A dimensão econômica na política nacional de cultura:

uma aproximação com a economia solidária

Autores

  • Carolina Gonçalves de Freitas Fundação Universidade Regional de Blumenau - FURB https://orcid.org/0000-0001-7888-3518
  • Valmor Schiochet Fundação Universidade Regional de Blumenau - FURB

DOI:

https://doi.org/10.22409/pragmatizes.v11i21.46984

Palavras-chave:

Economia da Cultura, Economia Solidária, Cultura Viva.

Resumo

O artigo apresenta uma análise da política nacional de cultura em articulação com a temática da Economia da Cultura e do Desenvolvimento. O texto busca demonstrar que a agenda de cultura política do governo ganha centralidade ao ser reconhecida como mercadoria,isto é, na sua relação como mercado, como produto a ser comercializado. Nessa condição, a política da cultura é legitimada como um importante instrumento económico e industrial para o desenvolvimento nacional. A dimensão econômica da cultura pode ser identificada a partir de diferentes conceitos e propostas para organizar ou definir, por exemplo, "indústrias criativas" ou "economia criativa". Tal concepção econômica confere cultura e adequação para transformar a própria forma instrumental de produção, troca e consumo de mercadorias. Valores como diversidade, pluralismo e identidade ficam relegados a segundo plano, pois dados à subordinação da cultura à lógica do mercado capitalista. No entanto, a partir de 2003 a política baseava-se no desafio de promover a nova concepção ampliada, isto é, um fenômeno social e humano de múltiplos sentidos. Uma cultura passou a ser entendida em sua tríplice dimensão: simbólica, urbana e econômica. Nesse contexto, a política da cultura se aproxima - como o debate do Desenvolvimento Social Sustentável e da Economia Solidária. Ou que pode ser verificado na análise de dois instrumentos de gestão pública, nas diretrizes de orientação do Plano Nacional de Cultura (Lei nº 12.343 / 2010) e na política nacional de Cultura Viva / Pontos de Cultura (Lei Cultura Viva 13.018 / 2014). Ambos os conceitos aparecem de forma conflituosa e contraditória para expressar a dimensão econômica da cultura e sua contribuição para o processo de desenvolvimento. A política da cultura aborda-se como um debate sobre Desenvolvimento Social Sustentável e Economia Solidária. Ou que pode ser verificado na análise de dois instrumentos de gestão pública, nas diretrizes de orientação do Plano Nacional de Cultura (Lei nº 12.343 / 2010) e na política nacional de Cultura Viva / Pontos de Cultura (Lei Cultura Viva 13.018 / 2014). Ambos os conceitos aparecem de forma conflituosa e contraditória para expressar a dimensão econômica da cultura e sua contribuição para o processo de desenvolvimento. A política da cultura aborda-se como um debate sobre Desenvolvimento Social Sustentável e Economia Solidária. Ou que pode ser verificado na análise de dois instrumentos de gestão pública, nas diretrizes de orientação do Plano Nacional de Cultura (Lei nº 12.343 / 2010) e na política nacional de Cultura Viva / Pontos de Cultura (Lei Cultura Viva 13.018 / 2014). Ambos os conceitos aparecem de forma conflituosa e contraditória para expressar a dimensão econômica da cultura e sua contribuição para o processo de desenvolvimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Gonçalves de Freitas, Fundação Universidade Regional de Blumenau - FURB

Mestre em Desenvolvimento Regional pela Universidade Regional de Blumenau - FURB (2020). Integra o Grupo de Pesquisa em Economia Solidária/FURB. Graduação em Pedagogia pela Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI (2002). Servidora pública do Governo do Estado de Santa Catarina, atua como técnica pedagógica na Fundação Catarinense de Cultura/Diretoria de Arte e Cultura. Tem interesse nos temas: Economia Solidária e Economia da Cultura.

Valmor Schiochet, Fundação Universidade Regional de Blumenau - FURB

Doutor em Sociologia pela Universidade de Brasília (1998). Possui graduação em Estudos Sociais pela Fundação Educacional de Brusque (1984), mestrado em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (1988) Professor da Fundação Universidade Regional de Blumenau desde 1987 no Departamento de Ciências Sociais e Filosofia e no Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Regional.

Referências

BRASIL. Lei Federal nº 12.343, de 2 de dezembro de 2010. Institui o Plano Nacional de Cultura – PNC, cria o Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais – SNIIC e dá outras providências. 2010. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12343.htm>. Acesso em: out. 2019.

BRASIL. Lei Nº 13.018, de 22 de Julho de 2014. Institui a Política Nacional de Cultura Viva e dá outras providências. Jul. 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13018.htm. Acesso em: 15 jan. 2019.

BRASIL. MINISTÉRIO DA CULTURA. Cultura Viva: Programa Nacional de Arte, Educação, Cidadania e Economia Solidária. 3ª edição. Brasília: 2005. Disponível em: https://hugoribeiro.com.br/biblioteca-digital/MinC-2010-Programa_Nacional_Arte_Educacao_Cidadania_Economia_Solidaria-3a_Edicao.pdf Acesso em: out. 2019.

BRASIL. MINISTÉRIO DA CULTURA. Portaria nº 156, de 06 de julho de 2004. Cria o Programa Cultura Viva. D.O.U. Seção 1. Jul. 2004. Disponível em: https://web.archive.org/web/20150324085001/http://semanaculturaviva.cultura.gov.br/linhadotempo/linha2004.html. Acesso em: dez. 2019.

BRASIL. MINISTÉRIO DA CULTURA. SECRETARIA DE POLÍTICAS CULTURAIS. Desenvolvimento do Programa Nacional de Economia da Cultura. Relatório Final. 2016. Projeto 91BRZ4015 - Intersetorialidade, Descentralização e Acesso à Cultura no Brasil - Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura). Brasília: 2016.

BRASIL. MINISTÉRIO DA CULTURA. SECRETARIA DE POLÍTICAS CULTURAIS. Metas do Plano Nacional de Cultura. MinC. Jan, 2013 Disponível em: http://www.ipea.gov.br/participacao/images/pdfs/conferencias/IIICNCultura/metas-do-plano-nacional-de-cultura.pdf Acesso em: 05 fev. 2019.

BRASIL. MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. I Conferência Nacional de Economia Solidária da Cultura. Osasco. SP, 24 e 25 nov 2010. Disponível em: http://www.portodecultura.com.br/novo/portfolio/livro-i-conferencia-nacional-de-economia-solidaria-da-cultura.html. Acesso em: 21 mar. 2019.

BRASIL. Proposta de Emenda Constitucional - PEC150/2003. Acrescenta o art. 216-A à Constituição Federal, para destinação de recursos à cultura. Câmara Legislativa. 2003. Disponível em: https://www.camara.leg.br/ proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=131237. Acesso em: 21 nov. 2019.

CONSELHO NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA. Plano Nacional de Economia Solidária. Brasília, 2015. Disponível em: http://www.unisolbrasil.org.br/2015/wp-content/uploads/2015/06/plano_nacional_de_ecosol_12062015_com_capa.pdf Acesso em: nov. 2019.

FÓRUM BRASILEIRO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA. TEIA 2008: Brasília. Direito Humano: Iguais na Diferença. Disponível em: https://fbes.org.br/2008/11/23/fbes-forum-df-e-entorno-e-senaes-organizam-atividades-durante-a-teia/. Acesso em: out. 2019.

HARVEY, David. A arte da renda: a globalização e a transformação da cultura em commodities. In: A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.

INTERVOZES. Observatório do Direito a Comunicação. 2007. Disponível em: http://www.intervozes.org.br/direitoacomunicacao/?tag=teia-2007. Acesso: set. 2019.

LARAIA, Roque de Barros. Cultura - um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Zahar, 1986.

MIGUEZ, Paulo. Os Estudos em economia da cultura e indústrias criativas. In: KIRSCHBAUM, Charles et al. (coords.). Indústrias Criativas no Brasil. São Paulo: Atlas, 2009.

OLIVEIRA, Paulo Cesar Miguez de. Cultura, diversidade cultural e desenvolvimento. In: GUIMARÃES, Paulo Ferraz et al. (orgs.). Um olhar territorial para o desenvolvimento: Nordeste. Rio de Janeiro: Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, 2014. p. [362]-387.

OLIVEIRA, Rafael Pereira; SILVA, Rosimeri, Carvalho da. Um Estudo das Políticas Culturais praticadas em Santa Catarina. In: VIEIRA, Marcelo Milano Falcão et al. (orgs.). Cultura, mercado e desenvolvimento. Porto Alegre: Da casa Editora, 2010.

PAGLIOTO, Barbara F. A Singular mediação entre Cultura e Economia: Economia Criativa como estratégia de desenvolvimento. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, 2015.

REIS, Ana Carla Fonseca. Economia da Cultura e desenvolvimento sustentável: o caleidoscópio da cultura. Barueri: Manole, 2007.

RUBIM, Antônio Albino Canelas. (org.). Políticas Culturais no Governo Lula. Salvador: EDUFBA, 2010.

SCHIOCHET, Valmor. Da Democracia a Autogestão. Economia Solidária no Brasil. In: BENINI, Édi et al. (orgs.). Gestão pública e sociedade: fundamentos e políticas públicas de economia solidária. São Paulo : Outras Expressões, 2012. p. 17-44.

SINGER, Paul. Introdução à Economia Solidária. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2002.

TURINO, Célio. Ponto de Cultura: O Brasil de baixo pra cima. São Paulo: Anita Garibaldi, 2009.

VILUTIS, Luana. Economia Viva: Cultura e Economia Solidária no Trabalho em Rede dos Pontos de Cultura. Tese (Doutorado em Cultura e Sociedade). Universidade Federal da Bahia. 2015. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/30703/1/Tese_LuanaVilutis_UFBA.pdf. Acesso em: 30 mar. 2020.

Downloads

Publicado

2021-09-01

Como Citar

Freitas, C. G. de, & Schiochet, V. (2021). A dimensão econômica na política nacional de cultura: : uma aproximação com a economia solidária. PragMATIZES - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura, 11(21), 229-255. https://doi.org/10.22409/pragmatizes.v11i21.46984

Edição

Seção

Artigos (em Fluxo Contínuo)