Percepção e Ontogênese: modulações transdisciplinares da subjetividade

Danilo Melo

Resumo


Atravessando as principais teorias e sistemas da psicologia onde o problema da percepção é abordado, não se verifica uma dedicação profunda aos processos por meio dos quais os fenômenos perceptivos são constituídos. Predomina aí o pressuposto da percepção e do objeto percebido como elementos “dados” ontologicamente, ou seja, já constituídos previamente à experiência perceptiva. Na contramão desta abordagem ontológica, buscaremos compreender os processos ontogenéticos através dos quais os fenômenos perceptivos são criados, estruturam-se e modificam-se. Para isso, abordaremos a percepção a partir de uma perspectiva transdisciplinar onde ressoam elementos da biologia, etologia, filosofia e artes. No centro dessa investigação, o corpo emerge como sede dos processos cognitivos e foco das intervenções clínicas, como meio de constituição e transformação da subjetividade.


Palavras-chave


percepção; ontogênese; transdisciplinaridade; corpo; subjetividade

Texto completo:

PDF

Referências


BERGSON, H. Matéria e memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

BERGSON, H. As direções divergentes da evolução: torpor, instinto e inteligência. In: ______. A evolução criadora. São Paulo: Martins Fontes, 2005. p. 105-201.

BERGSON, H. A percepção da mudança. In: ______. O pensamento e o movente. São Paulo: Martins Fontes, 2006. p. 149-182.

CANGUILHEM, G. Le normal et le pathologique. Paris: PUF, 2003.

DELEUZE, G. A imagem do pensamento. In: ______. Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal, 1988. p. 216-273.

DELEUZE, G. Francis Bacon: lógica da sensação. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2007.

DEWEY, J. O conceito de arco reflexo. In: BORING, E. G.; HERRNSTEIN, R. J. (Org.). Textos básicos de história da Psicologia. São Paulo: Herder/Edusp, 1971. p. 197-220.

DO EIRADO, A. et al. Memória e alteridade: o problema das falsas lembranças. Mnemosine, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 75-86, 2006.

DO EIRADO, A. et al. Estratégias de pesquisa no estudo da cognição: o caso das falsas lembranças. Psicologia & Sociedade, Florianópolis, v. 22, n. 1, p. 84-94, jan./abr. 2010. doi.org/10.1590/S0102-71822010000100011.

FERREIRA, A. A. L. (Org.). Percepção. In: ______. A pluralidade do campo psicológico. Rio de Janeiro: UFRJ, 2010. p. 215-251.

FOUCAULT, M. A psicologia de 1850 a 1950. In: MOTTA, M. B. (Org.). Problematização do sujeito: Psicologia, Psiquiatria e Psicanálise. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999. Coleção Ditos & Escritos, v. 1, p. 133-151.

GODARD, H. Olhar cego. Entrevista com Hubert Godard, por Suely Rolnik. In: Lygia Clark: da obra ao acontecimento. Somos o molde. A você cabe o sopro. São Paulo: Pinacoteca do Estado de São Paulo, 2006. p. 73-80.

GONDAR, J. Ciências humanas e transdisciplinaridade: a relação da ciência com a linguagem. História & Perspectivas, Uberlândia, n. 25/26, p. 81-97, 2002.

GONDAR, J. Quatro proposições sobre memória social. In: GONDAR, J.; DODEBEI, V. (Org.). O que é memória social? Rio de Janeiro: Contra-Capa, 2005. p. 11-26.

GUATTARI, F. A transversalidade. In: ______. Psicanálise e transversalidade: ensaios de análise institucional. Aparecida, SP: Ideias e Letras, 2004. p. 101-117.

GUILLAUME, P. Psicologia da forma. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1960.

KASTRUP, V. A invenção de si e do mundo. Campinas: Papirus, 1999.

KASTRUP, V.; TEDESCO, S.; PASSOS, E. Políticas da Cognição. Porto Alegre: Sulina, 2008.

KOFFKA, K. Princípios de psicologia da Gestalt. São Paulo: Cultrix/Edusp, 1975.

KÖHLER, W. A inteligência dos antropoides. In: ENGELMANN, A. (Org.). Wolfgang Köhler: psicologia. São Paulo: Ática, 1978. p. 39-56.

MELO, D. Subjetividade e perspectivismo: a dissolução do sujeito metafísico a partir de uma lógica das relações em Nietzsche. Revista Trágica: estudos sobre Nietzsche, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 25-36, 1º sem. 2011. Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2016.

MERLEAU-PONTY, M. Conversas – 1948. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

PASSOS, E.; BARROS, R. A construção do plano da clínica e o conceito de transdisciplinaridade. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 16, n. 1, p. 71-79, jan./abr. 2000. doi.org/10.1590/S0102-37722000000100010.

PENNA, A. G. Percepção e Realidade. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1973.

PENNA, A. G. Introdução à psicologia cognitiva. São Paulo: EPU, 1999.

PIAGET, J. Les mechanisms perceptifs. Paris: PUF, 1961.

SEIDL DE MOURA, M. L.; CORREA, J. Introdução ao estudo psicológico do pensamento: de W. Wundt ao projeto de uma ciência da cognição. Rio de Janeiro: EDUERJ, 1997.

SIMONDON, G. L’Individuation à la lumière des notions de forme et d’information. Grenoble: Jérôme Millon, 2005.

SIMONDON, G. Cours sur la Perception (1964-1965). Chatou: Les Éditions de la Transparence, 2006.

SIMONDON, G. Du mode d’existence des objets techniques. Paris: Aubier, 2012.

SKINNER, B. F. Sobre o Behaviorismo. São Paulo: Cultrix/ Edusp, 1974.

UEXKÜLL, J. von. Dos animais e dos homens. Lisboa: Livros do Brasil, 1982.

VARELA, F. Invitation aux sciences cognitives. Paris: Seuil, 1996.

VARELA, F. O reencantamento do concreto. São Paulo: Cadernos de Subjetividade, 2003.

WERTHEIMER, M. Leis da Gestalt e fatores de organização. In: SAHAKIAN, W. S. (Org.). Aprendizagem: sistemas, modelos e teorias. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980. p. 32-49.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v29i2/2159

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: