A cultura epistolar entre antigos e modernos. Normas e práticas de escrita em manuais epistolares em princípios do século XVI

Raphael Henrique Dias Barroso

Resumo


Esse trabalho busca circunscrever brevemente os códigos da escrita epistolar de ambientes cortesãos em inicios do século XVI. Primeiramente, daremos luz aos preceitos das Ars Dictaminis, conjunto de tratados e manuais que buscavam adequar a escrita as posições sociais dos missivistas e manter a coerência entre as partes, em paralelo com as técnicas retóricas da oratória. Em seguida, mostramos como Erasmo de Roterdã e Juan Luis Vives buscam rever esses princípios epistolográficos, recuperando das cartas de Cícero, Sêneca e Plínio, uma linguagem familiar que valorizasse as características pessoais e a relação entre o escrevente e o destinatário. Concluímos que esses códices estiveram presentes em grande medida nas missivas diplomáticas entre o embaixador português D. Miguel da Silva e o rei D. Manuel, servindo tanto de suporte para a escrita, quanto para os interesses das cortes.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.