Ética Ubuntu nas discussões sobre experimentação científica: colonialidade e (des)humanização no ensino de Química

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/resa2022.v15i3.a42594

Palavras-chave:

experimentação, ética científica, mulheres negras, direitos humanos

Resumo

Este artigo se configura em um ensaio teórico que tem como intuito evidenciar as possibilidades de discussões éticas a partir da experimentação no Ensino de Química. Por meio de uma ampla revisão de literatura, abordamos alguns aspectos históricos acerca da experimentação no Ensino de Química, em articulação com o conceito de cidadania, destacando que não formamos para a cidadania se deixamos de lado discussões que estão no campo da interculturalidade. Pautamos a necessidade do debate sobre a decolonialidade e a ética Ubuntu na produção do conhecimento científico-experimental a partir do caso referente ao uso de mulheres haitianas e porto-riquenhas como cobaias para testes com as pílulas anticoncepcionais na década de 1960, visando problematizar as motivações colonialistas por trás destas práticas empíricas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto Dalmo Varallo Lima de Oliveira, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR

Licenciado em Química pela Universidade Federal Fluminense (2012), Mestre e Doutor em Ciência, Tecnologia e Educação pelo CEFET-RJ (2017). Foi professor da Escola Básica. Trabalhou entre 2014 e 2017 na Universidade Federal do Tocantins (UFT), entre 2017 e 2019 na Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Atualmente, é professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Editor da seção Debates em Direitos Humanos, Culturas e Justiça Social no Ensino de Química da Revista REDEQUIM. Coordenador da Coleção ?Culturas, Direitos Humanos e Diversidades na Educação em Ciências?. Nos últimos anos começou a se dedicar ao estudos sobre Jogos Digitais e sua relação com a Educação Científica e Tecnológica.

Barbara Carine Soares Pinheiro, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA

Possui graduação em Química e em Filosofia pela Universidade Federal da Bahia. Atualmente é professora Adjunto III na Universidade Federal da Bahia. Tem mestrado e doutorado em Ensino de Química pelo programa de pós-graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências da UFBA/UEFS. Realizou estágio de Pós-doutorado na Cátedra de Educação Básica - IEA USP. Foi coordenadora de área do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) de 2015 a 2018. Também foi membro dos conselhos superiores CAE e CONSEPE de 2016 a 2018. Foi vice-diretora do Instituto de Química da UFBA de (2019 - 2022). Hoje é membro do corpo permanente de docentes do Programa de pós-graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências da UFBA/UEFS. Atua como coordenadora do Grupo de Pesquisa em Diversidade e Criticidade nas Ciências Naturais (DICCINA), desenvolvendo pesquisas nas linhas de pesquisa: Formação de professoras e professores na perspectiva crítico-decolonial; Diversidade no Ensino de Ciências. Sócia-fundadora e Consultora Pedagógica na Escola Afro-Brasileira Maria Felipa, primeira escola Afro-brasileira do Brasil. Recebeu da Câmara Municipal de Salvador o Prêmio Maria Felipa 2021. Autora de nove livros, dentre eles: "@Descolonizando_Saberes: mulheres negras na ciência", um dos 10 finalistas na categoria Ciência ao Prêmio Jabuti 2021 e "História preta das coisas: 50 invenções científico-tecnológicas de pessoas negras" um dos 10 finalistas na categoria Ciência ao Prêmio Jabuti 2022. Mãe, nordestina e militante negra.

José Euzébio Simões Neto, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, PE

Sou licenciado em Química pela UFPE (2005). Depois, peguei um "Barro/Macaxeira" para cursar o mestrado e o doutorado em Ensino das Ciências no PPGEC/UFRPE (2009 e 2016, respectivamente). Comecei a ser professor em 2002, atuando em projetos, escolas, cursinhos e pré-vestibulares, até que em 2010 fui morar em Serra Talhada, para ser professor da licenciatura em Química, na UAST/UFRPE. Depois de passar quase quatro anos na terra de Lampião, atualmente sou professor no Departamento de Química da UFRPE, vinculado a área de Ensino de Química. Ainda, sou professor permanente no PPGEC (UFRPE) e no PPGECM (UFPE) e editor da REDEQUIM - Revista Debates em Ensino de Química. Tenho interesse em muita coisa, incluindo Ensino de Química.

Referências

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A Construção do Outro como Não-Ser como fundamento do Ser. 339f. 2005. Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005. Disponível em: https://repositorio.usp.br/item/001465832 Acesso em 10 fev. 2021.

CORTINA, Adela. Cidadãos do mundo: para uma teoria da cidadania. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

DANDAN, Randa Hilal; BRUNTON, Laurence L. (Orgs.). Manual de farmacologia e terapêutica de Goodman & Gilman. 2. ed. Porto Alegre: AMGH, 2018.

DIOP, Cheikh A. The cultural unity of black Africa. Chicago: Third World Press, 1990.

DUSSEL, Enrique C. Europa, modernidade e eurocentrismo. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2005.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FREITAS, Henrique. O Arco e a Arqué: ensaios sobre literatura e cultura. Salvador: Editora Ogum’s, 2016.

GALIAZZI, Maria C.; GONÇALVES, Fábio P. A natureza pedagógica da experimentação: uma pesquisa na licenciatura em química. Química Nova, v. 27, n. 2, p. 326-331, 2004. https://doi.org/10.1590/S0100-40422004000200027

GIORDAN, Marcelo. O papel da experimentação no ensino de ciências. Química Nova na Escola, , n. 10, p. 43-49, 1999. Disponível em: http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc10/pesquisa.pdf Acesso em 10 fev. 2021.

