Pesquisa, intervenção e tecnologias: dispositivos de virtualização de coletivos

Grace Vali Freitag Tanikado, Cleci Maraschin

Resumo


Este trabalho tem como objetivo discutir uma pesquisa que  consistiu em uma intervenção, com a utilização de ferramentas tecnológicas, no campo da psicologia social. Tomamos como intercessores teóricos proposições de Gilbert Simondon, René Lourau e Pierre Lévy. Tal composição de perspectivas ganha corpo na prática de uma oficina tecnológica em um serviço da rede pública de atenção à saúde mental, na qual os trabalhadores construíram seu website. As tecnologias operaram como dispositivos de virtualização das práticas do serviço, provocando sua problematização e produzindo analisadores. Um desses analisadores foi a coabitação de discursos dicotômicos sobre cuidado em saúde mental, derivados do modelo manicomial e do proposto pela reforma psiquiátrica. A oficina conformou-se como espaço de conversa/produção entre os trabalhadores e pesquisadores, proporcionada pela relação mediada pela realização do website. Apontamos, assim, que a operatividade técnica possibilitou condições para a emergência de uma forma de coletivo.


Palavras-chave


Pesquisa-intervenção; tecnologias; coletivos; reforma psiquiátrica

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, K. F.; ROCHA, M. L. Micropolítica e o exercício da pesquisa-intervenção: referenciais e dispositivos em análise. Psicologia: ciência e profissão, Brasília, v. 27, n. 4, p. 648-663, dez. 2007.

AMARANTE, P. (Coord.). A (clínica) e a reforma psiquiátrica. In: ______. Archivos de saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: NAU, 2003. p. 45-65.

COSTA. C. I. Glossário. In: LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999. p. 251-260.

DELEUZE, G. Que és un dispositivo?. Michel Foucault, filósofo. Tradução de Wanderson Flor do nasciemento. Barcelona: Gedisa, 1990. p. 155-161. Disponível em: . Acesso em: 9 abr. 2010.

DEMOLY, K. Tecnologias em atos de escrita: quando o oficinar permite habitar outros mundos. In: MARASCHIN, C.; FRANCISCO, D. J.; DIEHL, R. (Org.). Oficinando em Rede: oficinas, tecnologias e saúde mental. Porto Alegre: UFRGS, 2011. p. 205-226.

DIEHL, R. Metodologia para superfícies e operacionalidades. In: MARASCHIN, C.; FRANCISCO, D. J.; DIEHL, R. (Org.). Oficinando em Rede: oficinas, tecnologias e saúde mental. Porto Alegre: UFRGS, 2011. p. 57-70.

EIDELWEIN, K.; MARASCHIN, C. O operar de um coletivo na web. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 23, n. 3, p. 48-55, 2003. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2008.

ESCÓSSIA, L. O coletivo como plano de criação na Saúde Pública. Interface, Botucatu, v. 13, p. 689-694, 2009. Disponível em Acesso em 5 abr. 2010.

FRANCISCO, D.; AXT, M.; MARASCHIN, C. Informática e saúde mental: caminhos de uma oficina. RENOTE: Revista Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre, v. 5, n. 1, p. 1-16. 2007. Disponível em: . Acesso em: 01 abr 2008.

HOLZMANN, L. Novas Tecnologias. In: CATTANI, A. D. Dicionário Crítico sobre Trabalho e Tecnologia. Porto Alegre: UFRGS, 2002. p. 224-228.

JIMÉNEZ, R. V. Educação, poder e mercado: desconstrução crítica dos efeitos disciplinantes das TIC na nova Escola do Espetáculo. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, São Paulo, v. 9, n. 18, p. 475-488, set./dez. 2005.

KASTRUP, V.; BARROS, R. B. Movimentos funções do dispositivo na prática da cartografia. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. Pistas do método cartográfico: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p. 76-91.

LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1997.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

LÉVY, P. O que é o virtual?. São Paulo: Editora 34, 1996.

LOURAU, R. Objeto e método da análise institucional. In: ALTOÉ, S. (Org.). René Lourau: analista institucional em tempo integral. São Paulo: Hucitec, 2004. p. 66-86.

MAURENTE, V. Imagens do hospício vazio: fotografia, pesquisa e intervenção. 2010. Tese (Doutorado)__Programa de Pós-graduação em Informática na Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

MARASCHIN, C.; FRANCISCO, D. J.; DIEHL, R. (Org.). Oficinando em Rede: oficinas, tecnologias e saúde mental. Porto Alegre: UFRGS, 2011.

MARASCHIN, C. et al. Projeto oficinando em rede. Porto Alegre: Instituto de Psicologia/Faculdade de Educação, UFRGS, 2007. Relatório de Pesquisa. Mimeografado.

REAL, L. C.; MARASCHIN, C.; AXT, M. Projetos de aprendizagem e tecnologias digitais: uma experiência promovendo transformações na convivência na escola. RENOTE: Revista Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre, v. 5, n. 1, p. 1-11, 2007.

ROCHA, M.; UZIEL, A. P. Pesquisa-intervenção e novas análises no encontro da psicologia com as instituições de formação. In: CASTRO, L. R.; BESSET, V. L. (Org.). Pesquisa-intervenção na infância e juventude. Rio de Janeiro: NAU/Faperj, 2008. p. 532-556.

SIMONDON, G. El modo de existencia de los objectos ténicos. Buenos Aires: Prometeo-Paidós, 2008.

SIMONDON, G. La individuacion. Buenos Aires: Cactus-La Cebra, 2009.

TANIKADO, G. V. F. Os encontros entre Oficinando e CIAPS: virtualizando instituições. In: MARASCHIN, C.; FRANCISCO, D. J.; DIEHL, R. (Org.). Oficinando em Rede: oficinas, tecnologias e saúde mental. Porto Alegre: UFRGS, 2011. p. 149-162.

TIRADO, F. S. Lo social y lo virtual. In: TIRADO, F. S.; DOMÈNECH, M. A. Lo social y lo virtual: nuevas formas de control y transformación social. Barcelona: UOC, 2006. p. 5-27. Colección Nuevas Tecnologías y Sociedad.

VIANNA, T. ; MARASCHIN, C; RICKES, S. O encontro com as tecnologias na atenção em saúde mental infantojuvenil. In: MARASCHIN, C.; FRANCISCO, D. J.; DIEHL, R. (Org.). Oficinando em Rede: oficinas, tecnologias e saúde mental. Porto Alegre: UFRGS, 2011. p. 79-98.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

Apoio:



Indexadores:



Arquivamento:



Facebook: