MAL-ESTAR, VIOLÊNCIA E OUTRAS PALINÓDIAS DA CONSCIÊNCIA N’OS MAIAS, DE EÇA DE QUEIRÓS

Silvio Cesar dos Santos Alves, Alan Diogo Capelari

Resumo


A metodologia utilizada neste trabalho foi o comparatismo, especialmente a sua vertente fundada no diálogo da literatura com outros campos do saber, e, sobretudo, “o estudo da literatura em suas intersecções com a filosofia”, que aqui é utilizada “como paradigma teórico”. Sem se subestimar “as possibilidades oferecidas ao pensamento filosófico pela literatura” (ALVES; CEI; DIOGO; 2018, p. 6), e “conjugando filosofia e literatura de tal modo que conteúdo filosófico e forma literária tornam-se indissociáveis” (ALVES; CEI; DIOGO; 2018, p. 6-7) – pois “a ficcionalidade da teoria e a força teórica da ficção criam uma porosidade entre os campos da literatura e da filosofia” –, buscou-se, em termos gerais, “a subversão das fronteiras tradicionalmente estabelecidas entre conteúdo filosófico e conteúdo literário”, bem como o “escrutínio das múltiplas articulações entre literatura e filosofia, em virtude do caráter polimorfo de seus signos” (ALVES; CEI; DIOGO; 2018, p. 7). Em termos específicos, propusemos o atrito, a fricção, a contaminação entre o pensamento dos dois maiores teóricos da cultura do século XIX, Friedrich Nietzsche – tendo em vista a sua Genealogia da moral (1887) – e Sigmund Freud – com foco em seu Mal-estar na Cultura (1930) –, e a obra-prima ficcional do escritor português Eça de Queirós, o romance Os Maias (1888). Esse romance possui, em sua composição, vasto repositório de temas, questionamentos e reflexões que, além de abarcarem todo o longo século XIX, fazem com que a obra permaneça até a contemporaneidade como objeto de atenção de leitores e pesquisadores. No presente trabalho, analisaremos, de forma mais específica, as implicações sociais presentes no desenlace da relação amorosa entre Carlos da Maia e Maria Eduarda; os conflitos da consciência moral de Carlos, em meio à descoberta de que vivia um amor proibido; e a violência resultante de tais conflitos, seja aquela direcionada contra o próprio sujeito, seja a que se dirige contra os outros. Além disso, também será dada atenção à crítica social que é uma marca de Eça. O que se percebe é uma sociedade astuta no trato de questões que podem comprometer a imagem do sujeito dito civilizado. Nota-se, também, que a relação entre civilização e civilidade se mostra de forma complexa, e muitas vezes, nessa obra, as regras de convivência, ditas civilizadas, utilizam métodos que remetem à barbárie.


Palavras-chave


Mal-estar; Violência; Consciência; Eça de Queirós; Os Maias

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Silvio Cesar dos Santos. A insustentável leveza das flores. Queirosiana: Estudos sobre Eça de Queirós e sua Geração, Baião, n. 25/26, p. 31-50, 2018.

______. O ceticismo na ficção queirosiana. Projeto de Pesquisa. Londrina: Departamento de Letras Vernáculas e Clássicas, CLCH, UEL, 2017.

______. Uma proposta de evolução estética na obra de Eça de Queirós. CADERNOS DA FaEL. Vol. 2, nº 6, p. 01-26, set./dez. de 2009. Disponível em: http://perseu.unig2001.com.br/cadernosdafael/vol2_num6/ARTIGO%20SILVIO%20CADERNOS%206%20NO%20FORMATO%20E%20REVISADO.pdf

ALVES, Silvio Cesar dos Santos; CEI, Vitor; DIOGO, Sarah Forte. Prefácio. In: ______ (Orgs). Ética, estética e filosofia da literatura. Rio de Janeiro: ABRALIC, 2018, p. 6-8.

FREUD, Sigmund. O mal-estar na cultura. Porto Alegre: L&PM, 2010.

______. Obras completas, volume 11: totem e tabu, contribuição à história do movimento psicanalítico e outros textos (1912-1914). São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

GARRETT, Almeida. Viagens na minha Terra. Porto: Porto Editora, [s./d.].

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da moral – Uma polêmica. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

QUEIRÓS, Eça de. Os Maias. Porto: Livraria Internacional de Ernesto Chardron, 1888. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bv000083.pdf

SNOW, C. P. Os realistas: retratos de oito romancistas. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1988.

WEISSTEIN, Ulrich. Literatura Comparada: Definição. In: COUTINHO, Eduardo; CARVALHAL, Tânia Franco (Org.). Literatura Comparada: Textos fundadores. Rio de Janeiro: Rocco, 1994, p. 308-333.




DOI: https://doi.org/10.22409/pragmatizes.v10i18.40277

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/
Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

https://labacuff.wordpress.com/

https://www.ppcultuff.com/

http://iacs.sites.uff.br/

http://uff.br/

https://www.abecbrasil.org.br/novo/

http://iacs.sites.uff.br/graduacao_producao-cultural/

https://www.facebook.com/Pragmatizes-302946063167783/

https://sfdora.org/

https://www.latindex.org/latindex/ficha?folio=22753

https://www.redib.org/recursos/Search/Results?lookfor=pragmatizes

https://doaj.org/search?source=%7B%22query%22%3A%7B%22query_string%22%3A%7B%22query%22%3A%22PragMATIZES%22%2C%22default_operator%22%3A%22AND%22%7D%7D%7D