GONÇALVES, Fábio. P.; MARQUES Carlos. A. Contribuições pedagógicas e epistemológicas em textos de experimentação no ensino de química. Investigações em Ensino de Ciências, v.11, n.2, p.219-238, 2006. Dissponível em: https://ienci.if.ufrgs.br/index.php/ienci/article/view/494 Acesso em 10 fev. 2021.

GONÇALVEZ, Raquel. P. N.; GOI, Mara. E. J. Uma revisão de literatura sobre o uso da experimentação no ensino de química. Comunicações, v.25, n.3, p. 119-140, 2018. https://doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v25n3p119-140

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, p. 115–147, 2008. Disponível em: https://journals.openedition.org/rccs/697 Acesso em 10 fev. 2021.

KASHINDI, Jean-Bosco. K. Metafísicas africanas: eu sou porque nós somos. 2015. Disponível em: http://muitoalem2013.blogspot.com.br/2015/10/ubuntu-eu-sou-porque-nos-somos.html. Acesso em: 16 ago. 2019.

KILOMBA, Grada. Plantation memories: episodes of everyday racism. Munster: Unrast, 2012.

KRASILCHIK, Mirian. Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. Perspectiva. v.14, n.1, p. 85-93, 2000. Disponível em: https://www.scielo.br/j/spp/a/y6BkX9fCmQFDNnj5mtFgzyF/?format=pdf&lang=pt Acesso em: 16 ago. 2021.

LIMA, Juliana D. Anarcha, Lucy e Betsy: as escravas mães da ginecologia moderna. Nexo Jornal, 2016. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2016/12/03/Anarcha-Lucy-e-Betsy-as-escravas-m%C3%A3es-da-ginecologia-moderna. Acesso em: 16 ago. 2019.

MARSHALL, Thomas. H. Cidadania, classe social e status. Rio de Janeiro: Zahar,1967.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão negra. São Paulo: N-1 edições, 2018.

MELO, André C. Biodiversidade: narrativas, diálogos e entrelaçamento de saberes da comunidade/escola em um território quilombola do semiárido baiano. 231f. 2019. Tese (Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências), Universidade Federal da Bahia/Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/handle/ri/29825 Acesso em: 16 ago. 2021.

MIGNOLO, Walter. Os esplendores e as misérias da “ciência”: colonialidade, geopolítica do conhecimento e pluri-versalidade epistêmica. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (org). Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado. São Paulo: Cortez, 2008.

NOGUERA, Renato. Ubuntu como modo de existir: elementos gerais para uma ética afroperspectiva. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), v. 3, n. 6, p. 147-150, 2012. Disponível em: https://abpnrevista.org.br/site/article/view/358 Acesso em: 16 ago. 2021.

PAIVA, Ayane S. Princípios de design para o ensino de biologia celular: pensamento crítico e ação sociopolítica inspirados no caso de Henrietta Lacks. 392f. 2019. Tese (Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências), Universidade Federal da Bahia/Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/handle/ri/29744 Acesso em: 16 ago. 2021.

PAIVA, Ayane. S.; ALMEIDA, Rosiléia O.; GUIMARAES, Ana Paula M. A história de Henrietta Lacks como inspiração para o ensino de biologia celular voltado para a formação crítica sobre raça e gênero. In: TEIXEIRA, Pedro P.; OLIVEIRA, Roberto D. V. L.; QUEIROZ, Glória R. P. C. (Org.). Conteúdos Cordiais: Biologia humanizada para uma escola sem mordaça. 1ed. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2019, p. 49-68.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2005.

QUINTANILLA, Ray. Anger at Island’s ‘Pill’ Test Lingers: some women were Unwitting subjects of birth control in 1950s and 60s Puerto Rico. The Orlando Sentinel, 2004. Disponível em: https://www.orlandosentinel.com/news/os-xpm-2004-04-05-0404050142-story.html. Acesso em: 16 ago. 2019.

RAMOSE, Mogobe B. The ethics of ubuntu. In: COETZEE, Peter H.; ROUX, Abraham P. J. (eds). The African Philosophy Reader. New York: Routledge, 2002, p.324-330.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Orgs). Epistemologia do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SILVA, Roberto R.; MACHADO, Patrícia. L.; TUNES, Elisabeth. Experimentar sem medo de errar. In: SANTOS, Wildson L. P.; MALDANER, Otávio A. (Orgs.). Ensino de química em foco. Ijuí: EdUnijuí, 2010. p. 231-261.

STORTTI, Marcelo; SANCHEZ, Celso. Educação Ambiental Decolonial de Base Comunitária: a Pedagogia dos Afetados pelo setor da Mineração. In: ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL, 9, 2017. Anais..., Juiz de Fora, 2017. Disponível em: http://epea.tmp.br/epea2017_anais/pdfs/plenary/0074.pdf Acesso em: 16 ago. 2019.

WALSH, Catherine. Interculturalidad, plurinacionalidad y decolonialidad: las insurgencias político-epistémicas de refundar el Estado. Tabula Rosa, n. 9, p. 131-152, 2009. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/tara/n9/n9a09.pdf Acesso em: 16 ago. 2019.

Downloads

Publicado

2023-05-23

Como Citar

Oliveira, R. D. V. L. de, Pinheiro, B. C. S., & Simões Neto, J. E. . (2023). Ética Ubuntu nas discussões sobre experimentação científica: colonialidade e (des)humanização no ensino de Química . Ensino, Saude E Ambiente, 15(3), 543-559. https://doi.org/10.22409/resa2022.v15i3.a42594

Edição

Seção

Artigos