SOCIEDADE, ECONOMIA E UNIVERSIDADE: Ideias de Darcy e Florestan para entender o Brasil de hoje

Roberto Bitencourt da Silva

Resumo


O ensaio tem como objetivo assinalar o legado do pensamento sociológico e educacional de Darcy Ribeiro (1922-1997) e Florestan Fernandes (1920-1995), tomando-o como referencial teórico para o desnudamento de dilemas do tempo presente. Como recursos de pesquisa, utilizamos bibliografia especializada relacionada aos assuntos abordados, bem como fontes primárias (documentos oficiais, noticiário, obras dos autores em destaque). O trabalho procura mapear alguns conceitos delineados pelos marcos teóricos dos dois pensadores, que permitam refletir sobre questões pertinentes à dependência econômica e tecnológica, aos contornos delimitados por essa dependência, com poder de incidência sobre a seara política e a vida econômica latino-americana, assim como o modesto papel que ela tende a conferir à universidade. Igualmente, são exploradas categorias explicativas e mobilizados postulados políticos preconizados por Darcy e Florestan, os quais nos parecem iluminar alternativas capazes de encetar a reflexão sobre os meios de superação da moldura política e econômica predominante, os quais nos enquadram na condição de um país inserido no sistema capitalista sob os estritos limites da dependência e da marginalização social crescente, assim como projetar rupturas com o papel a cada dia mais subsidiário e desprestigiado da universidade brasileira.


Palavras-chave


Capitalismo dependente. Universidade. Darcy Ribeiro. Florestan Fernandes. Imperialismo.

Referências


AMIN, Samir. Classe e nação na história e na crise contemporânea. S/l, Moraes Editores, s/d.

AMIN, Samir. Le virus libéral. Paris: Le Temps des Cerises, 2003.

AUDITORIA CIDADÃ DA DÍVIDA. Quanto devemos. Disponível em: https://auditoriacidada.org.br/. Acesso em: 28 dez. 2019.

BRASIL. Estatísticas do setor externo: nota para a imprensa. Brasília: Banco Central do Brasil, 25 de novembro de 2019 (a). Disponível em: https://www.bcb.gov.br/detalhenoticia/16908/nota. Acesso em: 30 nov. 2019.

BRASIL. Relatório de investimento direto. Brasília: Banco Central do Brasil, 2019 (b). Disponível em: https://www.bcb.gov.br/publicacoes/relatorioid. Acesso em: 30 nov. 2019.

BRASIL. Acordo de associação Mercosul-União Europeia. Brasília, 4 de julho de 2019 (c). Disponível em: http://www.itamaraty.gov.br/images/2019/2019_07_03_-_Resumo_Acordo_Mercosul_UE.pdf. Acesso em: 25 nov. 2019.

BRASIL. Emenda constitucional no. 95. Brasília, 15 de dezembro de 2016. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Emendas/Emc/emc95.htm. Acesso em: 10 nov. 2019.

BRASIL DE FATO. Dossiê faz raio-x do “Future-se” e mostra por que universidades rejeitaram o projeto. São Paulo, 22 nov. 2019. Disponível em https://www.brasildefato.com.br/2019/11/22/dossie-detalha-propostas-do-future-se-e-preve-destruicao-do-ensino-superior/. Acesso em: 5 dez. 2019.

CARDOSO, Miriam Limoeiro. Sobre a teorização do capitalismo dependente em Florestan Fernandes. In: FÁVERO, Osmar (org.), Democracia e educação em Florestan Fernandes. Campinas: Autores Associados; Niterói: EdUFF, 2005. p. 7-40.

CASANOVA, Pablo González. O colonialismo global e a democracia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.

COLOMBO, Luiza Rabelo; CAMOSA, Rodrigo A.Cruz. A ofensiva ultraconservadora: uma análise da formação e atuação da frente de direita na educação brasileira. História & Luta de Classes, ano 14, n. 26, set. 2018, p. 74-85.

CONGRESSO EM FOCO. Universidade “não é para todos”, mas “somente para algumas pessoas”, diz ministro da educação. 30 jan. 2019. Disponível em: https://congressoemfoco.uol.com.br/educacao/universidade-nao-e-para-todos-mas-somente-para-algumas-pessoas-diz-ministro-da-educacao/. Acesso em: 28 dez. 2019.

CUEVA, Agustín. Autoritarismo y fascismo en América Latina. Quito: Editorial Gallo Rojo, 2013.

CUEVA, Agustín. Agustín Cueva: ensayossociológicos y políticos; introdução e seleção de Fernando Tinajero. Quito: Ministerio de Coordinación de la Política y Gobiernos Autónomos Descentralizados, 2012.

ÉPOCA. Dívida do Brasil: renegociação, FHC, Lula e a volta da crise. 29 set. 2016. Disponível em:

https://epocanegocios.globo.com/Economia/noticia/2016/09/divida-do-brasil-renegociacao-fhc-lula-e-volta-da-crise.html. Acesso em: 21 dez. 2019.

FERNANDES, Florestan. Florestan Fernandes na constituinte: leituras para a reforma política. São Paulo: Fundação Perseu Abramo; Expressão Popular, 2014.

FERNANDES, Florestan. Circuito fechado. São Paulo: Globo, 2010.

FERNANDES, Florestan. Capitalismo dependente e classes sociais na América Latina. 4. ed. São Paulo: Global, 2009.

FERNANDES, Florestan. Sociedade de classes e subdesenvolvimento. 5. ed. São Paulo: Global, 2008.

FERNANDES, Florestan. Que tipo de república? 2. ed. São Paulo: Globo, 2007.

FERNANDES, Florestan. A transição prolongada: o período pós-constitucional. São Paulo: Cortez, 1990.

FERNANDES, Florestan. Universidade brasileira: reforma ou revolução? São Paulo: Alfa-Ômega, 1975.

FOSTER, John Bellamy. El nuevo imperialismo. Barcelona: El Viejo Topo, 2015.

GANDÁSEGUI, Marco A. Los cambios en América Latina. Buenos Aires: Batalla de ideas, ano 3, n. 3, jul. 2012, p. 70-86.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere, vol. 4. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

G1. Dívida pública sobe quase R$ 200 bi em 2010, maior aumento desde 2001, 01 fev. 2011. Disponível em: http://g1.globo.com/economia/noticia/2011/02/divida-publica-sobe-quase-r-200-bi-em-2010-maior-aumento-desde-2001.html. Acesso em: 26 dez. 2019.

LAVINAS, Lena; GENTIL, Denise. Brasil anos 2000: a política social sob a regência da financeirização. São Paulo: Novos Estudos, Cebrap, vol. 37, n. 2, mai./ago. 2018, p. 191-211.

LEHER, Roberto. Darcy Ribeiro e a universidade (cada vez mais) necessária. Rio de Janeiro: Revista Interinstitucional Artes de Educar, UERJ, v. 3, n. 2, jul./out. 2017, p. 145-153.

LEHER, Roberto; VITTORIA, Paolo; MOTTA, Vânia. Educação e mercantilização em meio à tormenta político-econômica do Brasil. Salvador: Germinal – Maxismo e Educação em Debate, v. 9, n. 1, abr. 2017, p. 14-24.

LIMA, Manolita Correia; CONTEL, Fabio Betioli. Internacionalização da educação superior. São Paulo: Alameda, 2011.

MELLO, Livia Mouriño. A atuação da burguesia industrial na construção do novo ensino médio: primeiras aproximações. Niterói: V Seminário Discente PPGE-UFF, 23 a 24 out. 2018, p. 955-966.

OLIVEIRA, Francisco de. Os direitos do antivalor. Petrópolis: Vozes, 1998.

