Psicoterapia e psicofarmacologia: a percepção de psicólogos

Camila Bianca Figueiredo Azevedo, Joseny Alves Fagundes, Ângela Fernanda Santiago Pinheiro

Resumo


Este trabalho tem como objetivo, compreender como os psicólogos inseridos na Secretaria Municipal de Saúde de Montes Claros - MG, no ano de 2015, veem estes três eixos pertinentes: psicoterapia, psicofármacos e a relação existente entre eles. Trata-se de um estudo do tipo quantitativo e qualitativo, de corte transversal, de uma amostra censitária, com enfoque exploratório e delineamento de estudo de caso. Foi realizada uma análise de 27 questionários de psicólogos no período de janeiro a julho de 2015. Através da discussão e dos resultados, foi possível compreender que a maioria dos psicólogos percebem os psicofármacos como auxiliadores no processo psicoterápico e que concordam que alguns pacientes necessitam utilizar os psicofármacos durante este processo. Conclui-se então que, esta pesquisa possibilitou compreender como se encontra, atualmente, o cenário do atendimento psicológico na rede da Secretaria Municipal de Saúde de Montes Claros - MG.


Palavras-chave


psicofármacos; psicoterapia; atitudes e prática em saúde; visão de psicólogos

Texto completo:

PDF

Referências


AROUCA, S. Reforma sanitária. Rio de Janeiro, 1998. Disponível em: http://bvsarouca.icict.fiocruz.br/sanitarista05.html. Acesso em: 30 out. 2014.

BARREIROS, J. A. B. A. Explicitação dos processos de mudança em psicoterapia de orientação psicodinâmica em pacientes com dor crônica. 2012. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica), Instituto Universitário, Lisboa, Portugal, 2012. Disponível em: http://hdl.handle.net/10400.12/2566. Acesso em: 27 jun. 2016.

BENIA, L. R. Desemprego: luto ou melancolia. 2000. 110 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social e Institucional)Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 2000.

BEZERRA, M. L. M. Psicofarmacologia e psicoterapia: mitos, benefícios e interferências. In: ENCONTRO PARANAENSE, CONGRESSO BRASILEIRO, CONVENÇÃO BRASIL/LATINO-AMÉRICA, 13., 8., 2., 2008. Anais... Curitiba: Centro Reichiano, 2008. CD-ROM.

BIRMAN, J. Mal-estar na atualidade: a psicanálise e as novas formas de subjetivação. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

BOTEGA, N. J. Prática psiquiátrica no hospital geral. Porto Alegre: Artmed, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 196/96 de 14 de janeiro de 1987. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Disponível em: http://www.ufrgs.br/bioetica/res19696.htm. Acesso em: 15 ago. 2014.

CABRAL, A. C. C.; FABRI, R. F. Conhecimento sobre a doença e expectativas do tratamento em familiares de pacientes no primeiro episódio psicótico: um estudo transversal. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, v. 27, n. 1, p. 32-38, jan./abr. 2005. doi: 10.1590/S0101-81082005000100004

CANGUILLHEM, G. O Normal e o patológico. Tradução de Maria Tereza Redig de Carvalho Barrocas. 6. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

CARDOSO, L; GALERA, S. A. F. Doentes mentais e o seu perfil de adesão ao tratamento psicofarmacológico. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 43, n. 1, p. 161-167, mar. 2009. doi: 10.1590/S0080-62342009000100021

CARVALHO, S. R. et al. Medicalização: uma crítica (im) pertinente? Physis, Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 25, n. 4, p. 1251-1269, out./dez. 2015. doi: 10.1590/S0103-73312015000400011

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução n. 010/05, de 12 de maio de 2005. Código de Ética Profissional do Psicólogo. 2005. Disponível em: https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/07/codigo-de-etica-psicologia.pdf. Acesso em: 20 abr. 2016.

CORDEIRO, H. O Instituto de Medicina Social e a Luta pela Reforma Sanitária: Contribuição à História do SUS. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 343-362, jul. 2004. doi: 10.1590/S0103-73312004000200009

CURY, J. A. Inteligência multifocal: análise da construção dos pensamentos e da formação dos pensadores. São Paulo: Pensamento/Cutrix, 1998.

EELLS, T. D. Psychotherapy versus medication for unipolar depression. Journal of Psychotherapy Practice and Research, v. 8, n. 2, p. 170-173, 1999.

