AS ARMAS DA CRÍTICA OU APONTAMENTOS PARA LUTAS E RESISTÊNCIAS AO MOVIMENTO “ESCOLA SEM PARTIDO”

Helton Messini da Costa, Luciana Bernardinello

Resumo


Destarte, a fim de atingirmos nossos objetivos, organizamos este texto em três partes, a saber: num primeiro momento, buscamos apresentar uma síntese do fenômeno do MESP, sua gênese, atuação e seus intelectuais. A seguir, importou-nos analisar o MESP e seus pressupostos a partir das categorias em Gramsci (1999; 2000; 2004), de vontade coletiva, partido, crise orgânica, intelectuais orgânicos e hegemonia. Por fim, lançamos algumas considerações com o intuito de contribuir ao enfrentamento do MESP em sua materialidade, bem como, em suas bases teóricas.


Palavras-chave


Educação; Filosofia; História; Ciências Sociais; Educação Popular

Texto completo:

PDF

Referências


BOITO JR., A. Reforma e crise política no Brasil: os conflitos de classe nos governos do PT. Campinas, SP: Editora da Unicamp/ São Paulo: Editora Unesp, 2018.

CARTA MAIOR. O que está por trás do escola sem partido? 2016. Disponível em: . Acesso 23 dez. 2017.

COSTA, H. M. Escola Sem Partido: concepções de escola, educação, formação humana e sociedade. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal Fluminense (UFF). Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação, 2019.

CRENSHAW, K. A interseccionalidade na discriminação de Raça e Gênero. Revista Estudos Feministas, n. 1, 2002.

CUNHA, L. A. O projeto reacionário de educação. 2016. Disponível em: . Acesso em 15 dez. 2017.

DAVIS, A. As mulheres negras na construção de uma nova utopia. 2011. Disponível em: . Acesso em 12 jan. 2019.

EL PAÍS. “O professor da minha filha comparou Che Guevara a São Francisco de Assis”. 2016. Disponível em: . Acesso em 12 jun. 2017.

FRIGOTTO, G. A gênese das teses do Escola sem Partido: esfinge e ovo da serpente que ameaçam a sociedade e a educação. In: FRIGOTTO, Gaudêncio (org). Escola Sem Partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017.

GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere. Vol. 4. Temas de cultura, ação católica, americanismo e fordismo. 5ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

______. Cadernos do Cárcere. Vol. 2. Os intelectuais; o princípio educativo; jornalismo. 3ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

______. Cadernos do cárcere. Vol. 3. Maquiavel. Notas sobre o estado e a política. 3ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

______. Cadernos do cárcere. Vol. 1. Introdução ao estudo da filosofia; a filosofia de Benedetto Croce. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

KLACHKO, P.; ARKONADA, K. As lutas populares na América Latina e os governos progressistas. São Paulo: Expressão Popular, 2017.

LÊNIN, V. I. Que fazer?. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

LOSURDO, D. A luta de classes: uma história política e filosófica. São Paulo: Boitempo, 2015.

LÖWY, M. Um Marx insólito. In: MARX, Karl. Sobre o suicídio. São Paulo: Boitempo, 2006.

MANACORDA, M. O princípio educativo em Gramsci. Porto Alegre: Editoras Artes Médicas, 1990.

MARCUSE, H. Prólogo. In: MARX, Karl. O 18 de brumário de Luís Bonaparte. Tradução de Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2011.

MARX, Karl. A sagrada Família. São Paulo: Boitempo, 2011.

______. Crítica da filosofia do direito de Hegel. 3ª ed. São Paulo: Boitempo, 2013.

______. Mensagem inaugural da Associação Internacional dos Trabalhadores. Lisboa: Editorial Avante, 1982.

______. Sobre o suicídio. São Paulo: Boitempo, 2006.

MARX, K; ENGELS, F. A Ideologia Alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

MÈSZÀROS, I. A crise estrutural do capital. 2ª ed. São Paulo: Boitempo, 2011.

ORSO, P. J. Os desafios de uma educação revolucionária. In: ORSO, Paulino José; MALANCHEN, J.; CASTANHA, A. P. (Orgs.). Pedagogia histórico-crítica, educação e revolução. Campinas-SP: Armazém do Ipê, 2017.

PENNA, F. O Escola sem Partido como chave de leitura do fenômeno educacional. In: FRIGOTTO, G (org). Escola Sem Partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017. p. 35-48.

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-Critica: primeiras aproximações. 11. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SEMERARO, G. Gramsci e os novos embates da filosofia da práxis. Aparecida-SP: Ideias e Letras, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Encontros com a Filosofia



APOIO

        

   

Fontes de indexação: