O PROTAGONISMO DAS CLASSES POPULARES NA LUTA POR DIREITOS BÁSICOS DE CIDADANIA: O MST E A CAMPANHA “FECHAR ESCOLA É CRIME”

Autores

  • Mariana Diniz Bittencourt Nepomuceno uff

DOI:

https://doi.org/10.1234/enfil.vi9.44331

Palavras-chave:

Educação, Filosofia, História, Ciências Sociais, Educação Popular

Resumo

O artigo aborda o potencial político-pedagógico das ações coletivas de um movimento popular brasileiro (MST) em sua reivindicação pela conquista de um direito cidadão básico: a educação. Assume-se que, nesse processo, o MST fomenta um tipo de participação cidadã protagônica a partir do desenvolvimento e fortalecimento da consciência e da identidade de classe orientada para o processo de radicalização da democracia brasileira. Concretamente, é analisada a luta contra o fechamento e a nucleação das escolas frequentadas pelos Sem Terrinha. A premissa central é a de que a ação coletiva dos sujeitos sociais organizados e mobilizados contribui para a formação de um tipo de cidadania crítica, ativa e participativa que supera seus interesses restritos/corporativistas e contrapõe-se à perspectiva liberal de cidadão enquanto status formal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Diniz Bittencourt Nepomuceno, uff

[1] Mestre em Educação pela Universidade de Lisboa e pela Universitat de Barcelona. Doutoranda em Educação pela Universidade Federal Fluminense (PPGE/UFF). Pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Filosofia, Política e Educação – NuFiPE, da Faculdade de Educação da UFF.

Referências

ARROYO, M. (2007). “Educação e Exclusão da Cidadania”. In BUFFA, E., et al. Educação e Cidadania. São Paulo: Cortez Editora. pp. 31-80.

BdF – Brasil de Fato: uma visão popular do Brasil e do Mundo (2018). Disponível em:

https://www.brasildefato.com.br/. Acesso em 15 Jan 2018.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF:

Senado, 1988.

_______ LDB nº 5.692/71. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: Senado, 1971.

BREMM, C. (2015). As políticas educacionais de nucleação das escolas rurais/do campo no município de São Paulo das Missões. Universidade Federal de Santa Maria. (Dissertação de Mestrado). Disponível em: http://repositorio.ufsm.br/handle/1/2622. Acesso em 13 Jan 2018.

CALDART, R.S. (2009) Educação do campo: notas para uma análise de percurso. Trabalho Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 7, nº 1, p. 35-64, mar./jun. ____________. (2007). Pedagogia do Movimento Sem Terra. Petrópolis: Vozes.

____________. (2001) Pedagogia do Movimento Sem Terra: escola é mais do que escola.

Petrópolis: Editora Vozes.

GRAMSCI, A. (2007). Cadernos do Cárcere – Volume 3. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

____________. (2000). Cadernos do Cárcere – Volume 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

____________. (1999) Cadernos do Cárcere – Volume 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. ____________. (1991). Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

____________. (1984). Maquiavel, a política e o Estado moderno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

MARX, K. (2018). A Questão Judaica. Disponível em www.lusosofia.net/textos/marx_questao_judaica.pdf. Acesso em 10 Jan 2018.

_____________. (2008). Manuscritos Econômico-Filosóficos. São Paulo: Boitempo Editorial. MUNARIM, C. & TAFFAREL, A. (2015). “Pátria educadora e fechamento de escolas do campo: o crime continua”. Revista Pedagógica, Chapecó, v. 17, n. 35, p. 41-51, maio/ago. 2015.

MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) (2018). Disponível em: www.mst.org.br.

Acesso em 22 Jan 2018.

___________. Agenda MST 2010. São Paulo: Secretaria Nacional do MST.

PASTORIO, E. Nucleação das escolas do campo: o caso do município de São Gabriel/RS. UFSM - Programa de Pós-Graduação em Geografia (Dissertação de Mestrado). Santa Maria, 2015.

RBA – Rede Brasil Atual (2015). Disponível em www.redebrasilatual.com. Acesso em 20 Dez 2015.

REIS, R.R. (2014). “Formação humana e ideias de liberdade”. Revista del Departamento de Letras. Universidad de Buenos Aires. pp.49-65

RIBEIRO, M. “Educação rural” (2012). In: CALDART, R,S; PEREIRA, I, B; ALENTEJANO, P;

SANTOS, M. (2007). O Espaço do Cidadão. São Paulo: USP.

SEMERARO, G. (2017). “A Concepção Revolucionária da Política em Gramsci: uma análise do Caderno 13”. Movimento Revista de Educação. Faculdade de Educação – UFF. Niterói, ano 4, n.6, pp.34-53, jan/jul.

____________. (2016). Saber-fazer filosofia: o pensamento moderno. São Paulo: Ideias e Letras.

(Coleção Saber-Fazer Filosofia 2).

____________. (2014). “Filosofia da práxis e as práticas político-pedagógicas populares”.

Educação e Filosofia, Uberlândia v. 28, n. 55, p. 131-148, 2014.

____________. (2012) “A „utopia‟ do Estado Ético em Gramsci e nos movimentos populares”. Revista de Educação Pública, [S.l.], v. 20, n. 44, p. 465-480, jun. 2012. ISSN 2238-2097.

SOUZA, M.A.; PALUDO, C.; BELTRAME, S.A.B. (2015) “Índice de desenvolvimento da educação básica, educação do campo e escola pública: a realidade da região Sul do Brasil”. Florianópolis - UFSC, 37ª Reunião Nacional da ANPEd – 04 a 08 de outubro de 2015.

VENDRAMINI, C.R. (2015). Qual o Futuro das Escolas no Campo? Educação em Revista, Belo Horizonte, v.31, n.03, pp. 49-69, jul/set 2015.

VIEIRA, J. A. (1999). “O significado do agrupamento de escolas do campo – nucleação”. Revista Pedagógica, Chapecó, n. 02.

Downloads

Publicado

2020-07-29