OURIQUES, Nildo. A nacionalização da universidade brasileira. In: RAMPINELLI, Waldir; OURIQUES, Nildo. (orgs.) Crítica à razão acadêmica, vol.2. Florianópolis: Insular, 2017, p. 161-217.

OURIQUES, Nildo. A sedução revolucionária e o plano real. In: RAMPINELLI, Waldir; OURIQUES, Nildo (orgs.), No fio da navalha: crítica das reformas neoliberais. São Paulo: Xamã, 1997, p. 91-135.

RAMPINELLI, Waldir. A ciência e o conhecimento nas universidades: a que e a quem servem? In: RAMPINELLI, Waldir; OURIQUES, Nildo. (orgs.) Crítica à razão acadêmica, vol.2. Florianópolis: Insular, 2017, p. 135-160.

RIBEIRO, Adelia Miglievich; MATIAS, Glauber Rabelo. A universidade necessária em Darcy Ribeiro: notas sobre um pensamento utópico. Novo Hamburgo: Ciências Sociais Unisinos, 42 (3), set./dez. 2006, p. 199-205.

RIBEIRO, Darcy. América Latina: a pátria grande. 3. ed. São Paulo: Global, 2017.

RIBEIRO, Darcy. O Brasil como problema. 2. ed. São Paulo: Global, 2015.

RIBEIRO, Darcy. O dilema da América Latina. Petrópolis: Vozes, 1978 (a).

RIBEIRO, Darcy. A universidade necessária. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978 (b).

SAKAMOTO, Leonardo. Bolsonaro diz que “não faz milagre” e milhões não vão conseguir emprego. Blog do Sakamoto, 16 maio 2019. Disponível em: https://blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br/2019/05/16/bolsonaro-diz-que-nao-faz-milagre-e-milhoes-nao-vao-conseguir-emprego/. Acesso em: 15 dez. 2019.

SANTOS, Theotonio dos. Socialismo ou fascismo. Florianópolis: Insular, 2018.

SAVIANI, Dermeval. Florestan Fernandes e a educação. São Paulo: Estudos Avançados, USP, v. 10, n. 26, jan./abr. 1996, p. 71-87.

SILVA, Roberto Bitencourt da. Desenvolvimentismo, dependência, nacionalismo e socialismo: notas teóricas, os governos Lula e Dilma e o cenário pós-golpe de 2016. Florianópolis: Rebela, UFSC, v. 8, n. 2. mai./ago. 2018, p. 271-306.

SILVA FILHO, Edison Benedito. Trajetória recente do investimento estrangeiro direto e em carteira no Brasil. Brasília: Boletim de economia e política internacional, IPEA, n. 19, jan./abr. 2015, p. 5-20.

SILVEIRA, Zuleide Simas da. A universidade brasileira e o papel do intelectual em Florestan Fernandes. Campinas: 6º Colóquio Internacional Marx e Engels, Unicamp, 2009.

TRASPADINI, Roberta. A dialética da dependência: a educação como mercadoria. Florianópolis: Rebela, UFSC, v. 8, n. 1, jan./abr. 2018, p. 29-45.

VASCONCELLOS, Gilberto Felisberto. Darcy Ribeiro: a razão iracunda. Florianópolis: UFSC, 2015.

WALLERSTEIN, Immanuel. La crisis estructural, o por qué los capitalistas ya no encuentran gratificante al capitalismo. In: WALLERSTEIN, Immanuel; COLLINS, Randall et al. (orgs.) ¿Tiene futuro el capitalismo? México: Siglo XXI Editores, 2015, p. 11-46.

WOOD, Ellen Meiksins. O império do capital. São Paulo: Boitempo, 2014.




DOI: https://doi.org/10.22409/mov.v7i12.40320

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Roberto Bitencourt da Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 Fontes de indexação:

                                                                              

 

 

Apoio:

 

                                                                   

   

 

                              

 

 

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional

click counter
click counter
click counter