A TRAGÉDIA DA IMITAÇÃO. O vazio e o extremo no sentido da política e da violência moderna

Luiz Carlos Ramiro Junior

Resumo


A tragédia da imitação tem como origem a teoria mimética e uma crítica à política moderna. Mimese significa imitação, e de acordo com o antropólogo René Girard é o que caracteriza a natureza humana na vida social, sendo ilusório achar que a vontade humana é autônoma. Defrontados com modelos, padrões, desejos, ilusões, eventos extraordinários, narrativas trágicas, obras sagradas, etc., os indivíduos passam a agir mimeticamente, de modo que mesmo a possibilidade de escolha torna-se limitada. O lado trágico dessa discussão na era moderna se deve à falência em dar completude, sentido, à vida humana e social. As buscas individuais, materiais e coletivas se tornaram incessantes e frustrantes. Se não bastasse, o lugar da violência na sociedade moderna acompanha caminhos dramáticos, mantidos enquanto objetos de imitação, como a política e o direito, ambos impotentes, quando não absorvidos pelos dilemas da modernidade.

Palavras-chave


Teoria política; Secularização; Violência

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. 1989. As origens do totalitarismo: anti-semitismo, imperialismo e totalitarismo. São Paulo : Companhia das Letras.

_______________. 1990 [1963]. On Revolution. London : Penguin Books.

_______________. 1970. On Violence. New York : A Harvest/HBJ Book.

ARON, Raymond. 2002 [1962]. Paz e guerra entre as nações. Trad. Sérgio Bath. Brasília : UnB.

BENJAMIN, Walter. 2012. “Sobre a crítica do poder como violência”. In: O anjo da história. Belo Horizonte : Autêntica.

BOTERO, Giovanni (1544-1617). 1992 [1589]. Da Razão de Estado. Coimbra : INIC.

CAMARGO, Luis Cláudio – FSSPX. 2015. Vae Soli – A corrupção da noção de autoridade. In: Revista Permanência, ano: MMXV, n. 277, pp. 89-125. Niterói : Permanência.

CASTELO BRANCO, Pedro H. Villas-Boas. 2011. Secularização inacabada: Política e Direito em Carl Schmitt. Curitiba : Appris.

CAVANAUGH, William T.. 2014. "Religious Violence as Modern Myth”. In. Political Theology, Vol. 15 No. 6, November, 2014, 486–502. W. S. Maney & Son Ltd.

CHRISTIN, Olivier. 2014. O desfecho das guerras de religião: a autonomização da razão política na metade do século XVI. In: Revista Brasileira de Ciência Política, nº14. Brasília, maio - agosto de 2014, pp. 139-165.

CLAUSEWITZ, Carl von. 1989. On War. Ed. and transl. Michael Eliot Howard and Peter Paret. Princeton : Princeton University Press.

DAWSON, Christopher. 191 [1950]. Religion and the Rise of Western Culture. The Classic Study of Medieval Civilization. New York : Image Books Doubleday.

FOUCAULT, Michel. 1990. “Aula de 14 de janeiro de 1976”. In: Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes.

_________________. 1990. “Aula de 7 de janeiro de 1976”. In: Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes.

FURET, François; NOLTE, Ernst. 1999. Fascismo y comunismo. Trad. Esther Benítez y Arturo Parada. Madrid : Alianza Editorial.

GAUCHET, Marcel. 1985. Le désenchantement du monde – une histoire politique de la religion. Paris : Gallimard.

________________. 2007. L'Avènement de la démocratie (I). La Révolution Moderne. Paris : Édition Gallimard.

GIRARD, René. 2011a. Anorexia e desejo mimético. Trad. Carlos Noughé. São Paulo : É Realizações.

_____________. 1972. La violence et le sacré. Paris : Bernard Grasset.

_____________. 2011b. Rematar Clausewitz: além da Guerra. Diálogos com Benoît Chantre. Trad. Pedro Sette-Câmara. São Paulo : É Realizações.

_____________. 1989. The Scapegoat. Trans. Yvonne Freccero. Baltimore : The Johns Hopkins.

JOUVENEL, Bertrand de. 1977 [1972]. Du Pouvoir. Histoire naturelle de sa croissance. Paris : Hachette.

KOSELLECK, Reinhart. 2003. Aceleración, prognosis y secularización. Valencia : Pre-Textos.

MILBANK, John. 1995 [1990] Teologia e teoria social – para além da razão secular. Trad. Adail Sobral e Maria Stela Gonçalves. São Paulo : Loyola.

PRODI, Paolo. 1982. Il sovrano pontefice. Bologna : Società editrice il Mulino.

RAMIRO JUNIOR, Luiz Carlos. 2014. Entre o Syllabus e a Constituição moderna: debates políticos em torno da Questão Religiosa (1872-1875) no Brasil. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – IESP/UERJ.

REALE, Giovanni; ANTISERI, Dario. 2003. História da Filosofia. 2 - Patrística e Escolástica. São Paulo : Paulus.

ROUGEMONT, Denis de.1988. O amor e o Ocidente. Trad. Paulo Brandi e Ethel Brandi Cachapuz. Rio de Janeiro : Ed. Guanabara.

RUMMEL, R. J.. 2009 [1994]. Death by Government. New Brunswick : Transaction Publishers.

SANTOS, Mário Ferreira dos. 1961. Convite à Filosofia e à História da Filosofia. São Paulo : Logos.

SIMMEL, Georg. 1966. Conflict. The web of group–affiliations. Trans. Kurt H. Wolff and Reinhard Bendix. New York : The Free Press.

SCHMITT, Carl. 1993. Conceito do político. Rio de Janeiro: Vozes.

_____________. 2014. O Nomos da Terra. Rio de Janeiro : Contraponto.

_____________. 2004 [1962] The Theory of the Partisan. A Commentary/Remark on the Concept of the Political. Transl. A. C. Goodson. Michigan : Michigan State University.

WEBER, Marx. 2003. Ciência e Política – duas vocações. São Paulo : Martin Claret.




DOI: https://doi.org/10.22409/conflu17i2.p453

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Confluencias



/A Revista Confluências é Qualis B1.

Esta revista encontra-se indexada em:

Resultado de imagem para bielefeld base