O significado do lulismo na vida política brasileira: direitos e institucionalização das lutas à luz da Constituição de 88

Autores

  • Josué Medeiros Universidade Federal do Rio de Janeiro

Resumo

O objetivo do artigo é analisar a crise da democracia brasileira a partir das relações entre o fenômeno político do lulismo e a Constituição de 1988. Nossa hipótese é que o lulismo, para além da um realinhamento eleitoral, é herdeiro de um conjunto de lutas por direitos que atravessam a Carta Constitucional e das dinâmicas de institucionalização desses direitos. Chamamos esse conjunto de lutas de petismo e argumentamos que o lulismo foi um dos seus resultados possíveis. Nesse sentido, a presente crise da democracia se viabilizou com dois eventos – o golpe parlamentar de 2016 e a prisão de Lula em 2018 – que, juntos, serviram para interditar o lulismo da disputa política, alterando radicalmente o padrão de competição eleitoral vigente desde 1989. Desenvolvemos o argumento de que essa interdição tem um sentido para além do desiquilíbrio das eleições: a coalizão que assumiu o poder em 2016 e depois ajudou a eleger e sustentar o bolsonarismo necessita cancelar a própria relação entre lutas e direitos que desaguaram no lulismo de modo a anular as dimensões democráticas da Constituição de 88 e instaurar a hegemonia do neoliberalismo antidemocrático no Brasil.
Palavras-chaves:Democracia; neoliberalismo; lulismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josué Medeiros, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor Adjunto do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Downloads

Publicado

2021-06-11

Edição

Seção

Artigos