A psicologia é sua própria crise? Sobre o sentido epistemológico da presença da filosofia no cerne da psicologia moderna

Léa Silveira

Resumo


O objetivo do artigo é esboçar uma reflexão sobre o fato de o surgimento da autonomia da psicologia não poder ser compreendido a não ser como um destino específico, tortuoso e paradoxal dos encaminhamentos modernos do pensamento filosófico ocidental. Para tanto, a argumentação tomará como problema inicial a consideração de que se interpuseram dois séculos entre os primórdios galileanos da lei da inércia e as primeiras efetivações da transposição da metodologia da física matemática a fenômenos de ordem psicológica. O texto seguirá, a partir daí, dois movimentos: 1- Um primeiro passo será dedicado a alguns aspectos filosóficos vinculados às condições de surgimento da psicologia moderna; 2- Um segundo passo será aludir a dois diagnósticos contemporâneos – um de G. Canguilhem, outro de M. Foucault – de sua situação ideológica e epistemológica.


Palavras-chave


epistemologia da psicologia; filosofia; modernidade

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Metafísica. Porto Alegre: Globo, 1969.

BERNARD, M. A psicologia. In: CHÂTELET, F. (Org.). História da filosofia, idéias e doutrinas: a filosofia das ciências sociais de 1860 aos nossos dias. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1974. p. 17-98.

BRÉHIER, É. Francis Bacon e a filosofia experimental (1938). In: ______. História da filosofia. São Paulo: Mestre Jou, 1977. p. 27-48.

CANGUILHEM, G. Que é a psicologia? (1958). Rev. Impulso, v. 11, n. 26, p. 11-26, 1999.

COMTE, A. Cours de philosophie positive: Philosophie première (1830-1842). Paris: Hermann, 1975. v. 1.

DESCARTES, R. Meditações metafísicas (1641). Tradução de J. Guinsburg e Bento Prado Júnior. São Paulo: Abril Cultural, 1972. Coleção Os Pensadores.

DESCARTES, R. Les príncipes de la philosophie (1644). In: ADAM, C.; TANNERY, P. (Ed.). Oeuvres de Descartes. Paris: J. Vrin/CNRS, 1996. v. 9, p. 1-326.

DESCARTES, R. As paixões da alma (1650). São Paulo: Abril Cultural, 1972. Coleção Os Pensadores.

DUHEM, P. La physique d’Aristote. In: ______. L’aube du savoir – Épitomé du système du monde (1913-1959). Paris: Hermann, 1997. p. 41-76.

FECHNER, G. T. Elements of psychophysics (1860). Tradução de H. E. Adler. Nova York: Holt, Rinehart & Winston, 1966. v. 1.

FERREIRA, A. A. L. A medida como prova de um mundo pleno: o lugar da psicofísica na obra de Gustav Fechner. Scientiarum Historia IV. Livro de Atas. Rio de Janeiro: UFRJ, 2011. v. 1. p. 677-683. Disponível em: http://www.hcte.ufrj.br/downloads/sh/sh4/trabalhos/Arthur%20Arruda%20A%20MEDIDA%20COMO%20PROVA%20DE%20UM%20MUNDO%20PLENO.pdf. Acesso em: 13 maio 2017.

FERREIRA, A. A. L. A Crítica da Razão Pura e a História da Psicologia: de objeto histórico a instrumento de análise. Estudos kantianos, v. 3, n. 2, p. 181-194, jul./dez. 2015. Disponível em: http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/ek/article/view/5652/3876. Acesso em: 15 mar. 2016.

FIGUEIREDO, L. C. Matrizes do Pensamento Psicológico. Petrópolis, RJ: Vozes, 1991.

FIGUEIREDO, L. C. Invenção do psicológico: quatro séculos de subjetivação. São Paulo: Escuta/Educ, 1992.

FIGUEIREDO, L. C. M.; SANTI, P. L. R. de. Psicologia: uma (nova) introdução. Uma visão histórica da psicologia como ciência. 2. ed. São Paulo: EDUC, 2003.

FOUCAULT, M. A Psicologia de 1850 a 1950 (1957). In: MOTTA, M. B. (Org.). Problematização do sujeito: Psicologia, Psiquiatria e Psicanálise. Tradução de Elisa Monteiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999. Coleção Ditos & Escritos, v. 1, p. 122-139.

FOUCAULT, M. Filosofia e psicologia (1965). In: ______. Problematização do sujeito: psicologia, psiquiatria e psicanálise. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999. Coleção Ditos & Escritos, v. 1, p. 220-231.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas (1966). São Paulo: Martins Fontes, 1992.

FOUCAULT, M. Arqueologia do saber (1969). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

GALILEI, G. O ensaiador (1623). São Paulo: Abril Cultural, 1978. Coleção Os Pensadores.

GALILEI, G. Diálogo sobre os dois máximos sistemas do mundo ptolomaico e copernicano (1632). São Paulo: Discurso, 2004.

GRÉCO, P. Epistemologia da psicologia (1967). Porto: Nova Crítica, 1976.

HERNSTEIN, R. J.; BORING, E. G. Textos básicos de história da psicologia (1965). São Paulo: Herder, 1971.

JAMES, W. Fechner, por William James (1909). In: FECHNER, G. T. Da anatomia comparada dos anjos. São Paulo: Editora 34, 1998. p. 91-142.

KANT, I. Crítica da razão pura (1781). Tradução de Manuela Pinto dos Santos e Alexandre Fradique Morujão. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1985.

KANT, I. Premiers principes métaphysiques de la science de la nature (1786). Trad. François De Gandt. In: Des Prolégomènes aux écrits de 1791. Paris: Gallimard, 1980. Oeuvres philosophique, v. 2, p. 363-493.

KÖHLER, W. Psicologia da Gestalt (1968). Belo Horizonte: Itatiaia, 1980.

KOYRÉ, A. Do mundo fechado ao universo infinito (1957). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1979.

KOYRÉ, A. Galileu e Platão (1943). In: ______. Estudos de história do pensamento científico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1991a, p. 152-180.

KOYRÉ, A. Galileu e a revolução científica do século XVII (1955). In: ______. Estudos de história do pensamento científico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1991b. p. 181-196.

LONGUENESSE, B. Cogito kantien et cogito cartésien. In: FICHANT, M.; MARION, J.-L. (Org.). Descartes en Kant. Paris: PUF, 2006. p. 241-271.

NEWTON, I. Princípios matemáticos da filosofia natural (1687). São Paulo: Abril Cultural, 1983. Coleção Os pensadores.

PENNA, A. G. História das idéias psicológicas. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1980/1981.

POLITZER, G. Crítica dos fundamentos da psicologia (1928). São Paulo: Unimep, 1998.

PORCHAT, O. A apreensão dos princípios. In: ______. Ciência e dialética em Aristóteles. São Paulo: Unesp, 2000. p. 337-393.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v30i1/1454

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: