____ McCLINTON, A. et alii (eds.). Dangerous liasions: gender, nation and post-colonial perspectives. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1997. p. 415-419

PÉREZ-TORRES, Rafael. The Mestizo Voice. In: ___. Critical Uses of Race in Chicano Culture. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2006. 51-82

RUSHDIE, Salmon. Imaginary homelands: essays and criticism 1981 1991. London & New York: Granta Books, 1992.

SIMON, Sherry. Revising the boundaries of culture and translation. In: ___. Gender in translation: cultural identity and the politics of transmission. London & New York: Routledge, 1996. p. 134-167

SOUZA, Suellen A. de. Leis de combate a violência contra a mulher na América Latina: uma breve abordagem histórica. In: XXVII Simpósio Nacional de História. Anais de Conhecimento Histórico e Análise Social. Natal: ANPUH, 2011. p. 2-18

SPIVAK, Gayatri. Can the subaltern speak? In: NELSON C. & GROSSBERG, L. (eds.). Basingstoke: Macmillan Education, 1988. p. 271-313.

TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. Tradução de Maria Clara Correa Castello. São Paulo: Perspectiva, 1975.

VARGENS, Renato. Maridos evangélicos que batem em suas esposas, 2017. http://renatovargens.blogspot.com/2012/01/maridos-evangelicos-que-batem-em-suas.html Acesso em 27/12/2019

Downloads

Publicado

2020-03-01

Edição

Seção

Dossiê 18: Representações da Violência na Literatura