Acidente de trabalho típico e bipoder

Leonardo Del Puppo Luz, Ângela Nobre de Andrade

Resumo


Contemporaneamente, os acidentes de trabalho típico ainda vêm se mantendo como uma temática extremamente relevante à malha social. A Previdência (INSS), em 2007, registrou 653.0901 acidentes de trabalho. Diante do quadro estatístico, diversos órgãos públicos têm se empenhado no enfrentamento das ocorrências caracterizadas como acidentes de trabalho típico (AT). Essa pesquisa que ora apresentamos, originou-se de parte da dissertação que almejou colocar em análise práticas que permeiam as investigações de determinados órgãos públicos no Estado do Espírito Santo quanto à ocorrência dos acidentes de trabalho típico, buscando expandir as problematizações acerca da binarização da culpa pelo acidente, ora atribuído ao empregador, ora ao empregado. Neste artigo, focamo-nos no capítulo II da dissertação, pois se recorreu como aporte teórico-conceitual, o conceito-ferramenta de Biopoder desenvolvido por Michel Foucault para lançar uma análise acerca do Biopoder e as políticas de controle dos acidentes. Conclui-se que se processam mecanismos de subjetivação que parecem mitigar a importância da transversalidade/atravessamentos de instituições na constituição dos acidentes de trabalho.

1 Fonte: http://www.previdencia.gov.br/aeps2007/16_01_03_01.asp


Palavras-chave


Acidente de Trabalho Típico. Produção de Subjetividade. Biopoder

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, R. D. B. Grupos: a afirmação de um simulacro. Porto Alegre: Salina/UFRGS, 2007.

BRASIL. Ministério da Previdência Social. Anuário estatístico da Previdência Social. Brasília – DF: MPS, 2007. Disponível em: http://www1.previdencia.gov.br/aeps2007/16_01_03_01.asp. Acesso em: 15 nov. 2008.

BRASIL. Lei 8.213/91. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília – DF: MPS, 1991.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. 5. ed. Rio de janeiro: Forense Universitária, 2002.

CASTEL, R. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. Petrópolis: Vozes, 1998.

EIRADO, A. Éticas e cidadanias. Oriente/Ocidente: Paradigmas ético-culturais. In: CONGRESSO CAPIXABA DE FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO, 3. Informação verbal. Vitória, 2008.

ESCORSIM, S et al. A evolução do trabalho do homem no contexto da civilização: da submissão à participação. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL PROCESSO CIVILIZADOR: TECNOLOGIA E CIVILIZAÇÃO., 9., 2005, Ponta Grossa. Anais... Ponta Grossa: [s.n.], 2005. Disponível em: . Acesso em: 4 nov. 2008.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. 7. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2002.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault: uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense,1995. p. 231-249.

GAZETA. Operário morre em acidente em pedreira.Vitória: Gazeta On-line, 2009, 3 abr. 2009.

MACHADO, R. C. M. Foucault, a ciência e o saber. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2006. v. 1.

MAIA, M. A. B. O Corpo invisível do trabalho: cartografia dos processos de trabalho em Saúde. 2006. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2006.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO MATOGROSSO DO SUL. Procedimento preparatório de inquérito civil público nº 46/2008. Corumbá: MPEMS, 2008.

MORAES, T. D.; NASCIMENTO, M. L. Da norma ao risco: transformações na produção de subjetividades contemporâneas. Psicologia em estudo, Maringá, v. 7, n. 1, jan./jun. 2002. p. 91-102. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2008.

NEGRI. A.; HARDT. M. Império. 8. ed. Rio de Janeiro: Record, 2006.

NETO, X. T M. A atividade investigatória do MPT. Natal: [s.n.], 2006.

NOUROUDINE, A. Risco e atividades humanas: acerca da possível positividade aí presente. In: FIGUEIREDO, M. et al. (Org.). Labirintos do Trabalho:interrogações e olhares sobre o trabalho vivo. Rio de Janeiro: DP&A, 2004. p. 37-62.

OSÓRIO. C. As ações de saúde do trabalhador como dispositivo de intervenção nas relações de trabalho. In: ROSA, M. et al. (Org.). Psicologia e saúde: desafios àspolíticas públicas no Brasil. Vitória: Edufes, 2007. p. 75-90.

PELBART, P. P. A vertigem por um fio: políticas da subjetividade contemporânea. São Paulo: Iluminuras, 2000.

PELBART, P. P. Biopolítica e biopotência no coração do império. In GADELHA, S.; LINS, D. (Org.). Nietzsche e Deleuze: que pode o corpo? Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001. p. 251-260. Disponível em: : Acesso em: 17 jul. 2007.

RAMIREZ, L. G. Tratamento do assédio psicológico, do estresse e do burnout como acidentes de trabalho. Havana: SCDLLS, 2003. Dispónível em: . Acesso em: 10 jun. 2008.

SOUZA, W. F. Gestão em saúde, uma perspectiva ergológica: com quantos gestos se faz uma gestão. 2009. Tese (Doutorado) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DO ESTADO DO ESÍRITO SANTO. Procedimento preparatório 46/2008. Vitória: TRT, 2008. 17 Circunscrição.

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DO ESTADO DO ESÍRITO SANTO. Procedimento preparatório 00078/ 2002. Vitória: TRT, 2002. 17 Circunscrição.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: