MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA (MST) NO BRASIL E AS PERSPECTIVAS DE LUTA PÓS-GOLPE 2016

Rose Márcia da Silva

Resumo


Trata-se de um estudo sobre a organização, dinâmica, estratégias de luta e perspectivas do MST na conjuntura pós Golpe 2016 até o processo eleitoral 2018, tendo como referência com base em autores materialistas histórico-dialético e levantamento de dados, documentos, reportagens e declarações de líderes. Diante do atual contexto sócio-histórico-político, as contradições e a luta de classes encontram-se acirradas e o MST tem se destacado como um dos principais movimentos de luta anticapitalista nas mobilizações pós golpe no país, pela reforma agrária popular, pela liberdade e pela democracia.

Palavras-chave


Movimentos Sociais; MST; Golpe; Resistência; Democracia.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Meios sem fim: notas sobre a política. Tradução de Davi Pessoa Carneiro. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

BOITO JR, Armando. A natureza da crise política brasileira. Le Monde

Diplomatique – Brasil. Número 104, março de 2016. Disponível em

http://www.adunicamp.org.br/wp-content/uploads/2016/03/Le_Monde_Diplomatique_

Brasil_2016_Reduzido.pdf. Acesso em: 20 mar. 2018.

BRINGEL, Breno. Crisis política y polarización en Brasil: de las protestas de 2013 algolpe de 2016. In: BRINGEL, Breno... [et al.]. Protesta e indignación global: Los movimientos sociales en el nuevo orden mundial. 1 ed. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO; Rio de Janeiro: FAPERJ, 2017.

CAMPELLO, Tereza; GENTILI, Pablo. As múltiplas faces da desigualdade. In: CAMPELLO, Tereza (Coord.). Faces da Desigualdade no Brasil. Um olhar sobre os que ficam para trás. Brasília, DF: Faculdade Latino Americana de Ciências Sócias; Conselho latino Americano de Ciências Sociais, 2017.

CALIXTRE, André; FAGNANI, Eduardo. A política social e os limites do experimento desenvolvimentista (2003-2014). Texto para Discussão. Instituto de Economia. Unicamp. IE, Campinas, n. 295, maio 2017. Disponível em https://www8.eco.unicamp.br/Publicacoes/textos-para-discussao. Acesso em: 23 mar. 2018.

FONTES, Virgínia. Para pensar o capital-imperialismo contemporâneo: concentração de recursos sociais de produção e expropriações. In: . O Brasil e o capital imperialismo: teoria e história. 2. ed. Rio de Janeiro: EPSJV/Editora UFRJ, 2010.

FRENTE BRASIL POPULAR. Carta ao Povo Brasileiro da Frente Brasil Popular, de 31/08/2018. Página do MST. Disponível em

http://www.mst.org.br/2018/08/31/precisaremos-de-muita-luta-e-unidade-para-abrir-um-novo-periodo-de-democracia.html. Acesso em: 03 set. 2018.

FRIGOTTO, Gaudêncio. O DNA golpista da minoria prepotente e o renascer da política nas massas populares no Brasil. Editorial Política. Carta Capital. De 12/04/2016. Disponível em https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/O-DNAgolpista-da-minoria-prepotente-e-o-renascer-da-politica-nas-massas-populares-noBrasil/4/35931. Acesso em: 03 jun. 2018.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. 6. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

HARVEY, David. O enigma do capital e as crises do capitalismo. Tradução de Joao Alexandre Peschanski. São Paulo, SP: Boitempo, 2011.

MARX, Karl. Sobre a questão judaica. Trad. Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2010.

_________. O 18° brumário de Luís Bonaparte. Trad. Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2011.

_________; ENGELS, Friedrich. A ideologia Alemã. [Introdução de Jacob

Gorender]; trad. Luis Claudio de Castro e Costa. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

MATTOS, Marcelo Badaró. Classes sociais e luta de classes: a atualidade de um debate conceitual. Revista Em Pauta (n. 20), 2007.

MENEZES, Antonio Carneiro. Conferência “Terra e Resistência - Análise de Conjuntura”. In: Jornada Universitária em Defesa da Reforma Agrária (JURA) – (informação verbal). Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Cuiabá, 2018.

POULANTZAS, Nicos. O Estado, o poder, o socialismo. Rio de Janeiro: Graal,1980.

ROSSET, Peter. La guerra por la tierra y el território. NERA – Núcleo de Estudos, Pesquisas e Projetos de Reforma Agrária – Art. do mês: junho de 2009. Disponível em http://docs.fct.unesp.br/nera/artigodomes/6artigodomes_2009.pdf.

Acesso em: 09 abr. 2018.

SADER, Eder. Quando novos personagens entraram em cena: experiências, falas e lutas dos trabalhadores da Grande São Paulo, 1970-80. 3. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

STÉDILE, João Pedro. Conferência “Análise de Conjuntura”. In: Plenária da Frente Brasil Popular. Belo Horizonte/MG: Sindieletro, 2018a. Disponível em: https://www.facebook.com/jornalistaslivres/videos/811517382305474/. Acesso em: 02 ago. 2018.

__________________. Entrevista concedida sobre a “Questão agrária e

desenvolvimento”. In: Programa Voz Ativa. Belo Horizonte/MG: Rede Minas, 2018b. Programa de TV. Disponível em:

https://www.youtube.com/watch?v=bFoT_M_V0Y8&t=1637s. Acesso em: 02 ago. 2018.

TEIXEIRA, Gerson. O Golpe e a Reforma Agrária em 2016. Página do MST. Disponível em http://www.mst.org.br/2017/01/09/artigo-o-golpe-e-a-reforma-agrariaem-2016.html. Acesso em: 20 mai. 2018.

THOMPSON, E. P. A formação da classe operária inglesa, 2: a maldição de Adão. Trad. Renato Busatto Netto e Cláudia Rocha de Almeida. 2 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2012.

TISCHLER, Sergio. A forma classe e os movimentos sociais na América Latina. In:

LEHER, Roberto; SETÚBAL, Mariana (Orgs.). Pensamento crítico e movimentos sociais: diálogos para uma nova práxis. São Paulo: Cortez, 2005.

WICKHAM-CROWLEY, Timothy; ECKSTEIN, Susan Eva. Los movimientos sociales latino-americanos y la ratiicación del poder de las teorías estructurales. In: ALMEIDA, Paul... [et al.]. Movimientos sociales en America Latina: perspectivas, tendencias y casos. 1. ed. - Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO, 2017.




DOI: https://doi.org/10.22409/tn.17i33.p29366

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Fontes de Indexação:

   

     logo_livre2.png     https://periodicos.uff.br/public/site/images/zuleidesilveira/REDIB.jpg   

Apoio:

          Resultado de imagem para abec brasil logo             

 

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Contador de visitas
Contador de visitas

acessos a partir de 21/09/2018.