FRANCO, L. T. A impressão de psicoterapeutas em treinamento sobre a importância de psicotrópicos para o tratamento de sofrimentos psíquicos. 2012. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Psicologia)__Universalidade Católica de Brasília, Brasília, 2012. Disponível em: https://repositorio.ucb.br/jspui/bitstream/10869/5681/5/La%C3%ADs%20Tartuce%20Franco.pdf. Acesso em: 18 out. 2015.

FREY, B. N.; MABILDE, L. C.; EIZIRIK, C. L. A integração da psicofarmacoterapia e psicoterapia de orientação analítica: uma revisão crítica. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 118-123, 2004. doi: 10.1590/S1516-44462004000200009

GABBARD, G. O. Psiquiatria psicodinâmica: baseado no DSM-IV. 2. ed. São Paulo: Artes Médicas Sul, 1994.

GENTIL, V. et al. Clomipramine-induced mood and perceived performance changes in selected healthy individuals. Journal of Clinical Psychopharmacology, v. 27, n. 3, p. 314-315, jun. 2007. doi: 10.1097/01.jcp.0000270084.15253.5c

HOGA, L. A. K. A dimensão subjetiva do profissional na humanização da assistência à saúde: uma reflexão. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-20, mar. 2004. doi: 10.1590/S0080-62342004000100002

KIMURA, A. M. Psicofármacos e psicoterapia: a visão de psicólogos sobre medicação no tratamento. 2005. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Psicologia)__Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade São Judas Tadeu, São Paulo, 2005. Disponível em: http://newpsi.bvs-psi.org.br/tcc/220.pdf. Acesso em: 22 out. 2015.

MACHADO, J. S. A. Gênero sem razão: mulheres e loucura no sertão norte mineiro. 2009. Dissertação (Mestrado)__Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros, 2009. Disponível em: http://livros01.livrosgratis.com.br/cp115728.pdf. Acesso em: 12 jan. 2015.

MENDONÇA, A. M. G. Reforma psiquiátrica em Montes Claros: Perspectiva Histórica. 2009. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Social)__Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros, 2009. Disponível em: http://livros01.livrosgratis.com.br/cp115727.pdf . Acesso em: 20 dez. 2017.

NECKEL, G. L. et al. Desafios para a ação interdisciplinar na atenção básica: implicações relativas à composição das equipes de saúde da família. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14 (supl 1), p. 1463-1472, set./out. 2009. doi: 10.1590/S1413-81232009000800019

OCCHINI, M.; TEIXEIRA, M. Atendimento a pacientes dependentes de drogas: atuação conjunta do psicólogo e do psiquiatra. Estudos de Psicologia, Natal, v. 11, n. 2, p. 229-236, maio/ago. 2006. doi: 10.1590/S1413-294X2006000200012

PAULIN, T.; LUZIO, C. A. A Psicologia na Saúde Pública: desafios para a atuação e formação profissional. Revista de Psicologia da UNESP, Assis, v. 8, n. 2, p. 98-109, 2009. Disponível em: http://observatoriodasauderj.com.br/wp-content/uploads/2017/05/A_Psicologia_na_Saude_Publica_desafios_p.pdf. Acesso em: 23 jun. 2015.

POWELL, A. D. The medication life. The Journal of Psychotherapy Practice and Research, v. 10, n. 4, p. 217-222, 2001. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3330671/. Acesso em: 15 mar. 2016.

RIBEIRO, J. P. Processo de mudanças em psicoterapia: reflexões sobre uma teoria da psicoterapia. Arquivo Brasileiro de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 36, n. 2, p. 99-107, abr./jun. 1984. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/abp/article/viewFile/18987/17727. Acesso em: 15 mar. 2016.

ROMANO, B. W. Princípios para a prática da psicologia clínica em hospitais. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999.

SAFFER, P. L. O desafio da integração psicoterapia-psicofarmacoterapia: aspectos psicodinâmicos. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, v. 29, n. 2, p. 223-232, ago. 2007. doi: 10.1590/S0101-81082007000200015

SADOCK, B. J. Signs and Symptoms in Psychiatry. In: SADOCK, B. J.; SADOCK V. A. (Ed). Comprehensive textbook of psychiatry. 7th ed. Baltimore: Lippincott Williams & Wilkins, 2000. p. 677-89.

TELES, M. L. S. O que é Psicologia? São Paulo, 2003.

TENGAN, S. K.; MAIA, A. K. Psicoses funcionais na infância e adolescência. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 80, n. 2, supl. p. 3-10, abr. 2004. doi: 10.1590/S0021-75572004000300002

VASCONCELOS, E. M. (Org.). Saúde mental e serviço social: o desafio da subjetividade e da interdisciplinaridade. São Paulo: Cortez, 2002.




DOI: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v30i2/5568

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: