A psicologia histórico-cultural em diálogo: a trajetória de pesquisa do GEPSA

Maria de Fátima Cardoso Gomes, Vanessa Ferraz Almeida Neves, Isabela Costa Dominici

Resumo


Neste texto apresentamos o Grupo de Estudos e Pesquisas em Psicologia Histórico-cultural na Sala de Aula (GEPSA), que tem comoobjetivos desenvolver ensino, pesquisa e extensão sobre linguagem, discurso, cognição social, cultura e inclusão na sala de aula.Em busca de uma abordagem teórico-metodológica coerente com os pressupostos da psicologia histórico-cultural, estabelecemosum diálogo com a etnografia interacional. Apresentamos aqui uma investigação conduzida em uma turma com crianças de cincoanos de idade de uma Unidade Municipal de Educação Infantil de Belo Horizonte, Brasil. O evento de letramento que analisamosfoi denominado “O que tem no meio do mar, do céu, do rio e do sol”. A análise desse evento nos possibilitou evidenciar como ascrianças trazem para a escola o que sabem das palavras, quantas coisas conhecem sobre esses conceitos, porém pela mediaçãoda escola podem constituir novas identidades, novos conhecimentos de si e do mundo.

Palavras-chave


psicologia histórico-cultural; GEPSA; crianças; eventos de letramentos

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, M. L. Gênero e processo de socialização em creches comunitárias. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 93, p. 12-21, maio 1995.

AGAR, M. Language Shock: understanding the culture of conversation. New York: Harper Collins, 1996.

BAKHTIN, M. Gêneros do discurso. In: ______. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003. p. 261-270.

BRANDÃO, A. C. P.; ROSA, E. C. S. (Org.). Ler e escrever na educação infantil. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares

Nacionais para a Educação Infantil. Resolução do CNE/CEB

Nº 5, de 17 de dezembro de 2009a.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa Currículo em

Movimento. Brasília, DF: Secretaria de Educação Básica,

b.

CAMPOS, M. M. Ensino Fundamental e os desafios da Lei

274/2006. Anos Iniciais do Ensino Fundamental - TV

Escola/ Salto para o Futuro, Brasília, ano XIX, n. 12, p. 10-16,

set. 2009.

CASTANHEIRA, M. L. et al. Interactional Ethnography: an

approach to studying the social construction of literate practices.

Linguistics and Education, [S.l.], v. 11, n. 4, p. 353-400, 2001.

CASTANHEIRA, M. L.; NEVES, V. F. A.; GOUVÊA, M. C.

S. Eventos interacionais e eventos de letramento: um exame

das condições sociais e semióticas da escrita em uma turma de

educação infantil. Cadernos. CEDES, Campinas, v. 33, n. 89,

jan./abr. 2013.

CORSARO, W. The Sociology of childhood. 2nd ed. London:

Sage, 2005.

CHARLOT, B. (Org.). Os jovens e o saber: perspectivas

mundiais. Porto Alegre: Artmed, 2001.

DOMINICI, I. A educação infantil e os eventos de letramentos

em uma turma de 5 anos. Dissertação (Mestrado)__Faculdade

de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais., Belo

Horizonte, 2014.

GOMES, M. F. C.; NEVES, V. F. A.; OLIVEIRA, L. S.

Aproximações entre a Psicologia Histórico-cultural e a

Etnografia Interacional. Juiz de Fora: UFJF, 2012.

GUMPERZ, J. J. Convenções de contextualização. In:

RIBEIRO, B. T.; GARCEZ, P. M. (Org.). Sociolinguística

Interacional. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2002. p. 149-182.

HEATH, S. B. Ways with words: language, life, and work in

communities and classrooms. New York: Cambridge University

Press, 1983.

KRAMER, S. O papel da Educação Infantil na formação do

leitor: descompassos entre as políticas, as práticas e a produção

acadêmica. In: FRADE, I. C. A. et al.(Org.). Convergências e

tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo

Horizonte: Autêntica. 2010. p. 111-133.

LAHIRE, B. Sucesso escolar nos meios populares: as razões do

improvável. São Paulo: Ática, 1997.

NEVES, V. F. A.; GOUVÊA, M. C. S.; CASTANHEIRA, M.

L. A passagem da educação infantil para o ensino fundamental:

tensões contemporâneas. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.

, n. 1, p. 121-140, jan./abr. 2011.

PACKER, M. J.; GOICOECHEA, J. Sociocultural an

Constructivist Theories of Learning: Ontology, just not

Epistemology. Educational Phychologist, v. 35, n. 94, p. 227-

, 2000.

PINO, A. O social e o cultural na obra de Vigotski. Educação &

Sociedade, Campinas, v. 21, n. 71, p. 45-78, jul. 2000.

PRESTES, Z. R. Quando não é quase a mesma coisa: Traduções

de Lev Semionovitch Vigotski no Brasil. Campinas: Autores

Associados, 2012.

SARMENTO, M. Sociologia da Infância: correntes e

confluências. In: SARMENTO, M.; GOUVÊA, M. C. S. (Org.).

Estudos da infância: educação e práticas sociais. Petrópolis,

RJ: Vozes, 2008. p. 17-39.

SHERY, K. Sou a maior coisa que há no mar. São Paulo:

Rocco, 2010.

STREET, B. Literacy in theory and practice. Cambridge:

Cambridge University Press, 1984.

STRIKE, K. A. On the expressive potential of behaviorist

language. American Educational Research Journal, v. 11, n. 2,

p. 103-120, 1974.

VIGOTSKI, L. S. Obras Escogidas (1983). Madrid:

Aprendizage, 1995. v. 3.

VIGOTSKI, L. S. Obras Escogidas (1934). Madrid:

Aprendizage, 1993. v. 2.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: