Práticas em psicologia, formação e resistência da vida

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/1984-0292/2022/v34/5924

Palavras-chave:

psicologia, formação, resistência, vida, universidade

Resumo

Neste artigo busco pensar possibilidades de resistência da vida na universidade e no processo de formação dos estudantes, a partir de duas práticas desenvolvidas no Curso de Psicologia da Universidade Federal de Catalão/UFCAT: o Sarau Psi (ação de extensão e cultura) e a Roda de Cantoria no CAPS (atividade do estágio supervisionado específico). O sarau é apreendido como espaço-tempo de experimentação de outras maneiras de estar juntos na universidade, suscitando pequenos acontecimentos em defesa de uma Educação menor, realizada nas brechas das normas institucionalizadas. Na mesma perspectiva, a Roda de Cantoria no CAPS possibilita um aprendizado inventivo como empreendimento de saúde para os usuários, os estagiários e a professora/orientadora do estágio. Essas práticas menores, vitais para os corpos no limite da exaustão, afirmam diferentes temporalidades e territórios existenciais na contramão dos embrutecimentos cotidianos presentes nas instituições em tempos de incertezas e retrocessos inaceitáveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tânia Maia Barcelos Maia Barcelos, Universidade Federal de Catalão, Goiás, GO

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal de Uberlândia (1988), mestrado em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1999), doutorado em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2006) e pós-doutorado em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia. Atualmente é professora associada do Curso de Psicologia da Universidade Federal de Catalão-GO. Tem experiência na área de Psicologia, atuando, principalmente, nos seguintes temas: processos educativos/escolares e comunitários; produção de subjetividade e cultura.

Referências

ALBUQUERQUE Júnior, Durval Muniz. Por um ensino que deforme: o docente na pós-modernidade. Disponível em: https://scholar.google.com.br/scholar?oi=bibs&hl=pt-BR&cluster=9606171648281521477. Acesso em: 10 jul. 2017.

ALMEIDA, Bruno Vasconcelos de. Passagens da alegria à beatitude na clínica e na literatura. In: ______. (Org). Pensar através da literatura. Belo Horizonte: FUMARC, 2014. p. 37-41.

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. Disponível em: http://www.ccs.saude.gov.br/saude_mental/pdf/sm_sus.pdf. Acesso em: 1 fev. 2017.

CEDRAZ, Ariadne; DIMENSTEIN, Magda. Oficinas terapêuticas no cenário da Reforma Psiquiátrica: modalidades desinstitucionalizantes ou não? Revista Mal-Estar e Subjetividade, Fortaleza, v. 5, n. 2, p. 300-327, 2005. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-61482005000200006&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 24 jan. 2017.

COSTA, Sylvio de Souza Gadelha. Crítica e clínica. Tradução de Peter Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 1997.

COSTA, Sylvio de Souza Gadelha. De fardos que podem acompanhar a atividade docente ou de como o mestre pode devir burro (ou camelo). Educação & Sociedade [online], Campinas, v. 26, n. 93, p. 1257-1272, 2005. https://doi.org/10.1590/S0101-73302005000400009

DELEUZE, Gilles. Conversações. Tradução de Peter Pál Pelbart. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Suely Rolnik. São Paulo: Editora 34, 1997. v. 4.

FERREIRA NETO, João Leite. A formação do psicólogo: clínica, social e mercado. São Paulo: Escuta, 2004; Belo Horizonte: Fumec, 2004.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. 25. ed. São Paulo: Paz e terra, 2002.

GALLO, Sílvio. Deleuze & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

GANEGBIN, Jeanne Marie. O método desviante: algumas teses impertinentes sobre o que não fazer num curso de filosofia. Revista Trópico [online], 2006. Disponível em: https://uspcaf.files.wordpress.com/2011/06/gagnebin-j-m-o-mc3a9todo-desviante.pdf. Acesso em: 14 jul. 2017.

HENZ, Alexandre de Oliveira. Formação como deformação: esgotamento entre Nietzsche e Deleuze. Revista mal-estar e subjetividade, Fortaleza, v. 9, n. 1, p. 135-159, 2009. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-61482009000100006&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 17 out. 2017.

KASTRUP, Virgínia. Políticas cognitivas na formação do professor e o problema do devir-mestre. Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, p. 1273-1287, 2005. https://doi.org/10.1590/S0101-73302005000400010

LIMA, Elizabeth Araújo. Oficinas, Laboratórios, Ateliês, Grupos de Atividades: dispositivos para uma clínica atravessada pela criação. In: COSTA, Clarice Moura; FIGUEIREDO, Ana Cristina. Oficinas terapêuticas em saúde mental: sujeito, produção e cidadania. Rio de Janeiro, Contra Capa Livraria, 2004. p. 59-81. Coleções IPUB.

MACHADO, Leila Aparecida Domingues. Capitalismo e configurações subjetivas. In: ABDALLA, Maurício; BARROS, Maria Elizabeth Barros de (Org.). Mundo e sujeito: aspectos subjetivos da globalização. São Paulo: Paullus, 2004. v. 1, p. 164-172.

MANCEBO, Deise; ROCHA, Marisa Lopes da. Neoliberalismo e universidade: reflexões sobre a formação na interface Psicologia/Educação. Acheronta [online], Buenos Aires, v. 11, p. 274-280, 2000. Disponível em: http://www.acheronta.org/pdf/acheronta11.pdf. Acesso em: 12 set. 2017.

MANCEBO, Deise; ROCHA, Marisa Lopes da. Avaliação na educação superior e trabalho docente. Interações, São Paulo, v. 7, n. 13, p. 55-75, 2002. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-29072002000100005&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 20 jan. 2017.

ORLANDI, Luiz B. L. Que estamos ajudando a fazer de nós mesmos? In: RAGO, Margareth; ORLANDI, Luiz B. L.; VEIGA-NETO, Alfredo. (Org.). Imagens de Foucault e Deleuze: ressonâncias nietzschianas. Rio de Janeiro: DP&A, 2002a. p. 217-238.

ORLANDI, Luiz B. L. Corpo e nomadismo. In: BRUHNS, Heloísa Turini; GUTIERRES, Gustavo L. (Org.). Enfoques contemporâneos do lúdico: III ciclo de debates lazer e motricidade. Campinas, SP: Autores Associados, 2002b. p. 71-79.

ORLANDI, Luiz B. L. Deleuze. In: PECORARO, Rossano (Org.). Os filósofos clássicos da Filosofia: de Ortega y Gasset a Vattimo. Petrópolis, RJ: Vozes; PUC-Rio, 2009. p. 256-279. v. 3.

PELBART, Peter Pál. Manicômio mental: a outra face da clausura. In: LANCETTI, Antônio. (Org.). Saúde e Loucura 2. São Paulo: Hucitec, p.131-138, 1990.

PELBART, Peter Pál. A nau do tempo rei: 7 ensaios sobre o tempo da loucura. Rio de Janeiro: Imago, 1993.

PELBART, Peter Pál. Como viver só. Palestra proferida na 27ª Bienal de São Paulo realizada em 4 de agosto de 2006. Disponível em: http://saudemicropolitica.blogspot.com/2014/05/como-viver-so-palestra-com-peter-pal.html. Acesso em: 10 jul. 2017.

PELBART, Peter Pál. Políticas da vida, produção do comum e a vida em jogo. Saúde e Sociedade [online], São Paulo, v. 24, suppl.1, p. 19-26, 2015. https://doi.org/10.1590/S0104-12902015S01002

PELBART, Peter Pál. Tudo o que muda com os secundaristas. Outras palavras [online], 13 de maio de 2016. Disponível em: http://outraspalavras.net/brasil/pelbart-tudo-o-que-muda-com-os-secundaristas/. Acesso em: 24 jan. 2017.

ROCHA, Marisa Lopes da; ROCHA, Décio. Produção de conhecimento, práticas mercantilistas e novos modos de subjetivação. Psicologia & Sociedade, v. 16, n. spe, p. 13-36, 2004.

ROLNIK, Suely B. Pensamento, corpo e devir: uma perspectiva ético/estético/política no trabalho acadêmico. Cadernos de Subjetividade, PUC/São Paulo, v. 1, n. 2, p. 241-51, 1993.

ROMAGNOLI, Roberta Carvalho; MOREIRA, Jacqueline de Oliveira; NEVES, Edwiges de Oliveira. O surgimento da clínica psicológica: da prática curativa aos dispositivos de promoção de saúde. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 27, n. 4, p. 608-621, 2007. https://doi.org/10.1590/S1414-98932007000400004

ROSSET, Clement. Alegria: a força maior. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

SANT’ANNA, Denise Bernuzzi de. Corpos de passagem: ensaios sobre a subjetividade contemporânea. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.

ZOURABICHVILI, François. O vocabulário de Deleuze. Tradução de André Teles. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004.

Downloads

Publicado

2022-06-25

Como Citar

BARCELOS, T. M. B. M. Práticas em psicologia, formação e resistência da vida. Fractal: Revista de Psicologia, v. 34, p. Publicado em 25/06/2022, 25 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos