ESTRATÉGIAS ENSINO METACOGNITIVAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS: O CONTEXTO BRASILEIRO EM FOCO

Autores

  • Pedro Henrique Maraglia Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Márcia Regina de Assis Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Mauricio Abreu Pinto Peixoto Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.22409/resa2020.v13i2.a27274

Resumo

Acreditamos que a metacognição quando empregada em contextos de ensino pode gerar resultados muito positivos tanto no amadurecimento de processos reflexivos, quanto no autogerenciamento dos processos de aprendizagem. Sabemos que uma das formas de se estimular a metacognição em situações de ensino é por meio de estratégias de ensino metacognitivas. No entanto, pouco se sabe sobre como vem se dando a pesquisa em estratégias metacognitivas no ensino nas áreas das ciências no Brasil. Para responder esta pergunta, realizamos uma revisão sistemática de literatura no Google Scholar entre os anos de 1997 e 2017, abrangendo apenas trabalhos nacionais redigidos em português e inglês, publicados na forma de artigos.  Utilizamos como termos de busca as palavras, “estratégias metacognitivas”, “Química”, “Física”, “Matemática”, “Biologia”, “Ensino de Química”, “Ensino de Física”, “Ensino de Matemática” e “Ensino de Biologia”, interligados pelo operador .AND. As buscas geraram 488 artigos catalogados e registrados, que posteriormente passaram por um rigoroso processo de seleção, resultando em apenas 4 artigos que realmente apresentavam pesquisas sobre estratégias de ensino metacognitivas em ensino de ciências. As estratégias podem ser subdivididas em duas categorias: mental e produção de material. A produção na área apresentada teve inicio em 2008 e pode ser considerada pequena em relação aos demais campos de pesquisa em ensino de ciências. Não obstante, a literatura é ampla ao afirmar o seu potencial em colaborar na formação de indivíduos mais críticos e reflexivos. Por isto, acreditamos ser importante fomentar o campo. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Henrique Maraglia, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Licenciado em Química, Mestre em Educação e Saúde. Atuando principalmente nos seguintes temas:Aprendizagem, metacognição, Ensino de Ciências e Ensino de Química.

Márcia Regina de Assis, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Formada em Terapia Ocupacional pela USP, especialização em Saúde da Mulher no Climatério pela USP, mestrado em Terapia Ocupacional na UFSCar e em doutoramento pela UFRJ.

No momento atuando como professora do Curso de Terapia Ocupacional, no Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro.

Mauricio Abreu Pinto Peixoto, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro(1980), mestrado em Medicina (Clínica Obstétrica) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro(1987), doutorado em Medicina (Clínica Obstétrica) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro(1990) e residencia-medica pelo Fundação das Pioneiras Sociais Instituto de Ginecologia Luisa Gomes de Lemo(1982). Atualmente é Professor Associado I da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atuando principalmente nos seguintes temas:Aprendizagem, metacognição, Saúde , educação, tecnologia educacional e enfermagem."

Downloads

Publicado

2020-08-31

Edição

Seção

Artigos