MOVIMENTOS SOCIAIS E EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO FECUNDA

Autores

  • Sandra Luciana Dalmagro

DOI:

https://doi.org/10.22409/tn.14i25.p9622

Palavras-chave:

Movimentos sociais, trabalho, educação, lutas sociais, MST.

Resumo

O artigo versa sobre a formação humana gerada nos Movimentos Sociais, em particular no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST, tendo por base revisão de literatura sobre o tema, bem como estudos anteriores e experiências da autora junto a Movimentos Sociais. Parte-se do entendimento de que a educação não se descola da base material e do conjunto social no qual se encontra, e que, portanto, mudar a educação é mudar a realidade mesma. Os Movimentos Sociais são expressão das contradições sociais ao mesmo tempo em que são portadores de futuro. Neste sentido, dão base à educação que se distancia da perspectiva burguesa, tateando em seu interior novas relações. Na atualidade vê-se a crescente concentração da riqueza e do poder, mas também a pulverização de lutas, coletivos e movimentos que de diferentes formas questionam as estruturas sociais e educacionais vigentes, lançando esperança em tempos sombrios. O MST é um importante Movimento Social para pensar a atualidade pois questiona a propriedade privada dos meios de produção, ensaiando novas formas de produzir a vida em seu interior, abrigando uma multiplicidade de temas, processo este formador da consciência social. O MST e os coletivos em emergência na atualidade indicam que os Movimentos Sociais e a educação são tão históricos quanto as sociedades e relações que os engendram.

Downloads

Publicado

2016-12-22

Como Citar

Dalmagro, S. L. (2016). MOVIMENTOS SOCIAIS E EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO FECUNDA. Revista Trabalho Necessário, 14(25). https://doi.org/10.22409/tn.14i25.p9622

Edição

Seção

Artigos