O transbordamento da atividade musical para as ruas e atualização do trabalho cultural precário

uma análise sobre os instrumentistas nômades cariocas

Autores

  • Kyoma Silva Oliveira Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.22409/pragmatizes.v11i21.49503

Palavras-chave:

músicos, trabalho cultural, precarização, neoliberalização

Resumo

Este artigo enseja investigar as condições de trabalho dos músicos instrumentistas que passam a se apresentar nas ruas da cidade do Rio de Janeiro ao longo da última década (2011-2020). Para isso, a partir da retórica sobre a concepção do artista como trabalhador identificada em uma das falas dos músicos entrevistados, são analisadas as condições instáveis de trabalho que levam os músicos a tocarem na rua, bem como a atualização desta instabilidade quando estes passam a desenvolver a atividade musical na cidade. A partir da tríade de conceitos trabalho, espaço e valor, identificamos que a prática musical nômade analisada é estruturada pela lógica da pluriatividade e da instabilidade da força de trabalho, ambas desdobramentos do processo de urbanização neoliberal, que assola a capital carioca nas três décadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kyoma Silva Oliveira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutor em Planejamento Urbano e Regional (IPPUR) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Brasil

Referências

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao Trabalho?: ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez, 2003

ANTUNES, Ricardo. O Continente do Labor. São Paulo: Boitempo, 2011.

ANTUNES, Ricardo. O Privilégio da Servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018

BOURDIEU, Pierre. A Produção da Crença: contribuição para uma economia dos bens simbólicos. Porto Alegre: Zouk, 2001.

BRAGA, Ruy. A Rebeldia do Precariado: trabalho e neoliberalismo no sul global. São Paulo: Boitempo, 2017.

CASTEL, Robert. As Metamorfoses da Questão Social: uma crônica do salário. Petrópolis: Vozes, 2008.

COLI, Juliana. Descendência tropical de Mozart: trabalho e precarização no campo musical. ArtCultura, Uberlândia, v. 10, n. 17, p. 89-102, jul-dez, 2008.

DIAS, Christian. A Música de Rua dos anos 2010 no Rio De Janeiro: motivações, trajetórias e o lugar social do músico. (Trabalho de Conclusão de Curso em Licenciatura em Música). Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

HARVEY, David. O Novo Imperialismo. São Paulo: Loyola, 2005.

LUXEMBURGO, Rosa. A Acumulação do Capital. Rio de Janeiro: Zahar, 1970.

MARX, Karl. Grundrisse. São Paulo: Boitempo, 2011.

MEDEIROS, João Leonardo; CARCANHOLO, Marcelo Dias. Trabalho no Capitalismo Contemporâneo: pelo fim das teorias do fim do trabalho. In: NEVES, Renake Bertholdo David. Trabalho, Estranhamento e Emancipação: volume 1. Rio de Janeiro: Consequência, 2015.

OLIVEIRA, Kyoma. Sons, contratempos e síncopes: instrumentistas na rua e a formação de circuitos musicais não consagrados na cidade do Rio de Janeiro. Tese (Doutorado em Planejamento Urbano e Regional). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2021.

POLANYI, Karl. A Grande Transformação: as origens de nossa época. Rio de Janeiro: Compus, 2000.

POSTONE, Moishe. Tempo, Trabalho e Dominação Social. São Paulo: Boitempo, 2014.

REQUIÃO, Luciana Pires de Sá. “Eis Aí a Lapa...”: processos e relações de trabalho do músico nas casas de shows da lapa. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2008.

SCHNEIDER, Marco. A Teoria do Valor de Marx e a Educação do Gosto. Comunicação & Educação, Ano XI, número 2, maio/ago, 2006.

STANDING, Guy. O Precariado: a nova classe perigosa. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

Downloads

Publicado

2021-09-01

Como Citar

Oliveira, K. S. (2021). O transbordamento da atividade musical para as ruas e atualização do trabalho cultural precário : uma análise sobre os instrumentistas nômades cariocas. PragMATIZES - Revista Latino-Americana De Estudos Em Cultura, 11(21), 48-66. https://doi.org/10.22409/pragmatizes.v11i21.49503

Edição

Seção

Dossiê 21: Trabalho cultural e pre carização